CMN altera limites da Receita Bruta Agropecuária Anual
30 de julho de 2021
Indústria australiana de carne vermelha estabelece meta de ser neutra em carbono até 2030 (CN30)
30 de julho de 2021

Commodities: Vendas da nova safra americana impulsionam grãos em Chicago

Os grãos negociados na bolsa de Chicago fecharam em alta nesta quinta-feira, apoiados em números positivos de venda da safra 2021/22 dos Estados Unidos. A soja com entrega para novembro, contrato da oleaginosa mais negociado atualmente, avançou 1,23% (16,75 centavos de dólar), a US$ 13,7775 o bushel.

Embora o relatório semanal de exportações americanas, divulgado mais cedo pelo Departamento de Agricultura do país (USDA), tenha mostrado mais cancelamentos do que novas compras para a safra 2020/21 — que já foi bem negociada —, o documento também registrou uma forte demanda pelo grão do ciclo 2021/22, que começa em setembro. Para a nova temporada, o USDA reportou vendas de 312,8 mil toneladas na semana encerrada em 22 de julho.

Além disso, pouco depois do relatório, o USDA informou a venda de mais 132 mil toneladas de soja para exportação para “destinos desconhecidos” (o que o mercado interpreta ser a China), também na safra 2021/22. A possível volta dos chineses às compras oferece consistência à alta do grão, que já vinha de uma tendência de valorização em função das condições preocupantes da safra dos EUA.

Na mesma direção, o milho para dezembro, vencimento mais líquido hoje, subiu 1,37% (7,50 centavos de dólar), a US$ 5,5650 o bushel. Os fundamentos novamente ofereceram sustentação às cotações, uma vez que não saem do radar as preocupações com a qualidade da safra nos EUA. Os dados semanais de exportação garantiram fôlego extra ao movimento.

Nesta semana, analistas de mercado demonstravam receio com a diminuição da demanda por grãos, especialmente da China, mas o relatório do USDA amenizou um pouco essa percepção. As vendas de milho para a safra 2021/22, que também começa em setembro, somaram 529,3 mil toneladas, bem acima das 47,7 mil toneladas da semana encerrada em 15 de junho. Nas negociações da safra 2020/21, o saldo líquido foi negativo em 115,2 mil toneladas.

Por fim, o trigo segue em retomada após passar por forte realização de lucros nos últimos dias. Com dados positivos de compras do exterior e condições ruins na safra americana de primavera, o cereal retornou ao patamar de US$ 7 o bushel no contrato mais negociado. O vencimento para setembro subiu 2,4% (16,50 centavos de dólar), a US$ 7,0525 o bushel

O USDA reportou vendas líquidas para o exterior de 515 mil toneladas de trigo na semana encerrada em 22 de julho, alta de 9% na comparação com a semana anterior e 46% acima da média das quatro semanas anteriores. Além das exportações semanais, as condições climáticas adversas continuam prejudicando as safras ao redor do mundo.

Fonte: Valor Econômico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *