Como quantificar o impacto da sustentabilidade em seus resultados

A humanidade tem uma necessidade urgente de lutar contra as mudanças climáticas, e as empresas podem desempenhar um papel fundamental em fazer isso. Mas nós reconhecemos que, em muitas empresas, os recursos são frequentemente alocados de acordo com as pressões de resultados em curto prazo. Queríamos descobrir uma maneira de ajudar os executivos a quantificar os benefícios financeiros da redução das emissões de gases de efeito estufa (GEE) da empresa.

Escolhemos a indústria de carne bovina do Brasil como a localização do nosso estudo de caso, tanto pelo tamanho e complexidade da indústria quanto por seu impacto no planeta. Descobrimos que práticas sustentáveis e sem desmatamento criaram benefícios financeiros significativos para todos os membros da cadeia de valor da indústria.

Especificamente, nossa análise descobriu que os benefícios líquidos aos produtores variaram de US $ 18 milhões a US $ 34 milhões (12% a 23% das receitas) no valor presente líquido projetado ao longo de 10 anos. Para os abatedouros e varejistas (operações brasileiras), também projetamos benefícios positivos: US$ 20 milhões a US$ 120 milhões (0,01% a 0,1% das receitas) e US$ 13 milhões a US$ 62 milhões (0,01% a 0,7% das receitas).

Esses intervalos foram amplos devido ao tamanho relativo dos diferentes membros na cadeia de fornecimento (por exemplo, uma empresa com maior receita obterá maiores benefícios do que uma empresa menor). No entanto, o estudo de caso demonstra que a medição do valor das empresas sustentáveis pode ser feita e que o próprio negócio sustentável pode ser rentável. Esperamos que isso sirva como um poderoso motivador para melhorar a tomada de decisões dos líderes e trazer as práticas de negócios sustentáveis para o mercado.

A indústria de carne bovina do Brasil

O Brasil é o maior exportador mundial de carne bovina, com 19,6% do mercado mundial e o segundo maior produtor e consumidor de carne bovina. A indústria representa cerca de 6% do PIB brasileiro. Mas o impacto da indústria sobre os recursos naturais do Brasil – e as emissões globais de GEE – tem sido intenso. De 1993 a 2013, o rebanho de gado na floresta amazônica brasileira – cobrindo a maior parte da região do norte do país – expandiu-se em quase 200%, para mais de 60 milhões de cabeças.

Durante este período, mais de 300 000 km2 de floresta (uma área do tamanho da Itália) foram desmatadas, a maior parte para a pecuária. O desmatamento causa até 10% das emissões globais de GEE (as árvores armazenam carbono, o que reduz as emissões de GEE e liberam carbono quando são cortadas ou queimadas) e a redução do desmatamento é uma das maneiras mais baratas e mais fáceis de lidar com os objetivos globais da mudança climática.

Quase 450 empresas em todo o mundo se comprometeram a reduzir ou eliminar o desmatamento de suas cadeias de fornecimento, incluindo muitos na indústria da carne bovina. Nós nos dedicamos a investigar os custos e benefícios financeiros do uso de carne bovina sustentável e sem desmatamento por produtores, abatedouros e varejistas no Brasil.

A quantificação dos esforços de sustentabilidade é muitas vezes vista como desafiadora, dada a disponibilidade limitada de dados, o tempo e os custos envolvidos para realizar análises confiáveis e a falta de ampla experiência com essa abordagem.

Nossa pesquisa descobriu que a sustentabilidade integrada impulsiona o desempenho financeiro através de fatores mediadores, como inovação, eficiência operacional, redução de riscos, recrutamento de funcionários, engajamento e retenção, fidelização de clientes e fornecedores, vantagem competitiva, custo de capital reduzido e marketing e vendas aprimorados. Esses valores podem ser estimados de forma confiável e econômica, e aplicamos isso ao setor brasileiro de carne bovina.

Para fazer isso, trabalhamos com a AT Kearney, que liderou o piloto de nossa metodologia; os varejistas McDonald’s e Carrefour; abatedouros JBS (maior produtor de carne bovina no Brasil) e Mafrig; produtores brasileiros de gado Antea Group e ONGs parceiras, The Nature Conservancy, Instituto Centro de Vida (ICV) e Imaflora. A Fundação Betty e Gordon Moore proporcionou financiamento parcial para a pesquisa.

Desde 2010, o governo brasileiro, os frigoríficos, os varejistas e as ONGs fizeram um esforço concertado para reduzir o desmatamento, com as autoridades públicas responsáveis pelo monitoramento por satélite da floresta tropical. A agência agrícola do governo associou-se a ONGs para trabalhar com produtores em práticas agrícolas sustentáveis, que focam em desmatamento zero, mais gado por hectare, reflorestamento, gestão de água, biodiversidade, conservação do solo, redução de dejetos e ajuda a melhorar o bem-estar dos trabalhadores e animais.

Medindo o impacto da sustentabilidade em toda a cadeia de valor

Nossa equipe trabalhou com os membros da cadeia de valor listados acima para avaliar os benefícios financeiros de práticas sustentáveis e livres de desmatamento através da pesquisa, análise de dados e entrevistas realizadas ao longo de um período de quatro meses.

A principal descoberta do nosso estudo é que as práticas de sustentabilidade levam a uma maior rentabilidade em toda a cadeia de valor. A aplicação de práticas agrícolas sustentáveis proporcionou o maior benefício financeiro, enquanto os compromissos de desmatamento zero reduziram o risco.

Os produtores que investiram mais na adoção de novas práticas, obtiveram o maior benefício como porcentagem da receita total em nosso modelo – entre US$ 18 milhões e US$ 34 milhões (12% e 23% do lucro) no valor presente líquido em 10 anos. As fazendas na Amazônia atualmente têm menos de uma vaca por hectare em média; os métodos de intensificação sustentável podem aumentar isso para três ou mais, usando cercas, rotação e outros métodos para aumentar o número de vacas, diminuindo os impactos do uso da terra.

Além disso, o gado criado sob este sistema é maior e de maior qualidade que os animais criados usando práticas padrão, e pode ter um preço mais alto no frigorífico. Estes e outros benefícios se traduzem em melhor gerenciamento de custos, inovação agrícola e aumento da produtividade e qualidade da terra.

O Novo Campo, um programa lançado em 2012 pela ICV, ajuda os produtores locais a produzir carne bovina sustentável e sem desmatamento. Para o nosso estudo, nos concentramos em detalhes em 10 fazendas que participam do programa Novo Campo e na Fazenda São Marcelo, uma grande fazenda certificada pela Rainforest Alliance desde 2012, trabalhando com a ONG brasileira Imaflora.

“Não há preço premium apenas para sustentabilidade, apenas pela qualidade”, como nos disse um produtor do Novo Campo. “Mas quando implementamos práticas sustentáveis, nossa qualidade aumentou imediatamente. Agora, 70% da carne bovina é vendida com qualidade premium, acima de 0% em dois anos”, referente ao adicional de US$ 0,11 por quilo de carne bovina que os produtores de Novo Campo recebem pela carne que atende aos padrões de qualidade. As práticas sustentáveis permitiram que os produtores aumentassem a proporção de carne bovina de qualidade de 0% para 70%, resultando em receita adicional de US$ 425.000.

Com relação ao custo, os produtores estão: (1) reduzindo os custos de insumos, como fertilizantes, através de uma melhor gestão; (2) reduzindo o custo por kg produzido através de melhores técnicas agrícolas, como recuperação de pastagens, distribuição de água, cerca e rotação de pastagens; e (3) eliminando a necessidade de alugar terrenos adicionais para produção através de intensificação sustentável (mais gado por hectare). Por exemplo, o custo total por cabeça produzida em Novo Campo foi 39% menor que em fazendas convencionais: US$ 283 por cabeça versus US$ 460.

Todas essas mudanças levaram a grandes ganhos para os produtores, que experimentaram um aumento na produtividade de 2,3x por kg de carne por hectare. A rentabilidade aumentou em 6,8x. As emissões de GEE foram reduzidas em até 20%. A confiança também melhorou, pois os produtores viram essas melhorias na qualidade e na produtividade como fonte de orgulho, estabilidade e vantagem competitiva.

Para os frigoríficos JBS e Marfrig, a maioria dos benefícios financeiros resultou de maiores rendimentos e margens provenientes da comercialização de carne bovina de alta qualidade e sem desmatamento e riscos reduzidos (particularmente reputação, regulamentação e continuidade do fornecimento) – entre US$ 20 milhões e US$ 120 milhões (0,01% e 0,1% das receitas) no valor presente líquido esperado em 10 anos. A carne identificada como qualidade premium pode ter um preço de 20% a 30% acima da carne de qualidade média nos supermercados, trazendo melhores margens para os frigoríficos.

De acordo com nossos cálculos, a JBS pode ganhar entre U $ 17,8 e US $ 103,1 milhões líquidos ao longo de 10 anos – entre 0,02% e 0,09% de sua receita. A Marfrig deve ganhar entre US$ 1,3 milhão e US $ 16,5 milhões líquidos ao longo de 10 anos, entre 0,01% e 0,13% de sua receita. Ambos estão posicionados para se beneficiar através de aumentos de receita, redução de risco, redução de custo de capital e aprimoramento de talentos (melhor retenção, engajamento e recrutamento).

Se mais produtividade é o maior ganho para os produtores, e as maiores margens são o maior benefício para os frigoríficos, os varejistas de carne como McDonald’s e Carrefour encontram-se em uma posição muito diferente. As marcas que enfrentam o consumidor, como essas, são as mais vulneráveis ao risco de reputação. As mídias sociais tornam transparentes as cadeias de fornecimento e os consumidores manterão os varejistas responsáveis mais do que os produtores ou frigoríficos. Portanto, os varejistas estão requerendo que seus fornecedores demonstrem conformidade com compromissos de desmatamento zero.

“Os padrões do McDonald’s na compra de carne bovina estão entre os mais altos do mundo; mesmo que nosso consumidor em massa não esteja disposto a pagar prêmios pela sustentabilidade, ainda precisamos mantê-los”, disse Daniel Boer, Diretor de Fornecimento de Proteína do McDonald’s para a América Latina.

Os varejistas devem estar dispostos a pagar pela sustentabilidade simplesmente porque o risco é muito grande para não fazer isso, mesmo que haja um custo para seus resultados. “Em 2009, após o relatório do Greenpeace sobre a carne bovina e o desmatamento da Amazônia, tivemos que reduzir nossa base de fornecimento para apenas seis fornecedores diferentes, o que não é uma posição ideal para se estar em termos de negociações de preço e volume”, disse Paulo Pianez, diretor de Sustentabilidade do Carrefour.

Apesar dessas restrições, estimamos que as operações brasileiras do McDonald’s e do Carrefour obteriam benefícios semelhantes ao dos frigoríficos – aproximadamente US$ 12,5 a US$ 62,1 milhões (0,01% a 0,6% da receita) no valor presente líquido esperado em 10 anos, devido à redução do risco e maior qualidade.

De acordo com nossos cálculos, o sistema McDonald’s no Brasil poderia ganhar entre US$ 5,7 milhões e US$ 22,2 milhões líquidos ao longo de 10 anos. O Carrefour Brasil deve ganhar entre US$ 6,8 milhões e US$ 39,9 milhões líquidos em 10 anos, entre 0,01% e 0,05% de sua receita. Essas estimativas são baseadas em informações publicamente disponíveis e premissas documentadas com mais detalhes no relatório completo e não em dados reais, metas ou projeções das empresas.

Sustentabilidade se relaciona com desempenho financeiro

Este estudo de caso descobriu que, no caso da produção de carne bovina na Amazônia, a sustentabilidade incorporada melhora o desempenho financeiro através de fatores mediadores como inovação, eficiência operacional, redução de risco, recrutamento de funcionários, engajamento e retenção, fidelização de clientes e fornecedores, vantagem competitiva, custo de capital reduzido e marketing e vendas aprimorados.

Em particular, descobrimos que os compromissos de desmatamento zero reduzem o risco e as práticas agrícolas sustentáveis criam oportunidades financeiras para todos os membros da cadeia de valor. Parece também que os investimentos em rastreabilidade sem desmatamento e outros requisitos legais podem ser pagos com os ganhos financeiros decorrentes da adoção de práticas agrícolas sustentáveis.

Acreditamos que esta metodologia pode ser adaptada para qualquer indústria ou cadeia de valor: (1) analisando os direcionadores do desempenho melhorado (usando os fatores mediadores em nosso modelo); (2) identificando os principais benefícios; e (3) quantificando os benefícios em termos financeiros.

A metodologia e sua aplicação neste estudo de caso demonstram que essas melhorias financeiras podem ser quantificadas e monetizadas de forma confiável e econômica e têm o potencial de servir como uma ferramenta poderosa pelos tomadores de decisão de negócios.

Autores:

Tensie Whelan é diretora do Centro de Negócios Sustentáveis da NYU Stern School of Business, que ela lançou em janeiro de 2016. Antes de lançar o CSB, Whelan atuou como presidente da Rainforest Alliance por 15 anos, transformando o engajamento empresarial com a sustentabilidade e recrutando 5.000 empresas em mais de 60 países.

Bruno Zappa é consultor da A.T. Kearney. Sua experiência inclui trabalho de estratégia, operações e sustentabilidade nos EUA, América Latina e África, bem como indústria de bens de consumo e serviços financeiros. Ele tem MBA da Columbia Business School, com concentração em finanças e sustentabilidade. Ele foi o principal analista do projeto CSB de carne bovina sustentável.

Rodrigo Zeidan é Professor Associado da Universidade de New York University Shanghai e Professor Afiliado da Fundação Dom Cabral, Brasil. Ele também é editor associado do Journal of Sustainable Finance & Investment e Senior Scholar no Center for Sustainable Business, NYU Stern. Ele é o autor de Economics of Global Business (MIT Press).

Greg Fishbein é diretor da The Nature Conservancy, onde desenvolve modelos inovadores de negócios e investimentos para reduzir o desmatamento nas cadeias de fornecimento agrícola. Greg lidera a iniciativa de negócios da Colaboração para Florestas e Agricultura, um esforço conjunto da National Wildlife Federation, The Nature Conservancy, World Wildlife Fund e a Fundação Gordon e Betty Moore para eliminar o desmatamento das cadeias d carne bovina e soja no Brasil, Paraguai e Argentina.

Fonte: https://hbr.org, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 17 de outubro de 2017

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Rafael Tardáguila: Oferta de carne deve se adequar à menor demanda

A demanda por carne bovina cairá devido à recessão global, mas a oferta está se… Read More

29 de maio de 2020

Covid-19 infectou mais de 3 mil funcionários de frigoríficos nos EUA, diz sindicato

Mais de 3 mil funcionários de frigoríficos dos Estados Unidos testaram positivo para Covid-19 e… Read More

29 de maio de 2020

Carne bovina: mercado interno continua incerto e exportações seguem firmes

Com a baixa de oferta de animais, algumas indústrias estão oferecendo mais pela arroba do… Read More

29 de maio de 2020

Produção de carne bovina deve cair, diz Rabobank

O mais novo relatório do Rabobank indicou que a produção de carne bovina brasileira deve… Read More

29 de maio de 2020

Boi gordo: China pede renegociação à exportadoras de carne

A retração da procura pelas principais proteínas animais no mercado atacadista de São Paulo foi… Read More

29 de maio de 2020

JBS vai pedir aval do governo de SC para sacrificar 650 mil frangos

A JBS vai protocolar na Secretaria de Agricultura e no órgão ambiental de Santa Catarina… Read More

29 de maio de 2020