Produtores argentinos ameaçam mais protestos contra veto a exportações de carne
31 de maio de 2021
Estudo da Embrapa mostra que o Brasil criou mais de uma startup por dia em 2020
1 de junho de 2021

Coma esse hambúrguer! A carne é boa para você e o gado não é a grande causa das mudanças climáticas

* Por Tryon Wickersham, professor associado de nutrição animal no Departamento de Ciência Animal da Texas A&M University

Um coro crescente de celebridades de Hollywood, atletas profissionais e ativistas ambientais estão culpando o gado por arruinar a paisagem natural e agravar a mudança climática – e estão pedindo às pessoas que parem de comer hambúrgueres e bifes.

Esses ativistas, embora bem intencionados, estão mal informados. Como alguém que estudou gado durante toda a minha carreira científica, sei que o gado é uma parte essencial e sustentável de uma dieta saudável e de um ecossistema saudável. Na verdade, a eliminação gradual da carne bovina em nossas dietas pode prejudicar a saúde das pessoas e piorar a desigualdade global, sem melhorar substancialmente o clima.

O gado não é um grande emissor de gases de efeito estufa. Sim, as vacas famosamente expelem metano, mas esses arrotos constituem apenas uma pequena fração – cerca de 2% – das emissões gerais nos EUA. Compare esse número com o transporte ou usinas de energia, que respondem por 29% e 28% das emissões dos EUA, respectivamente.

E, claro, quaisquer alimentos usados ​​para substituir a carne bovina têm sua própria pegada, então uma substituição não deve causar uma mudança significativa nas emissões gerais.

Em troca desse pedágio de emissões relativamente baixo, o gado fornece benefícios inestimáveis ​​para seus ecossistemas e para os humanos.

O gado é ruminante; outros ruminantes incluem ovelhas, cabras, veados, bisões e antílopes. Seus estômagos de quatro câmaras usam micróbios simbióticos para processar e digerir nutrientes, o que lhes permite subsistir com dietas de material vegetal incrivelmente fibroso e resistente que humanos, porcos e galinhas não podem digerir com eficácia; pense em gramas, folhas e subprodutos da produção de alimentos e combustível.

O gado de corte essencialmente substituiu outro ruminante que anteriormente povoava este país – o bisão. Antes que os colonos avançassem para o oeste, a América do Norte continha cerca de 88 milhões dessas grandes feras. Hoje, os EUA abrigam 94 milhões de cabeças de gado.

Só o Texas abriga mais de 13 milhões desses grandes ruminantes, 14% da população total de gado dos Estados Unidos. No Texas, o gado é a nossa commodity agrícola número um, com um valor de mercado de US $ 12,3 bilhões em 2017.

Esse gado basicamente reivindicou o papel de bisão em ecossistemas de pastoreio. O gado de corte passa a maior parte da vida pastando em pastagens, campos e arbustos que os humanos não podem usar para outros fins agrícolas. Mesmo o gado acabado com grãos passa apenas três meses em um confinamento, em média. O resto do tempo, eles estão no pasto.

O gado e outros ruminantes pegam a proteína não comestível encontrada nos resíduos das colheitas, gramíneas e subprodutos e a transformam em proteína comestível. Esse processo é chamado de upcycling. Pense nisso como pegar um estrado de madeira sem acabamento e transformá-lo em uma mesa de jantar lixada e envernizada.

Como meus colegas e eu mostramos na Translational Animal Science em 2018, o gado melhora a proteína vegetal de forma incrivelmente eficiente. Na verdade, o gado acabado com grãos fornece quase 20% mais proteína comestível humana do que consome.

Não devemos subestimar a importância do upcycling. Ele permite que os humanos, especialmente as crianças pequenas, tenham dietas mais saudáveis ​​e sustentáveis. De acordo com minha pesquisa, se o milho cultivado para produzir carne de uma vaca fosse alimentado diretamente para humanos, ele forneceria aminoácidos essenciais suficientes para apenas três crianças. A vaca, ao contrário, fornece aminoácidos essenciais suficientes para alimentar 17 crianças.

Além disso, se os humanos comessem diretamente o milho, eles precisariam consumir muito mais calorias para obter nutrientes essenciais suficientes, ironicamente os colocando em risco de obesidade e desnutrição simultaneamente.

Na verdade, esse é um grande problema, especialmente no mundo em desenvolvimento. Agricultores e pecuaristas agora produzem comida suficiente para que todos na Terra atendam às suas necessidades calóricas. Mas nem toda comunidade tem comida boa o suficiente. Muitas pessoas sofrem de deficiências nutricionais, mesmo que tenham um excesso de calorias.

Ruminantes, incluindo gado, podem ser usados ​​para melhorar a qualidade das dietas em muitas economias em desenvolvimento. Dietas melhores podem ajudar as pessoas nesses países a alcançar resultados básicos. Por exemplo, comer carne melhorou a função cognitiva e os resultados educacionais em crianças em idade escolar no Quênia.

A carne bovina pode fornecer ao mundo nutrientes essenciais sem competir com os humanos por comida. Meus colegas e eu usamos uma métrica chamada “contribuição líquida de proteína” para estimar como uma fonte de alimento contribui para as necessidades de proteína humana. Se essa métrica estiver abaixo de 1, significa que uma fonte de carne está competindo com os humanos por proteína. Uma pontuação acima de 1 significa que não. O gado produzido nos EUA tem um NPC que varia de 1,5 a 4,6.

O gado não é a fonte de nossos problemas ambientais. Eles são parte da solução para um desafio incômodo: como alimentar o mundo de forma sustentável.

Fonte: Artigo de Tryon Wickersham, professor associado de nutrição animal no Departamento de Ciência Animal da Texas A&M University, para o Fort Worth Star Telegram, traduzido pela Equipe BeefPoint.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *