Cruzamento entre bovinos europeus britânicos X continentais – será que é uma tendência que veio para ficar?

O BeefPoint já publicou diversos artigos apresentando casos de sucesso e experiências com cruzamentos de bovinos de corte, mas hoje, optamos por reunir uma série de opiniões de profissionais ligados ao setor do melhoramento genético, professores e produtores para discutirem a seguinte questão: Cruzamento entre bovinos europeus x continentais será que essa é uma tendência que veio pra ficar?

Por André Plastina

O cruzamento de raças britânicas com continentais, no Rio Grande do Sul é uma constante há bastante tempo. As primeiras raças introduzidas na pecuária do Rio Grande do Sul foram as britânicas por influência dos frigoríficos ingleses, que se estabeleceram no Uruguai, Argentina e no Rio Grande do Sul.

Mais tarde houve a introdução das raças continentais representadas principalmente pelo Charolês, que dominou a venda de reprodutores no RS entre a década de 60 até o final dos anos 90. Tornado o gado do RS quase todo branco. Isto criou as condições ideais para o retorno deste cruzamento, agora com a utilização de touros britânicos, que hoje dominam a venda de reprodutores no RS.

Há também a partir da década de 70 com a popularização da inseminação artificial a introdução do cruzamento com Zebu, que  sem dúvidas, possibilita um considerável ganho em heterose, embora hoje no RS as raças sintéticas são preferidas para cruzamentos.

Portanto, como hoje o rebanho bovino do RS está quase todo britânico acredito que está na hora de novamente ocorrer um aumento do uso de touros continentais, seja em monta natural ou com o uso da inseminação artificial.

Este cruzamento irá melhorar o rendimento e o peso de carcaça, mantendo a qualidade da carne e melhorando em todos os aspectos a rentabilidade da atividade.

Para comprovar coloco esta matéria abaixo que mostra o desempenho da raça Charolesa em recente concurso de carcaças realizado no Uruguai:

Nos Estados Unidos onde a principal raça é a Angus, é usado o cruzamento com Charolês. O cruzado atinge o peso ideal de abate (480 kg) com 3 meses de antecedência em relação ao puro. Na Inglaterra berço das raças britânicas o Charolês é a raça mais usada para cruzamentos.

Portanto, o cruzamento de britânicas com continentais, não é uma moda, é uma realidade, uma ferramenta para quem busca eficiência em seu sistema de produção pecuária.

Share

Recent Posts

Por que lucratividade é muito mais importante do que produtividade na sua fazenda?

Por que é tão importante falar de lucratividade versus produtividade? A primeira coisa é: são dados reais! Existem poucos bancos… Read More

28 de janeiro de 2020

Efeito do coronavírus no consumo de carne: “O que está acontecendo não é bom”, diz empresário uruguaio

O surto do coronavírus está alarmando o mundo, especialmente a China e outros países da Ásia, e está causando um… Read More

28 de janeiro de 2020

EUA: Futuros de gado caem em meio a temores de coronavírus

Na sexta-feira, o futuro dos bovinos vivos e para engorda dos EUA atingiu seus preços mais baixos em meses, em… Read More

28 de janeiro de 2020

Fogo na Austrália e peste suína africana devem favorecer carne brasileira

Os incêndios na Austrália afetam a produção de carnes no país, o que deve abrir espaço para novo salto de… Read More

28 de janeiro de 2020

Mapa faz esclarecimentos sobre coronavírus

Diante da emergência do vírus identificado na China em dezembro de 2019 – Coronavírus e já detectado em vários países,… Read More

28 de janeiro de 2020

Serviço de Inspeção Federal completa 105 anos

Responsável por assegurar a qualidade de produtos de origem animal, comestíveis e não comestíveis, destinados ao mercado interno e externo,… Read More

28 de janeiro de 2020

Assista Aula Grátis "As 7 Estratégias do Lucro em Fazendas"

Quero Assistir