Como o Google está transformando o acesso à internet para mulheres rurais na Índia

Smita Kashid, uma dona de casa em uma pequena aldeia na Índia – Khoparde Haveli – ofereceu para mim um bolo que ela fez para seus filhos. Ela acabou de aprender a fazer bolo e nem tem como agradecer à sua amiga Sujata o suficiente pelo sorriso que suas aventuras culinárias trazem aos dois filhos.

Parte da cidade de Karad, Khoparde Haveli fica a cerca de três horas de carro de Pune, a metrópole urbana na costa ocidental da Índia, no estado de Maharashtra. Karad é conhecida como a ‘tigela de açúcar’ de Maharashtra e a principal ocupação na região é o cultivo de cana-de-açúcar ou o emprego em fábricas de açúcar.

A amiga de Smita, Sujata Budhe, é assistente de saúde da comunidade e a ensinou a assistir a vídeos no YouTube e, como qualquer outra mãe e dona de casa, as primeiras buscas da Smita foram receitas de comida. E, portanto, esse bolo.

Mas Smita não está sozinha. Sujata ensinou a “internet” a mais de mil mulheres dentro e ao redor de sua aldeia. Ela está muito orgulhosa consigo mesma e com a forma como é conhecida: “Internet Saathi” da região.

Lançado em julho de 2015, em parceria com a Tata Trusts, a Internet Saathi (Saathi significa “amigo” em hindi) é um programa de alfabetização digital para ajudar as mulheres na Índia rural a entender os benefícios da internet no seu dia a dia.

O programa centra-se na formação de mulheres na Índia rural para explorar os vários usos da Internet, que, então, dão treinamento para a comunidade rural maior em suas próprias aldeias vizinhas. Enquanto o Google oferece dispositivos habilitados para internet e material de treinamento, o Tata Trusts ajuda na implementação e implantação da iniciativa.

Embora a Índia tenha a segunda maior população de internet do mundo com mais de 400 milhões de usuários, apenas 30% desses usuários de internet são mulheres. Esta é uma das maiores disparidades tecnológicas em termos de gênero no mundo, e ela se amplia ainda mais à medida que avançamos para a Índia rural. Apenas 1 em cada 10 usuários de internet na Índia rural é mulher.

Existem várias barreiras que impedem a adoção da Internet entre as mulheres na Índia rural. Há falta de consciência sobre a Internet e a crença de que não é para elas e há obstáculos como acessibilidade, normas sociais e baixas taxas de alfabetização.

Conheci Sujata Budhe em sua casa na aldeia. Seus amigos, essencialmente todas as mulheres que ela treinara, se reuniram e nos sentamos com as pernas cruzadas em um tapete espalhado pelo quarto e conversamos durante uma hora.

Conheci Vaishnavi Nikam que, depois de aprender os princípios básicos da Internet, solicitou um emprego bancário on-line através de um portal de trabalho da Índia. Ela agora trabalha em um banco e ganha bem, e sua história é um testemunho do poder da Internet e a validação do programa Saathi da Internet.

Sujata acredita que, com os novos conhecimentos adquiridos, a posição social e econômica dessas mulheres melhorou nos níveis individual, doméstico e comunitário. Ela mesma era formada no ensino médio, mas se sente mais informada e mais confiante sobre si mesma agora.

Várias mulheres sentem que a Internet as ajudou a completar seus rendimentos em sua ocupação existente. Uma das senhoras que conheci, uma pequena alfaiate, agora oferece mais projetos para seus clientes. Ela procura padrões e segue as tendências da moda das estrelas de cinema para costurar para seus clientes que, até agora, tinham apenas um pequeno catálogo de opções para escolher.

Outra senhora, que dirige um salão, olha os penteados on-line e oferece às clientes da aldeia opções como os penteados de suas atrizes favoritas. Todas as senhoras riram com cada história como essa. Eles descobriram um mundo fora de sua aldeia, que nunca foi acessível a elas antes disso.

A maioria delas não fala ou entende inglês. Elas não conhecem muitos sites, mas dependem principalmente do aplicativo Google Search para navegar pela Web. Elas preferem falar, em vez de digitar, e me ofereceram um vislumbre da difusão da busca por voz.

O YouTube é um aplicativo popular para pesquisar vídeos como e, claro, para filmes e séries de televisão. O WhatsApp é a principal ferramenta de comunicação, usado pela maioria dos indianos.

Hoje, o programa está vivo em 100.000 aldeias em doze estados da Índia. Vinte e cinco mil Internet Saathis totalmente treinados estão trabalhando todos os dias em todas essas aldeias para ajudar mulheres e crianças a aprender sobre a Internet. No total, mais de 10 milhões de mulheres ganharam com o programa até agora e o Google planeja expandir o programa para chegar a 300 mil aldeias, cobrindo 50% das aldeias na Índia nos próximos anos.

Estes Internet Saathis tornaram-se agentes de mudança em cada aldeia e contribuem para melhorar a vida de toda a comunidade em suas aldeias. Eles se orgulham muito de ajudar outras mulheres a aprender sobre a Internet e contribuir para a prosperidade coletiva de suas comunidades.

Estas Internet Saathis tornaram-se agentes de mudança em cada aldeia e contribuem para melhorar a vida de toda a comunidade em suas aldeias. Elas se orgulham muito de ajudar outras mulheres a aprender sobre a Internet e contribuir para a prosperidade coletiva de suas comunidades.

Os olhos de Sujata brilham quando ela fala sobre como a vida de sua família, seus filhos e a comunidade foi enriquecida por causa do programa e da Internet. “Temos muito respeito dos homens nas famílias”, disse ela, com o orgulho óbvio de uma mulher empoderada.

Por Abhishek Baxi, colunista de tecnologia e consultor digital, para o Androidauthority.com, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.


ou utilize o Facebook para comentar