Categories: Giro do Boi

Commodities ainda devem dar novo fôlego à inflação

Desde que, em março, os preços internacionais das commodities deixaram de crescer, poderia parecer que seu efeito sobre a inflação no Brasil teria se esgotado. Mas esses preços não devem retroceder de forma significativa e podem até voltar a crescer, impulsionando a inflação.

O índice atual decorre de não ter havido presteza para conter a propagação dos choques de commodities a outros setores – que ocorre em proporção ao aquecimento da economia e ao seu grau de indexação, inclusive do salário mínimo. O problema pode ir além do preço dos serviços, a menos que a demanda seja desaquecida o suficiente.

A favor dos preços de commodities elevados e, provavelmente, em alta, pesa a continuidade do forte crescimento dos países emergentes e em desenvolvimento.

Conta também a extraordinária liquidez, que se acompanha de taxas de juros e dólar muito baixos. Pode-se ainda adicionar dois fatores altistas na oferta: as mudanças climáticas e a evolução mais lenta da produtividade.

Os EUA seguem patinando numa trilha de baixo crescimento e elevado desemprego. Porém, como o atual embate político-partidário deixa claro, são mínimas as chances de que estímulos fiscais venham a ser utilizados. Resta seguir mantendo a liquidez, o que leva a juros muito baixos e dólar enfraquecido e, logo, aos altos preços de commodities.

Na Europa, a área do euro balança. A proposta de reestruturação das dívidas, se mal dimensionada, pode só mudar a natureza da crise. Uma possível saída envolveria a China mitigar a quebradeira. A médio prazo, é mais provável que o país, assim como outros emergentes, reduza suas exposições nos EUA, dando, ao mesmo tempo, mais força à Europa.

Quando os ajustes evoluírem, é provável que o euro se valorize ante o dólar, reforçando a alta de commodities.

Quanto à China, salários mais altos e moeda mais valorizada poderão aumentar o ímpeto importador de um país um pouco mais voltado para o mercado interno – outra força no sentido de aumento de preços das commodities.

Não ocorrendo o pior nos EUA e na Europa, é concreta a ameaça de alta da inflação no Brasil. Para que seja combatida, juro alto e câmbio forte deverão prevalecer na impossibilidade de acionar eficazmente a política fiscal.

Artigo publicado inicialmente na Folha de S.Paulo

This post was published on 25 de julho de 2011

Share

Recent Posts

Chegou a sua chance de mudar o jogo da fazenda

Se você quer… 📍 Ter uma fazenda com mais lucro, satisfação, reconhecimento com mais harmonia.… Read More

5 de março de 2021

Uruguai: INAC considera exportar para países do Sudeste Asiático

O Instituto Nacional de Carnes (INAC) do Uruguai está explorando a possibilidade de facilitar exportações… Read More

5 de março de 2021

Senador dos EUA proporá lei que impede importação de commodities associadas a desmatamento

Os Estados Unidos deverão discutir em breve um projeto de lei para impedir que o… Read More

5 de março de 2021

Votação na Suíça pode definir peso de exigências ambientais

Pela primeira vez os suíços vão votar sobre um acordo comercial. A consulta popular a… Read More

5 de março de 2021

Rastrear fornecedores indiretos de gado demanda ‘várias engrenagens’, diz membro do comitê de sustentabilidade da Marfrig

O rastreamento dos fornecedores indiretos de gado dos frigoríficos para zerar o desmatamento nessa parcela… Read More

5 de março de 2021

Nova cepa de peste suína africana na China preocupa analistas

Uma nova cepa do vírus causador da peste suína africana (ASF) identificada na China tem… Read More

5 de março de 2021