Categories: Giro do Boi

Desafios e oportunidades no mercado mundial de carne

Por Tim Petry, Extension Livestock Marketing Economist do Departamento de Agronegócios e Economia Aplicada da NDSU (North Dakota State University)

As questões internacionais do comércio de carne bovina continuam dinâmicas e afetam os preços do gado a curto e longo prazos. Os EUA são um importante produtor de carne bovina, suína, frango e peru no mundo e também um grande exportador dessas commodities. Os EUA também são um importante importador de carne bovina.

O comércio internacional está aumentando em importância para o setor de carne bovina dos EUA. À medida que as novas questões comerciais surgem, os preços da carne e dos bovinos, bem como os preços das carnes concorrentes, ficam voláteis.

Um número crescente de questões, algumas controversas, parecem estar envolvendo o mercado mundial de carne bovina. Algumas fornecem desafios para exportadores de carne e países importadores, mas também podem oferecer oportunidades para países como os Estados Unidos.

Os EUA são o maior exportador de carne bovina de alta qualidade do mundo e o principal exportador de carne bovina em valor. O Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) projetou que os quatro principais países exportadores de carne bovina em 2017, em ordem de importância, serão Índia, Brasil, Austrália e os EUA.

O USDA também previu que o mercado de carne da China/Hong Kong superará os EUA como o principal importador mundial de carne bovina. Problemas importantes com cada um desses outros países poderiam afetar o mercado de gado dos EUA.

A Índia estar em primeiro lugar no ranking como o principal exportador mundial de carne bovina é um tanto controverso por si só. A “carne bovina” que é exportada é principalmente carne de búfalos d’água, porque as vacas são consideradas sagradas para muitas pessoas hnduisas. No entanto, a carne de búfalos, também conhecida como carabeef, concorre diretamente com carne de menor qualidade produzida a pasto de outros países, como Brasil e Austrália.

Algumas frigoríficos na Índia são operados por muçulmanos, que tiveram problemas com o governo federal dominado pelos hindus. Em maio, o governo indiano impôs a proibição da venda de gado e búfalos nos mercados de animais para serem abatidos.

Em julho, o Supremo Tribunal da Índia suspendeu a proibição. Como as exportações de carne de búfalo são um mercado lucrativo para a Índia, muitos esperavam que a proibição fosse removida. Mas as perspectivas potenciais de uma proibição, pelo menos temporariamente, causaram incerteza e volatilidade no mercado mundial de carne bovina.

O Brasil, o segundo maior exportador de carne bovina, também teve sua parte na turbulência do mercado. Um escândalo de suborno da inspeção de carne envolveu várias empresas do setor e reduziu temporariamente as exportações de carne bovina no início de 2017.

A JBS, com sede no Brasil e a maior empresa de carnes do mundo, foi abalada por um escândalo de suborno político e está alienando alguns ativos.

No final de 2016, ambos os países aprovaram a comercialização bilateral de carne fresca e congelada entre os EUA e o Brasil. Quantidades relativamente baixas de carne bovina de menor qualidade foram importadas para os Estados Unidos do Brasil e algumas de alta qualidade foram enviadas dos EUA para o Brasil.

A JBS foi um player importante nessas transações. Em 22 de junho, o USDA anunciou que as importações de carne fresca e congelada do Brasil foram suspensas devido a preocupações com a segurança alimentar. A China, principal cliente de carne bovina do Brasil, também anunciou que estava examinando mais de perto a carne bovina do Brasil.

A Austrália, terceiro maior exportador de volume de carne bovina, sofreu uma grave seca em uma grande região produtora de carne bovina em 2014 e 2015. A redução forçada do rebanho resultou no aumento da produção e exportação de carne bovina. Um retorno a chuvas mais normais permitiu a reconstrução do rebanho em 2016 e a menor produção de carne reduziu as exportações. Curiosamente, durante os primeiros quatro meses em 2017, os EUA superaram a Austrália tornando-se temporariamente o terceiro maior exportador de carne em volume.

A Austrália foi o maior fornecedor de carne bovina para os EUA, mas caiu para o terceiro lugar em 2017 atrás do Canadá e da Nova Zelândia. As importações de carne da Austrália diminuíram 39% em 2016 com relação aos níveis inflacionados de 2015 e esse ritmo mais lento continua em 2017. A menor produção e os altos preços da carne também estão levando a um menor volume de exportações para outros países.

O mercado de exportação está se tornando cada vez mais importante para os preços do gado nos EUA. Após um difícil ano de exportação de carne bovina em 2015, devido a vários fatores, as exportações de carne bovina cresceram mais de 12,5% em 2016 e, segundo o USDA, devem aumentar outros 9% em 2017. As exportações aumentaram cerca de 15% no primeiro semestre de 2017. Essa foi uma das razões para o aumento do preço do gado em maio de 2017.

As exportações dos EUA foram especialmente fortes para os quatro principais clientes: Japão, México, Canadá e Coreia do Sul. Vale notar que os EUA estão em negociações comerciais com o Japão porque o país se retirou da Parceria Trans-Pacífico.

No início de julho, a União Europeia e o Japão assinaram um Acordo de Parceria Econômica, que dá acesso favorável à carne bovina europeia no Japão. Os EUA também estão discutindo as provisões do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA) com o Canadá e o México. Manter o forte comércio de carne com os principais clientes de carne bovina é importante para os Estados Unidos.

O principal obstáculo para retomar as exportações de carne bovina dos Estados Unidos para a China foi o processo de negociação política. Agora que um acordo está em vigor e a carne pode ser exportada, o tamanho do mercado chinês precisará ser determinado pelo mercado.

As exigências de que a carne deve ser rastreável até a fazenda de origem usando um identificador exclusivo e não contenha promotores de crescimento, aditivos para alimentação animal e outros compostos químicos podem restringir a quantidade de carne bovina inicialmente disponível para exportação para a China. Os altos preços a mais longo prazo podem incentivar os produtores de carne a criar gado que cumpra esses requisitos.

Várias das questões discutidas anteriormente impactaram temporariamente os preços do gado e, em particular, o mercado de futuros. Com o acesso instantâneo a informações mundiais tão facilmente disponíveis, a expectativa é de que a volatilidade dos preços continue à medida que a dinâmica do mercado global de carne bovina continua a evoluir.

Fonte: NDSU, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 25 de setembro de 2017

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Produção de carne bovina nos EUA cai 21% em abril por conta do coronavírus

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, a produção de carne nos Estados Unidos… Read More

25 de maio de 2020

Fechada para clientes, churrascaria assa carne na calçada na zona leste de SP

Desde as 3h deste domingo cerca de 80 quilos de costela permaneceram rodeadas de fogo,… Read More

25 de maio de 2020

Marfrig tem 25 casos positivos de covid-19 em funcionários de unidade de Várzea Grande (MT)

A Marfrig Global Foods foi notificada sobre testes positivos para covid-19 em 25 funcionários de… Read More

25 de maio de 2020

Ajustes em frigoríficos vieram para ficar, afirma especialista

As medidas de segurança adotadas no ambiente frigorífico para tentar mitigar o risco de contaminação… Read More

25 de maio de 2020

Cadeia de fornecimento da indústria de carnes está falhando, mas fazendas menores ainda podem atender às necessidades dos consumidores nos EUA

Will Harris ficou alarmado com as notícias de produtores sacrificando seus animais porque matadouros e… Read More

25 de maio de 2020

Brasil alcança abertura de 60 mercados para produtos agropecuários

O Brasil alcançou a marca de 60 mercados externos abertos para produtos agropecuários desde janeiro… Read More

25 de maio de 2020