Categories: Giro do Boi

Com alimentos sob pressão, BC deve manter juro em 2%

Esta semana deve ser marcada pela pausa no recente ciclo de cortes na taxa básica de juro do país. Depois de nove reduções consecutivas, o Banco Central (BC) tende a manter a Selic inalterada, na mínima histórica de 2% ao ano, indicam analistas do mercado financeiro.

O Comitê de Política Monetária do BC (Copom) discute o tema a partir de amanhã. O resultado da reunião sai na quarta-feira.

Com a pressão gerada pela pandemia, o colegiado foi forçado a cortar a Selic nos últimos meses. A questão é que as reduções tendem a levar algum tempo até provocarem efeitos mais robustos em linhas de crédito para consumidores e empresas. Em períodos de crise, esse movimento fica ainda mais complicado, já que bancos enxergam mais riscos no horizonte, como aumento no desemprego e na inadimplência.

Após a reunião mais recente, em agosto, o Copom não fechou a porta para novas reduções na taxa de juro. Contudo, reconheceu que o espaço para cortes seria “pequeno”.

De lá para cá, surgiram elementos que sustentam a projeção de Selic inalterada nesta semana. O principal é o choque em preços de alimentos. Na teoria, pressões sobre a inflação, que segue controlada na média, fazem o Copom adotar cautela em relação ao juro básico.

– Em agosto, o BC tinha sinalizado que a reunião de setembro seria para parar e ver o que estaria acontecendo. Há informações novas, como o choque de alimentos e as dúvidas fiscais. Faz sentido parar para olhar – avalia o economista-chefe do banco BNP Paribas no Brasil, Gustavo Arruda (leia entrevista ao lado).

O preço salgado de alimentos tem ligação com o dólar em patamar elevado, acima de R$ 5. Produtos básicos são cotados em moeda americana no mercado internacional. A alta no dólar, por sua vez, está relacionada ao juro na mínima histórica.

Ao mesmo tempo em que tenta estimular aportes de empresas para aumento de produção, a Selic em baixa faz com que parcela de investidores estrangeiros deixe o país. Isso ocorre porque a diferença fica menor entre o juro de aplicações no Brasil e o registrado em outras regiões. Assim, correr mais riscos no país, com retorno inferior ao de outras épocas, acaba afastando parte dos investidores. A saída de estrangeiros reduz a quantidade de dólares no Brasil, o que incentiva a alta na moeda.

Fonte: Zero Hora.

This post was published on 15 de setembro de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Como melhorar a relação com o pai (ou outra pessoa da família) na fazenda?

Vem aí o primeiro Intensivão Legado 2021 sobre sucessão familiar na fazenda. Um dos nossos… Read More

15 de janeiro de 2021

Uruguai adota mais medidas preventivas contra Covid-19 em frigoríficos

Uma equipe público-privada multidisciplinar projetou medidas adicionais para os frigoríficos do Uruguai, buscando evitar os… Read More

15 de janeiro de 2021

Gestora KPTL faz aporte de R$ 3 milhões na startup de rastreabilidade Ecotrace

A KPTL, uma das principais gestoras de venture capital do Brasil, anunciou hoje um investimento… Read More

15 de janeiro de 2021

Marfrig reduz dívida com geração forte de caixa nos EUA

A extraordinária geração de caixa nos EUA viabilizará a redução da dívida bruta da Marfrig.… Read More

15 de janeiro de 2021

Emissão de certificados sanitários para produtos de origem animal cresce 18% em 2020

O Serviço de Inspeção Federal (SIF) registrou o aumento de 18% na emissão de certificados… Read More

15 de janeiro de 2021

Mapa abre consulta pública sobre habilitação de estabelecimentos e trânsito de produtos de origem animal

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou, nesta quinta-feira (14), a Portaria nº 198 que… Read More

15 de janeiro de 2021