Mapa e Embrapa assinam acordo com Japão para cooperação em agricultura digital
11 de maio de 2022
Açougue japonês faz as pessoas esperarem anos na fila por seus deliciosos croquetes de carne
11 de maio de 2022

Commodities: Com plantio atrasado nos EUA, soja e milho avançam em Chicago

O atraso no plantio de grãos nos Estados Unidos deu impulso às cotações na Bolsa de Chicago nesta terça-feira. A soja para julho avançou 0,44%, a US$ 15,9225 por bushel, em decorrência, também, de uma correção técnica nos preços após a queda de 2,27% na sessão de ontem.

Segundo o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), até o último domingo, 12% da área havia sido plantada no país. A média das últimas cinco safras é de 24%.

O analista Karl Setzer, da AgriVisor, diz que o mercado espera uma aceleração dos trabalhos nesta semana, quando o clima deve ficar mais favorável. “Há previsão de condições quase de verão após semanas de clima frio e úmido no Centro-Oeste”, afirma.

No Brasil, a AgResource reduziu para 119,73 milhões de toneladas sua expectativa para a safra 2021/22 de soja, volume 0,26% inferior à previsão anterior da consultoria. O corte deveu-se, principalmente, a um ajuste na estimativa de produção em Mato Grosso do Sul.

Com a redução na estimativa de colheita, a AgResource também atualizou sua projeção de exportações em 2022. Agora, a empresa prevê embarques de 75,5 milhões de toneladas, ou 12% a menos que o volume de exportações do ano passado.

Em maio, as exportações de soja do Brasil podem chegar a 10,62 milhões de toneladas, segundo a nova estimativa da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), feita com base na programação dos portos. O volume é 31,6% maior que a projeção que a entidade informou na semana passada, mas 25,3% inferior aos embarques de maio de 2021.

Milho

No mercado de milho, o papel para julho fechou em alta de 0,42%, a US$ 7,7525 por bushel. O USDA estima que, até o último domingo, 22% da área a ser ocupada pelo cereal havia sido plantada, ritmo bem inferior à média das últimas cinco safras para o atual estágio da temporada, de 50%. Assim como no caso da soja, espera-se que o plantio deslanche nesta semana.

No Brasil, a AgResource projeta que o milho ocupará 20,35 milhões de hectares na temporada 2021/22. Essa área é 1,4% menor que a estimada pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Já a estimativa da AgResource para a produção de milho na primeira safra é quase 12% menor que a da Conab, divulgada em abril. A consultoria prevê 21,94 milhões de toneladas; a estatal, 24,89 milhões. A AgResource projeta colheita de 84,44 milhões de toneladas na segunda safra, mas, como a estiagem persiste em áreas produtoras relevantes, a empresa não descarta fazer cortes nas estimativas no futuro.

Segundo a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), as exportações brasileiras de milho devem somar 927,2 mil toneladas neste mês, volume 25,7% superior à previsão da semana passada. Em maio de 2021, o país não embarcou milho.

Trigo

Os papéis do trigo para julho fecharam estáveis na Bolsa de Chicago, a US$ 10,9275 por bushel. A previsão de clima favorável ao plantio do cereal de primavera nos EUA e Canadá nesta semana pressionou as cotações.

De acordo com o USDA, até o último domingo, o plantio já havia ocorrido em 27% da área. A média das últimas cinco safras para o período é de 47%.

A Índia exportou 1,4 milhão de toneladas de trigo no mês passado, um recorde, disseram à agência Reuters integrantes da cadeia do cereal. A notícia deu certo alívio ao mercado de grãos, que luta para encontrar alternativas ao suprimento que parte do Mar Negro, prejudicado pela guerra na Ucrânia.

No ano fiscal 2021/22, que terminou em março, os indianos venderam 7 milhões de toneladas ao exterior, sendo 242,86 mil toneladas em abril do ano passado. A Índia é o segundo maior produtor de trigo do mundo.

“Em maio, os embarques podem chegar a 1,5 milhão de toneladas”, disse um operador de grãos de uma trading global que atua em Nova Délhi. “A oferta de trigo e a disponibilidade de vagões melhoraram nas últimas semanas, e isso ajudará a aumentar as exportações de trigo neste mês”.

Fonte: Valor Econômico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.