CEPEA: Baixa oferta mantém boi em valorização; para a carne, preço se enfraquece
11 de março de 2021
Produção de soja e aumento da área de milho impulsionam supersafra de grãos
12 de março de 2021

Consumo de carne bovina na Argentina caiu quase 30% em relação ao pico de 2008

Em um contexto de alta inflação e com um acordo de preços em vigor para comercializar 10 cortes de carne bovina a preços populares, o consumo de carne bovina na Argentina segue em patamares baixos. Em relação ao pico que atingiu em 2008, registou uma queda de quase 30%, com forte impacto que evidencia o menor poder aquisitivo da população. Isso fica claro no relatório mensal da Câmara de Indústria e Comércio de Carnes e Derivados da República Argentina (CICCRA).

Em fevereiro passado, o abate de bovinos atingiu 1,039 bilhão de cabeças, com uma participação de fêmeas levemente acima de 45%. Além disso, nos dois primeiros meses do ano o mercado interno absorveu 331,4 mil toneladas de carne bovina com osso, uma redução de 10,5% em relação ao mesmo período do ano anterior, que em termos absolutos representou cerca de 39 mil toneladas. Por sua vez, as exportações totalizaram 133,9 mil toneladas, registrando um aumento de 17,8% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Para tudo isso, em fevereiro passado o consumo de carne bovina por habitante foi de 49 quilos por habitante ao ano. Se a comparação for feita com a média dos últimos 12 meses, foi registrada uma queda de 3,2%, mas na comparação do consumo dos últimos meses com o pico alcançado em fevereiro de 2008, quando ficou em 68,9 quilos por habitante ao ano, em tempos de restrições às exportações impostas pelo kirchnerismo e alta liquidação de estoques, a queda no consumo foi de 28,9% (-19,9 kg / hab / ano).

Os deputados explicaram que o principal fator que impulsiona a redução do consumo é a queda do poder de compra, que também é impulsionado pelo maior nível de desemprego que retira as famílias do mercado. A esse respeito, eles apontaram: “Em outras palavras, as famílias devem comprar carne bovina a preços ‘novos’ com renda ‘velha’, ou seja, ainda não atualizada pela inflação.”

Preços

Em meio às reuniões do governo e da iniciativa privada para controlar a inflação e com a validade do acordo popular de preços para 10 cortes de carne bovina, o preço da carne continua registrando altas nos balcões dos açougues.

De acordo com os dados da Ciccra, em fevereiro passado nos açougues da Região Metropolitana de Buenos Aires (AMBA) os preços dos cortes bovinos aumentaram apenas 1,1%, sendo que o preço relativo da carne bovina pé caiu -4,9% em relação ao no mês anterior e estava localizado no mesmo nível de novembro de 2020 e dezembro de 2019. Você tem que voltar a 2010-2011 para encontrar um preço relativo igualmente baixo.

Por sua vez, o relatório privado detalhou que no mesmo mês analisado o preço do frango subiu 5,7% ao mês e a média dos cortes de carne suína cresceu 1,8% entre janeiro e fevereiro deste ano. “Em termos comparativos, no segundo mês do ano, os cortes bovinos ficaram mais baratos, 4,3% frente ao frango e 0,7% ante a média dos suínos. E na comparação com abril de 2018, os aumentos foram de 290,1% para a média dos cortes bovinos, 297,1% para os de frango e 267,8% para a média dos cortes suínos ”, detalhou a Ciccra.

“Isso implica que nos últimos trinta e quatro meses o preço médio dos cortes bovinos avançou um pouco mais rápido que o preço médio dos cortes suínos (+ 6,1%), mas ficou atrás do preço do frango (-1,8% ) “.

Fonte: Infobae, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *