Categories: Giro do Boi

Commodities: Otimismo com vacina contra a covid-19 impulsiona grãos em Chicago

O otimismo nos mercados internacionais com a notícia de que a vacina da Pfizer contra a covid-19 tem 95% de eficácia se refletiu também nos preços das commodities agrícolas — incluindo os grãos negociados na bolsa de Chicago.

Enquanto os contratos futuros da soja com vencimento março avançaram 0,51% (6 centavos de dólar), para US$ 11,7575 o bushel, os de milho para entrega no mesmo mês subiram 0,88% (3,75 centavos de dólar), para US$ 4,305 o bushel e os de trigo de igual vencimento avançaram 0,58% (3,5 centavos de dólar), para US$ 6,065 o bushel.

O analista Evandro Oliveira, da consultoria Safras & Mercado, afirmou que os preços da oleaginosa subiram também por causa do otimismo específico sobre a demanda chinesa. Além disso, Oliveira disse que o mercado continua acompanhando os problemas climáticos na América do Sul.

“Temos problemas pontuais sérios no Brasil, mas a Argentina tem sido especialmente castigada pela falta de chuvas”, disse.

Segundo Oliveira, as cotações da oleaginosa receberam, finalmente, algum impulso do avanço do óleo de soja — que subiu mais de 2% diante da escassa oferta global.

Nesse cenário, Victor Ikeda, analista sênior do Rabobank, projetou que as cotações da soja ainda poderão avançar um pouco mais e alcançar entre US$ 12 e US$ 12,50 por bushel no primeiro semestre do ano que vem.

No caso do milho, os preços do cereal subiram mesmo com a leve queda na produção de etanol nos Estados unidos.

Na semana encerrada em 13 de novembro, 962 mil barris de etanol foram produzidos por dia no país, 1,5%, ou 15 mil barris, a menos que a média da semana anterior, segundo dados da Administração de Informação de Energia dos EUA (EIA, na sigla em inglês). No país, o biocombustível é feito a partir do milho.

No mercado de trigo, o analista Karl Setzer, da consultoria Agrivisor, lembrou, em relatório, que a produção de trigo da Rússia está enfrentando problemas de extrema secura e é “uma das mais pobres avaliadas nos últimos anos”, o que colaborou para a alta das cotações.

Mas, apesar dos problemas, Setzer disse que a produção de trigo do país ainda deve ser grande. “O que vemos para a produção total da Rússia dependerá muito do clima no inverno, o que também impactará a demanda por trigo dos EUA no mercado global”, acrescentou o analista.

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 19 de novembro de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

China deverá comprar mais carne bovina dos EUA

Por Greg Bloom Há muitas notícias sobre a China no ano passado que foram amplamente… Read More

23 de novembro de 2020

Grupo de pecuária sustentável atualiza guia ambiental para setor produtivo

Novos indicadores para orientar o setor produtivo a atingir a pecuária sustentável acabam de ser… Read More

23 de novembro de 2020

Eleição de Biden trará muitos efeitos para o agro brasileiro, diz Marcos Jank

O professor sênior de Agronegócio Global do Insper, Marcos Jank, disse nesta quinta-feira (19/11) que… Read More

23 de novembro de 2020

Preço da reposição segue firme e liquidez em leilões é total

Ao longo desta semana, o mercado de reposição operou com preços firmes, sustentados pela maior… Read More

23 de novembro de 2020

Arroba do boi termina a semana estacionada em R$ 285 em São Paulo

Na semana passada, o mercado brasileiro do boi gordo registrou quedas nos preços da arroba,… Read More

23 de novembro de 2020

JBS USA cobrirá todos os custos de saúde relacionados à covid-19 de seus empregados

A JBS USA informou nesta sexta-feira (20) que vai cobrir 100% dos custos de saúde… Read More

23 de novembro de 2020