Categories: Giro do Boi

Como o clima afeta a propagação e a virulência do coronavírus?

Há muito se sabe que há uma estação de gripe e começa a cada outono e dura muito tempo, mas os casos diminuem na primavera. Existem três teorias populares sobre por que isso acontece.

1) Passamos mais tempo dentro de ambientes fechados, mais perto de outras pessoas durante o tempo frio e a transmissão do vírus é mais fácil. O ar interno no inverno é muito mais seco do que no verão, o que pode tornar nossas passagens vias nasais menos eficazes na captura de patógenos. Este é quase certamente um fator.
2) As horas de luz solar diminuem no inverno, diminuindo nossa produção de vitamina D e diminuindo nosso sistema imunológico. Este não tem evidências fortes, mas não pode ser descartado.
3) Os vírus da gripe preferem o ar seco e fresco para prosperar. Esse motivo é quase certamente um fator poderoso. Aparentemente, em alta umidade, o vírus transportado pelo ar absorve o vapor de água disponível, torna-se pesado demais para permanecer no ar e cai nas superfícies. A umidade relativa pode despencar durante o inverno, portanto, o investimento em um umidificador pode ser uma decisão sábia.

Essa é uma das razões pelas quais muitos de nós ficam resfriados após longos voos de avião – o ar em jatos voando alto é mais seco que um deserto e estar amontoado em um cilindro de alumínio com algumas centenas de estranhos faz uma combinação perfeita para infecção por aerossol. O único problema com esse link de temperatura/umidade é que parece ser verdade apenas em locais com inverno frio e seco. As taxas de transmissão da gripe em climas quentes indicam que o vírus também pode prosperar em alta umidade.

O que isso significa para o coronavírus? Realmente não sabemos, mas no momento este gráfico não mostra muita diferença nas taxas de transmissão entre locais quentes e frios dos EUA.

Então, o clima quente ajudará a diminuir a incidência? Provavelmente, mas o ponto mais importante é que isso não significa que ele desaparece. Afinal, o vírus da gripe comum volta todos os anos sobrevivendo de alguma forma a altas temperaturas e umidade. A recorrência neste outono é altamente provável.

O COVID19 é tão facilmente espalhado entre as pessoas que o hemisfério sul terá uma população infectada que poderá viajar para re-infectar o norte após o final do verão nesse hemisfério. Precisamos de uma vacina, não apenas de uma mudança de estação.

Fonte: Artigo de John Phipps, para o Dairy Herd Management, traduzido e adaptado pela Equipe BeefPoint.

This post was last modified on 25 de março de 2020 12:20

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Mudança na demanda global, criando desequilíbrio nas carcaças de carne bovina da Austrália

Com o impacto do COVID-19, os fatores subjacentes à demanda por carne vermelha em todo… Read More

2 de abril de 2020

Rio Grande do Sul tem 231 decretos de situação de emergência por estiagem

O Rio Grande do Sul tem 231 municípios com decretos de situação de emergência por… Read More

2 de abril de 2020

Não há notícia de falta de alimentos, diz ministra

Em entrevista coletiva no Palácio do Planalto, a ministra Tereza Cristina disse hoje (1°) que… Read More

2 de abril de 2020

RS: vacinação contra aftosa em ritmo normal

A última etapa de vacinação contra a febre aftosa no Rio Grande do Sul vai… Read More

2 de abril de 2020

Ministra da Agricultura promete medidas de apoio ao agronegócio

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, confirmou ao Valor que deverá anunciar ainda esta semana… Read More

2 de abril de 2020

Queda da demanda já é um problema para caminhoneiros

A queda na demanda por serviço de transporte de carga passou a ser uma nova… Read More

2 de abril de 2020