Como melhorar a eficiência reprodutiva de vacas em anestro – Capítulo II: desmame temporário

Como vimos no artigo passado, uma das mais importantes habilidades da vaca é a capacidade de utilizar suas reservas energéticas corpóreas em períodos de balanço energético negativo. Foi mostrado também que há necessidade de adequada quantidade de energia para suprir o metabolismo basal, o crescimento, a lactação, a manutenção da saúde e, ainda, a função reprodutiva.

Quando mantida sob condições favoráveis, uma fêmea tem potencial para produzir uma cria por ano, com intervalo entre partos de 12 meses. No entanto, durante o período pós-parto é comum as fêmeas apresentarem perdas de suas reservas corporais, o que pode ser verificado pela diminuição do escore de condição corporal (ECC). Essa queda do ECC pode afetar consideravelmente a eficiência reprodutiva. Ainda, nesse período, a amamentação e o contato vaca-bezerro podem prolongar o período de anestro dessas fêmeas.

Com base nestas observações, neste segundo artigo discutiremos o Desmame Temporário como ferramenta para diminuir problemas relacionados ao anestro pós-parto.

Desmame temporário

Pesquisadores sugerem que após o parto, as concentrações de FSH aumentam drasticamente em 5 dias e que, apenas após 15 a 30 dias pós-parto, os estoques de LH estejam efetivamente restabelecidos. Alguns outros fatores como presença do bezerro, idade, número de partos, efeito macho (presença de touro), atraso da involução uterina e distocias também podem influenciar a duração do anestro nesse período. No entanto, sugere-se que o estado nutricional e a amamentação possam ser os fatores mais importantes relacionados à inibição da ovulação pós-parto.

A amamentação é, de fato, um dos principais fatores que inibe a retomada da atividade sexual no período pós-parto, influenciando fortemente o desempenho reprodutivo de vacas de corte. Resultados de diversas pesquisas indicam que o desmame temporário é uma manobra capaz de induzir a retomada da pulsatilidade de LH e, com isso, promover o crescimento final do folículo dominante e a conseqüente ovulação.

Com o enfoque de aumentar a eficiência reprodutiva de bovinos e diminuir o período de anestro pós-parto, podemos utilizar tanto tratamentos hormonais para indução da ovulação quanto técnicas de manejo como desmame precoce (60 a 90 dias) ou interrompido (48 a 96 horas) ou, ainda, a restrição da mamada (uma ou duas vezes ao dia).

Técnicas de desmame têm apresentado efeitos positivos sobre a eficiência reprodutiva de matrizes, sendo que a utilização destas técnicas de manejo pode, de fato, axiliar a diminuição do intervalo entre partos dentro da bovinocultura de corte. Nesse contexto, Penteado et al. (2004) demonstraram o efeito do desmame temporário e do tratamento com eCG em animais submetidos à protocolos de sincronização da ovulação. Quando os efeitos principais foram analisados, verificou-se aumento na taxa de prenhez (PGráfico 1. Percentagem de vacas prenhes segundo a categoria (desmame ou eCG) (Adaptado de Penteado et al., 2004)


Em contrapartida, o grupo de pesquisa de Gabriel Bó (pesquisador do IRAC, Córdoba, Argentina) demonstrou que vacas em condição corporal muito baixa (Gráfico 2. Percentagem de vacas prenhes segundo o escore de condição corporal e o uso do desmame temporário (Adaptado de Bó, G.A., comunicação pessoal)


Outra importante informação sobre a realização do desmame temporário está relacionada ao tempo de afastamento mãe e cria. Assim, deve-se observar o mínimo de 48 horas de apartação para que se possa obter aumento nos pulsos de LH e na eficiência reprodutiva de fêmeas de corte. Períodos de remoção do bezerro de 48 à 72 horas, têm se mostrado bastante eficientes na melhora do desempenho reprodutivo.

Outro ponto que deve ser levado em consideração diz respeito ao manejo necessário para a realização da desmama temporária, uma vez que a remoção do bezerro por um determinado período pode se mostrar bastante trabalhosa. Dessa forma, deve-se atentar para que os devidos cuidados sejam tomados e para que os métodos de manejo mais adequados sejam realizados em cada situação praticada, a fim de se evitar variações na resposta a essa técnica. Devemos ainda lembrar que o uso do desmame demandará quantidades variáveis de insumos, pois exigirá mudanças no manejo usual dos animais e fornecimento de alimentação adequada aos bezerros desmamados, para que não ocorra diminuição na taxa de crescimento destes.

Apesar de algumas limitações no seu uso, a remoção temporária do bezerro demonstra ser uma técnica de manejo razoavelmente simples e de custos relativamente baixos, sendo, portanto, uma boa alternativa para a melhora dos índices reprodutivos de fêmeas de corte, salvo algumas exceções.

Referência Bibliográfica:

PENTEADO, L.; AYRES, H.; REIS, E.L.; MADUREIRA, E.H.; BARUSELLI, P.S. Efeito DO eCG e do desmame temporário na taxa de prenhez de vacas Nelore lactantes inseminadas em tempo fixo. Acta Scienciae Veterinariae, v. 32, p. 223, 2004.


ou utilize o Facebook para comentar