Categories: Giro do Boi

Consumidor quer proteínas vegetais, mas sem pagar caro

Metade dos consumidores brasileiros reduziu o consumo de proteínas animais no ano passado, mas a maioria não está disposta a pagar mais caro por um produto vegetal, de acordo com pesquisa realizada pelo Ibope a pedido da organização The Good Food Institute Brazil e que teve o apoio de 11 empresas do setor de alimentos.

A pesquisa foi feita com 2 mil pessoas a partir de 18 anos, selecionadas por cotas de gênero, idade e regiões do país, de todas as classes sociais. Das pessoas entrevistadas em 2020, 50% afirmaram que estavam diminuindo o consumo de proteínas animais e substituindo esses produtos por proteínas alternativas – encaixando-se, assim, entre os “flexitarianos”. O resultado representou um salto em comparação à pesquisa anterior, de 2018, quando 29% se enquadravam nesse perfil.

Desse grupo, 56% estavam consumindo, em 2020, frango pelo menos três vezes por semana, e 43% consumiam carne bovina. Quase metade das substituições (47%) era feita exclusivamente por legumes, verduras e grãos.

Porém, o custo da troca da proteína animal pela vegetal ainda é um entrave para a migração do consumo. Dos entrevistados, somente 36,5% manifestaram disposição em pagar mais por um produto vegetal análogo ao animal, enquanto 39% estavam escolhendo a opção de proteína mais barata, sem se importar com qual a origem (animal ou vegetal).

Ainda assim, há desejo dos consumidores pela proteína vegetal. A maioria dos entrevistados apontou em 2020 que preferia consumir alternativas vegetais em casa, seja ao cozinhar (62%) ou pelo delivery (44%).

Para Felipe Krelling, coordenador de engajamento corporativo do GFI Brasil, “há sempre que se concentrar esforços no que é essencial: sabor, aroma e textura semelhantes, preço competitivo, e que esses produtos tenham características de saudabilidade desejadas pelo consumidor”.

Em sua avaliação, o barateamento das proteínas vegetais virá com o desenvolvimento dessa indústria. “Existe uma dinâmica natural de mercado: o preço vai ficando mais competitivo à medida que a escala aumenta, o domínio das tecnologias é maior e conseguimos nacionalizar os ingredientes”, diz o especialista, em nota.

“A alimentação tem um aspecto cultural bastante forte, e a carne está inserida em muitas das tradições brasileiras como a feijoada, o churrasco de domingo, o peru no Natal, etc. Por isso, a mudança desses hábitos depende de a indústria conseguir desenvolver produtos que se insiram nessas situações, que promovam a experiência sensorial que o consumidor espera e os aspectos de saudabilidade que ele valoriza”, defende Raquel Casselli, gerente de engajamento corporativo do GFI, na mesma nota.

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 3 de março de 2021

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Exportações de carne bovina do Uruguai estão se recuperando

As exportações uruguaias de carne bovina se recuperaram no primeiro trimestre de 2021 quando comparadas… Read More

14 de abril de 2021

Estudo: Produção bovina pode diminuir emissão de GEE até 50% através de práticas eficientes

Uma equipa de investigação liderada pela Universidade Estadual do Colorado descobriu que a indústria da… Read More

14 de abril de 2021

Exportações de carne em março aumentam 37,7% em relação ao mês anterior em MT

As exportações mato-grossenses de carne bovina em março de 2021 aumentaram 37,7% em relação a… Read More

14 de abril de 2021

MS está entre os estados com maior adoção de sistemas de integração e plantio direto no Brasil

Na semana em que celebramos o Dia Nacional da Conservação de Solos, Mato Grosso do… Read More

14 de abril de 2021

Carne bovina: ‘Brasil pode passar a exportar 35% da produção em breve’

A arroba do boi gordo segue em alta nos mercados físico e futuro. Quem vê… Read More

14 de abril de 2021

Frigoríficos brasileiros operam com margens abaixo de 3%, diz fonte

A disparada do boi e o cambaleante mercado doméstico reduziram as margens dos frigoríficos a… Read More

14 de abril de 2021