Categories: Giro do Boi

Compras de carne vermelha aumentam 30% durante os bloqueios de COVID-19 na Austrália

Quando a pandemia do coronavírus começou a se espalhar, o pânico atingiu as compras e as interrupções nos mercados surgiram,e foi na carne moída, bife e salsichas onde se encontrava conforto, de acordo com a indústria nacional de carnes da Austrália.

A indústria doméstica de carne permaneceu bastante imune aos impactos do COVID-19, com vendas aumentando em 30 por cento desde que o primeiro estágio de bloqueio entrou em vigor.

O CEO do Australian Meat Industry Council, Patrick Hutchinson, disse que, em tempos de crise, as pessoas se voltam à carne vermelha.

“Muitas vezes ouvimos sobre substitutos de plantas, outras opções que são melhores para o meio ambiente e todas as outras posições não científicas e não revisadas por pares que essas empresas tomam … quando, de modo geral, o consumidor australiano disse que quando está em uma crise, volta-se para a carne vermelha ,” ele disse.

“Todas as diferentes cadeias de abastecimento, incluindo confinamentos, processamento, fazenda direto para processamento ou saleyards foram relativamente afetadas – exceto Victoria, onde havia restrições de local de trabalho em matadouros.”

“E na primeira onda, quando todos os estados estavam sob as mesmas restrições, vimos as vendas domésticas aumentarem em cerca de 30 por cento.”

A pecuarista Annabelle Coppin com sua equipe do Outback Beef na Estação Yarrie em Pilbara, 2020. (Instagram: Outback Beef)

Produtores locais sentem apoio

A pecuarista Annabelle Coppin é a fundadora da Outback Beef e proprietária da Estação Yarrie, a cerca de 70 quilômetros a nordeste de Marble Bar.

Sua família tem se destacado na indústria de gado em Pilbara desde 1886.

A pecuarista de quinta geração nunca imaginou que seria uma pandemia global que iria estourar seu negócio de carne bovina e fazer com que os consumidores valorizassem a origem de sua carne.

“Muitas pessoas queriam carne entregue em casa e rápido”, disse ela.

“E por alguns meses lá, o negócio de Outback Beef realmente cresceu e dobrou de produção. Acho que isso nos deu um impulso de confiança de que estávamos no caminho certo com um produto de carne bovina de marca – que somos consistentes, locais e podemos fornecer o que dizemos e que somos genuínos sobre isso.”

De acordo com o relatório ‘State of the Industry’ 2020, produzido pela Meat & Livestock Australia, os consumidores perceberam que a carne bovina era uma proteína versátil e adequada para as refeições diárias.

Coppin disse que provavelmente foi a primeira vez para muitos australianos que a comida se tornou muito importante.

“Havia apenas um sentimento de que as pessoas estavam gratas por terem produtores e fazendeiros e acho que isso continuou”, disse ela.

“É uma mudança muito boa e, como sempre disse, precisamos uns dos outros. Precisamos de pessoas nas cidades para nos apoiar e eles precisam de nós e espero que um momento como este possa aproximar um pouco mais essa lacuna. “

More people are buying red meat during the pandemic than ever before.(Unsplash: Jez Timms)

A demanda não diminui

O pânico inicial de compra provocou a alta nas vendas no mercado interno, mas foi o serviço de entrega em domicílio que passou a ter papel fundamental na manutenção da forte demanda por carnes vermelhas.

Empresas como açougueiros e fazendeiros que fazem o estilo paddock-to-plate foram capazes de aproveitar essa oportunidade.

Hutchinson disse que o mercado não desapareceria.

“Quase 70 por cento de nossos açougues investiram em serviços de entrega em domicílio e, além disso, vimos um aumento no fornecimento de produtos para creches e similares”, disse ele.

“Não vemos isso recuar de forma alguma. Na verdade, vemos isso como um esteio em nossa sociedade à medida que avançamos para o futuro.”

A Austrália continua sendo um dos maiores consumidores mundiais de carne bovina, com consumo médio per capita de 25kg no ano passado.

Hutchinson disse que o mercado interno é vital.

“A Austrália ainda é nosso maior mercado; nosso próximo maior mercado é a China, que leva 29 por cento dos 68 por cento que exportamos”, disse ele.

“Portanto, 32 por cento do produto ainda permanece na Austrália e precisamos manter isso.

“Há indícios muito fortes em nosso abastecimento doméstico de que as pessoas voltaram a comer carne, mas o mais importante é que encontraram maneiras diferentes de obter mais carne. Foi aí que vimos sucesso e em muitas circunstâncias. Vejo isso aumentando.”

O abatedouro V&V Walsh em Bunbury, WA, relatou um pico durante o bloqueio inicial, com os hábitos de consumo agora voltando a um ritmo constante. (ABC Rural: Anna Vidot)

Empresas maiores confirmam o aumento

O maior processador de carne da Austrália Ocidental, a V&V Walsh, viu um aumento médio de 30% nas vendas durante a fase inicial de bloqueio.

O CEO Peter Walsh disse que, em algumas semanas, as vendas aumentaram até 50 por cento.

“Nos primeiros dois meses, mais ou menos, vimos picos enormes em nossas vendas domésticas”, disse Walsh.

“No entanto, nos últimos meses as vendas voltaram a um ritmo constante.

“Mas isso ainda reflete alguns números realmente consistentes.

“É definitivamente um fator positivo para a indústria de carne.”

This post was published on 20 de novembro de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

México anunciou a abertura de seu mercado para carnes argentinas

Ao final da visita de três dias ao México, os governos da Argentina e do… Read More

25 de fevereiro de 2021

CEPEA: Arroba é negociada acima de R$ 300 desde o início deste mês

O boi gordo vem sendo negociado acima dos R$ 300,00 desde o início de fevereiro,… Read More

25 de fevereiro de 2021

Arroba vai firme em R$ 300, apesar de muitas indefinições no mercado da carne bovina

Embora o escoamento da carne bovina no mercado interno continue fraco, dois fatores ainda contribuem… Read More

25 de fevereiro de 2021

Banco francês deixará de financiar empresas que desmatam Amazônia e Cerrado no Brasil

O banco francês BNP Paribas, um dos maiores do continente europeu, anunciou que só fornecerá… Read More

25 de fevereiro de 2021

Marfrig recebe US$ 30 milhões para garantir gado sem desmate no Cerrado e na Amazônia

A meta da Marfrig de garantir que nenhuma cabeça de gado que abate em suas… Read More

25 de fevereiro de 2021

Com boi em alta, Elanco prevê crescer até 5% no país em 2021

A arroba do boi em alta e a demanda por proteína animal para exportação devem… Read More

25 de fevereiro de 2021