“A brutalidade com o boi ainda é rotina” confira entrevista com Mateus Paranhos
17 de março de 2014
Aproveitem o bom momento de preços da pecuária para repensar a atividade, pois extremos de preço não são salutares, nem permanentes – Carlos Gottschall [Prêmio BeefPoint Sul]
17 de março de 2014

Coreia do Sul deve importar mais carne bovina nos próximos anos, inclusive do Uruguai

As exportações uruguaias de carne in natura à Coreia do Sul no momento têm volumes reduzidos, mas as coisas poderiam melhorar em médio prazo se forem confirmadas as expectativas do Instituto Coreano de Economia Rural (KREI), que adverte sobre a possibilidade de importações crescentes de carne bovina pelo país, à medida que se projeta uma diminuição na produção doméstica.

O KREI elaborou um relatório em que mostra que o consumo de carne bovina nesse país é de 512.000 toneladas. Durante o ano passado, a produção de carne bovina na Coreia do Sul aumentou em 10%, para 257.000 toneladas, o volume mais alto desde 1998, o restante do produto demandado pelos consumidores foi importado, de acordo com o Eurocarne.

O KREI prevê que a produção possa cair nos próximos anos diante da baixa na disponibilidade de bovinos, o que motivará que, em 2014, a produção seja de cerca de 238.000 toneladas e, em 2015, de 221.000 toneladas, chegando a 204.000 toneladas em 2016.

Frente a essa situação, em médio prazo o KREI entende que haverá um processo de retenção da pecuária coreana, o que provocaria um aumento das importações que, para 2014, cresceriam em 9%, para 279.000 toneladas e, em 2015, poderiam ser de quase 300.000 toneladas.

Desde que a Coreia do Sul habilitou a entrada de carne bovina fresca do Uruguai, a corrente comercial tem sido esporádica, ainda que moderadamente crescente. Em 2013, foram exportadas 344 toneladas de cortes de dianteiro congelados, enquanto até agora em 2014, foram exportadas 89 toneladas com um valor médio FOB de US$ 4.439 toneladas.

Comentário BeefPoint: O Uruguai avança cada vez mais, tendo acesso aos melhores mercados mundiais de carne bovina in natura. Esperamos que o Brasil consiga abrir o mercado dos EUA e acessar também outros mercados já atendidos pelo Uruguai.

Fonte: tardaguila.com.uy, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint

Os comentários estão encerrados.