Categories: Giro do Boi

COVID-19: Medidas de saúde e segurança nos frigoríficos

Diante do atual cenário de pandemia de coronavírus, os frigoríficos estão preocupados com as medidas de segurança e saúde dos funcionários. Ao mesmo tempo, faz-se necessário garantir o suprimento de alimentos de origem animal à população, de forma que o trabalho precisa continuar.

Confira algumas dicas para lidar com essa situação:

Aumento das medidas de higiene

As medidas de higiene em frigoríficos já costumam ser bastante rígidas para manter a qualidade da carne, mas nesse momento, devem ser aprimoradas. Isso pode ser feito com a obrigação de lavar as mãos com maior frequência, aumento da disponibilidade de álcool em gel para todos os funcionários, substituição de toalhas de pano por toalhas de papel, recomendações claras sobre como proceder em caso de espirros ou tosses, aumento das medidas de desinfecção do ambiente.

Cuidados com roupas e equipamentos

Os frigoríficos devem considerar que os trabalhadores usem roupas protetoras, luvas, máscaras enquanto manipulam profissionalmente animais e produtos de animais frescos. Os equipamentos e as estações de trabalho devem ser desinfetados com frequência, pelo menos uma vez ao dia. As roupas de proteção devem ser removidas após o trabalho e lavadas diariamente.

Os trabalhadores devem evitar expor os membros da família a roupas, sapatos ou outros itens sujos que possam ter entrado em contato com material potencialmente contaminado. Portanto, é recomendável que roupas e itens de proteção permaneçam no local de trabalho para lavagem diária.

Redução dos encontros de pessoas

Os frigoríficos devem reduzir encontros de grupos de pessoas dentro do estabelecimento, seja para realização de reuniões, seja por qualquer outro motivo. Além disso, deve-se reduzir a circulação de pessoas nas plantas e impedir visitas de qualquer pessoa de fora.

Também deve-se manter a distância de um metro e meio entre as pessoas.

Dessa forma, deve-se priorizar reuniões não presenciais, através de vídeo-conferências, e ampliar o horário de refeições, para diminuir o número de pessoas agrupadas.

Cancelamento de viagens

Todas as viagens de funcionários e equipe devem ser canceladas. Aqueles que acabaram de chegar de viagem devem ficar de quarentena antes de retornar ao trabalho.

Redução da mão de obra, se possível

O frigorífico deve dar folga remunerada ou férias para os trabalhadores sempre que possível para reduzir o número de pessoas trabalhando. Deve-se manter o mínimo de pessoas necessárias para que o funcionamento do frigorífico se mantenha.

Grupos de risco

Até que se entenda mais sobre o COVID-19, idosos e/ou pessoas com condições médicas subjacentes são consideradas com maior risco de doença grave. Eles devem evitar o contato com mercados de animais vivos e não devem comer peixe cru ou outra carne de animal cru. Tais recomendações também devem ser disseminadas para viajantes e turistas com condições médicas subjacentes.

Maior tolerância com faltas por doença

Os trabalhadores que necessitam ficar em casa por suspeita de alguma doença ou por estarem doentes não devem sofrer nenhuma medida punitiva, já que essa é a recomendação oficial. Aqueles que estiverem com suspeita de coronavírus devem ficar no mínimo 14 dias em casa, sob licença médica.

Animais doentes

Com base nas informações disponíveis, não se sabe se o COVID-19 tem algum impacto na saúde dos animais e nenhum evento específico foi relatado em nenhuma espécie. Como recomendação geral, os animais doentes nunca devem ser abatidos para consumo; os animais mortos devem ser enterrados ou destruídos com segurança e o contato com seus fluidos corporais deve ser evitado sem roupas de proteção. Os veterinários devem manter um alto nível de vigilância e relatar qualquer evento incomum detectado em qualquer espécie animal presente nos mercados às autoridades veterinárias.

Mercados de animais vivos

Qualquer pessoa que visite mercados de animais vivos, wet market ou de produtos de origem animal deve praticar medidas gerais de higiene, incluindo lavagem regular das mãos com água e sabão após tocar em animais e produtos de origem animal, evitando tocar nos olhos, nariz ou boca com as mãos e evitar contato com animais doentes ou produtos animais estragados. Qualquer contato com outros animais (por exemplo, gatos e cães, roedores, pássaros, morcegos) deve ser estritamente evitado. Também deve ser tomada atenção para evitar o contato com resíduos ou fluidos de animais potencialmente contaminados no solo ou nas estruturas de lojas e instalações de mercado.

Fontes: Organização Mundial de Saúde, https://www.tarobanews.com, Bloomberg,

This post was published on 23 de março de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

INAC promove carne uruguaia em restaurantes da China

O Instituto Nacional de Carnes (INAC) vem desenvolvendo campanhas na China com restaurantes e empresas… Read More

8 de março de 2021

Número de mulheres dirigindo propriedades rurais no Brasil alcançou quase 1 milhão, segundo dados do Mapa, Embrapa e IBGE

O número de mulheres dirigindo propriedades rurais no Brasil alcançou quase 1 milhão. A partir… Read More

8 de março de 2021

Exportações de carne bovina recuaram em fevereiro

As exportações brasileiras de carne bovina (in natura e processada) alcançaram 124,5 mil toneladas e… Read More

8 de março de 2021

Vai um bife por US$ 1mil? É de laboratório

“Garçom, um filab mal passado, por favor”. Um bife de laboratório, cultivado a partir de… Read More

8 de março de 2021

Novas regras para manejo de pastagens no Pantanal em MT

Depois que incêndios consumirem 30% dos 6 milhões de hectares do Pantanal que ficam em… Read More

8 de março de 2021

Fazenda Futuro terá Alexandre Ruberti, ex-Red Bull, no comando da operação nos EUA

A brasileira Fazenda Futuro, startup de proteínas vegetais do empresário Marcos Leta, está expandindo as… Read More

8 de março de 2021