Plano Safra 2022/23 será robusto, diz ministro Marcos Montes
26 de maio de 2022
JBS firma parceria com IDH para rastrear 1 milhão de bezerros até 2025
26 de maio de 2022

Commodities: Corredor de grãos na Ucrânia pressiona soja em Chicago

O contrato de soja para julho, o mais negociado na bolsa de Chicago, fechou a sessão de hoje (25/5) em queda de 0,71% (12 centavos de dólar), a US$ 16,81 o bushel. Os papéis de segunda posição, que vencem em agosto, por sua vez, caíram 0,72% (11,75 centavos de dólar), a US$ 16,2050 por bushel.

Desde a abertura do pregão, as cotações vinham sendo pressionadas por indicações de que, em troca do alívio de algumas sanções impostas à Rússia, o governo do país estaria disposto a abrir um corredor para o escoamento de grãos ucranianos. “Isso foi algo muito comentado nas últimas semanas, mas esta é a primeira vez que a Rússia realmente falou sobre o assunto”, disse Richard Buttenshaw, da Marex, em nota, segundo a Dow Jones Newswires.

Tanto Rússia quanto Ucrânia são importantes produtores de girassol, concorrente da soja na produção de óleos. Esse foi um dos elementos que impulsionaram o grão nesta quarta.

Segundo agências internacionais, a Rússia abrirá um corredor humanitário para destravar as exportações de alimentos produzidos na Ucrânia. Os portos ucranianos do Mar Negro estão bloqueados desde que a Rússia enviou milhares de tropas para a Ucrânia, em 24 de fevereiro. Mais de 20 milhões de toneladas de grãos estão presas em silos no país.

Trigo

Nas negociações do trigo, tanto os contratos para julho quanto os que vencem em janeiro de 2023 caíram 0,56%, a US$ 11,4825 e US$ 11,5675 por bushel, respectivamente. Assim como aconteceu no mercado da soja, as cotações do cereal foram pressionadas pela notícia de abertura do corredor para escoamento de itens alimentícios produzidos na Ucrânia.

Os preços do trigo estão em forte alta desde o início da guerra. No dia 7 de março, o cereal atingiu a cotação recorde de US$ 12,94 por bushel em Chicago. Rússia e Ucrânia respondem por cerca de 30% das exportações globais de trigo, segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

Em declaração que reiterou o quadro de escassez, o ministro do Abastecimento e Comércio Interno do Egito, Ali Moselhi, afirmou que o país tem estoques do cereal apenas para quatro meses de consumo. O Egito é o maior importador mundial da commodity e está tentando encontrar substitutos para os fornecedores do Mar Negro.

Segundo o site Egypt Today, até o momento, a colheita no país chegou a 2,7 milhões de toneladas, mas o governo planeja comprar mais de 5 milhões de toneladas de trigo de agricultores locais até o fim da temporada. “Isso fará com que o estoque estratégico de trigo do país seja suficiente até janeiro”, destaca o site.

Milho

O contrato mais negociado do milho em Chicago, com vencimento em julho, avançou 0,06% (50 pontos), para US$ 7,7225 por bushel. Já o papel para janeiro de 2023 caiu 0,17% (1,25 centavo de dólar), a US$ 7,3975 por bushel.

A Administração de Informações de Energia americana (EIA, na sigla em inglês) informou hoje que o país produziu 1,014 milhão de barris de etanol por dia, em média, na semana móvel encerrada em 20 de maio. O volume é 2,3% superior à média diária da semana anterior. Já os estoques do biocombustível no país caíram 0,4%, para 23,7 milhões de barris. O mercado de grãos acompanha a produção de etanol nos Estados Unidos porque, no país, o biocombustível é produzido principalmente a partir de milho.

Crescimento da produção à parte, há dúvidas sobre qual será a direção do mercado do etanol dos EUA nos próximos meses. Segundo a Reuters, o governo Biden estuda retirar a exigência de mistura de etanol à gasolina.

O clima favorável ao plantio nos Estados Unidos também pressiona as cotações do milho. Terry Reilly, da Futures International, disse à Dow Jones Newswires que a chuva no Meio-Oeste americano deve aumentar antes do fim de semana, quando o tempo tende a ficar seco.

Até 22 de maio, a semeadura foi concluída em 72% da área, informou o Departamento de Agricultura do país (USDA). Com o clima um pouco mais favorável nos EUA, o trabalho de campo deslanchou e se aproximou da média histórica para o período (79%). Na semana anterior, a diferença era de 18 pontos percentuais.

Fonte: Valor Econômico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.