CVM analisa com lupa compra das ações da BRF pela Marfrig
25 de maio de 2021
Commodities: Milho desaba após rumores de cancelamento de compras chinesas
26 de maio de 2021

Compreendendo a imunidade de bezerros

Trabalhar para eliminar problemas de saúde em bezerros jovens é um primeiro passo crítico para economizar milhões de dólares anualmente para a indústria da carne por meio de perdas econômicas atribuídas ao desperdício de recursos alimentares, compra de produtos farmacêuticos, desempenho reduzido e aumento da mortalidade.

A reação rápida e oportuna do sistema imunológico desde o nascimento ajuda a garantir que os bezerros tenham um desempenho ideal. Compreender o papel que a imunidade desempenha no cenário para o futuro do bezerro é vital na preparação do bezerro para uma vida de sucesso. A imunidade ativa e passiva, combinada com uma estratégia planejada de manejo e nutrição, forma uma base sólida para a produtividade dos bezerros e pode colocar os pecuaristas no caminho da eficiência econômica.

Este trecho de um artigo produzido pela Oregon State University dá uma visão geral do sistema imunológico do gado:

Imunidade Ativa e Passiva – Imunidade é a resistência do animal a uma doença específica. A imunidade ativa é adquirida quando o animal é infectado por um patógeno específico, cria uma “memória” contra ele e elimina com sucesso a doença e o patógeno. Na próxima vez que o animal for infectado pelo patógeno, a resposta imune adaptativa será mais rápida e mais forte, eliminando rapidamente o patógeno e prevenindo a doença. Um exemplo comum é a catapora em humanos; depois de tê-la, você nunca mais a terá. A vacinação também é um exemplo de imunidade ativa. Ao injetar no animal um patógeno morto ou enfraquecido, que não será prejudicial o suficiente para desenvolver a doença, o sistema imunológico cria a “memória” e aprende como combatê-la se ocorrer uma infecção. A imunidade passiva ocorre quando o animal recebe anticorpos de uma fonte externa, como outro animal. O exemplo clássico de imunidade passiva é a transferência de anticorpos da vaca para o bezerro via colostro. Essa transferência é extremamente importante para bezerros recém-nascidos porque seu sistema imunológico não está maduro o suficiente para desenvolver seus próprios anticorpos. O bezerro deve ser imune à maioria dos patógenos presentes no ambiente, pois a mãe já foi exposta a eles e desenvolveu anticorpos protetores. Outro exemplo de imunidade passiva é a administração de anti-soro específico ou antitoxina a bovinos ou bezerros doentes que não receberam colostro suficiente.

Manejo sanitário do gado

Nas operações comerciais de carne bovina, o gado é frequentemente exposto a desafios de saúde. Podem ser bactérias, vírus, parasitas e toxinas provenientes da ração, do ar, da água, da vida selvagem, de outros bovinos e até de humanos. O estresse também é um fator importante para a saúde do gado. Temperaturas extremas, manuseio, transporte, desmame e virulência são estressores que podem suprimir o sistema imunológico do gado, mas também desencadear respostas inflamatórias. Manter o gado em boa saúde não é importante apenas para o bem-estar animal, mas também tem implicações na produtividade animal. O sistema imunológico, assim como quaisquer outras funções do corpo, requer uma quantidade significativa de nutrientes para funcionar adequadamente. Quando o animal é infectado por um patógeno, uma quantidade significativa da energia e proteína consumidas que deveriam apoiar as funções produtivas, como crescimento, reprodução, lactação, são deslocadas para apoiar a resposta imunológica. Esses nutrientes são necessários para a produção de células brancas do sangue, apoiam o processo de inflamação, multiplicação de células T e B, síntese de anticorpos e muitos outros processos imunológicos. Portanto, manter o gado com boa saúde melhorará a utilização de nutrientes e a produtividade. Da mesma forma, o gado deve sempre ser mantido em estado nutricional adequado para que seu sistema imunológico possa funcionar adequadamente quando necessário.

Algumas considerações de manejo para melhorar o sistema imunológico do gado são:

Nutrição – energia e proteína são necessárias para todos os processos do corpo, incluindo o sistema imunológico. A energia atua como combustível para a síntese e função das células do sistema imunológico, enquanto a proteína regula e atua como componente estrutural para células e anticorpos. Sem a ingestão adequada de energia e proteína, o sistema imunológico e qualquer resposta imunológica ficam prejudicados. Os minerais são necessários para o funcionamento adequado dos componentes imunológicos, como o reconhecimento de patógenos e a resposta de anticorpos. Embora vários minerais sejam importantes para o funcionamento geral do corpo, selênio, zinco, cobre e cromo são especificamente importantes para o sistema imunológico e devem sempre ser oferecidos ao gado em quantidades que atendam às suas necessidades. As vitaminas A, B6, B12, C e E também são essenciais para a função imunológica adequada e suas funções geralmente se sobrepõem às dos minerais. O gado deve sempre receber quantidades adequadas de vitaminas A e E na dieta, ao passo que a suplementação de vitaminas B e C muitas vezes não é necessária porque os microrganismos ruminais e os tecidos do corpo, respectivamente, produzem quantidades suficientes dessas vitaminas.

Redução do estresse – Situações estressantes também têm efeitos negativos no sistema imunológico. Estressores comuns em operações de carne bovina são estresse por calor/frio, manuseio frequente, transporte e desmame. O estresse prolongado, como durante temperaturas extremamente quentes ou frias ou após o desmame, pode suprimir a resposta imunológica; portanto, o gado seria mais suscetível a doenças. Por outro lado, o estresse de curto prazo, como transporte e manuseio, pode ativar a resposta imunológica, especificamente o sistema inato. Portanto, a redução do estresse a que o gado está exposto beneficiará sua saúde e, consequentemente, a produtividade da operação de corte. Durante os procedimentos obrigatórios, como transporte e desmame, o gado deve estar em estado nutricional e de saúde adequado para evitar complicações imunológicas futuras.

Vacinação – Um calendário de vacinação bem planejado é fundamental para a boa saúde do rebanho. Os produtores devem trabalhar em estreita colaboração com um veterinário local para preparar o programa de vacinação com antecedência. O gado deve gozar de saúde adequada, estado nutricional adequado e estar sob nenhum ou baixo estresse para maximizar a eficácia das vacinas.

Outras considerações – bezerros recém-nascidos devem sempre ter acesso adequado ao colostro. Os produtores devem certificar-se de que os currais, as instalações de trabalho, os lotes, os cochos e os bebedouros estejam devidamente limpos para evitar o acúmulo e o crescimento de patógenos. Os alimentos também devem ser inspecionados quanto a mofo, umidade excessiva e toxinas. O gado comprado recentemente deve ser avaliado e, se necessário, colocado em quarentena para evitar que patógenos externos entrem na operação. As interações entre o gado, a vida selvagem e outras espécies de gado também devem ser monitoradas para evitar a propagação de doenças entre espécies.

Conclusões

O sistema imunológico é um grupo complexo de processos biológicos responsáveis ​​pela manutenção de um animal saudável. Um sistema imunológico debilitado é destrutivo não apenas para o bem-estar animal, mas também para a produtividade animal. Os produtores de carne bovina devem sempre buscar alternativas de manejo que melhorem a saúde animal, como nutrição adequada, manejo de baixo estresse e um programa de vacinação adequado. Compreender algumas das características básicas do sistema imunológico permitirá que os produtores planejem e administrem melhor essas alternativas e, consequentemente, aumentem a eficiência de suas operações.

Fonte: Drovers, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

1 Comment

  1. Olá equipe Beef Point.
    Sempre com conteúdo de excelente qualidade.

    O bem estar animal deve ser fator primordial, onde deveríamos eliminar por completo a marca a fogo.
    Ontem estava em uma fazenda e infelizmente a marca a fogo seria feita em bezerras vacinadas de Brucelose.
    Estamos utilizando suas recomendaçoes junto com probióticos, e proteinado, pois em nossa região a seca está bem agressiva.
    Abs