Categories: Giro do Boi

Clima adverso deverá motivar queda da colheita gaúcha de milho de verão

Se nos meses de outubro e novembro as chuvas em excesso atrasaram o plantio de grãos no Rio Grande do Sul, desde o começo de dezembro a irregularidade nas precipitações e o calor – a sensação térmica chegou a passar dos 40º C em algumas regiões – prejudicaram o desenvolvimento das lavouras de milho no Estado. Diante deste cenário, a consultoria INTL FCStone reduziu ontem em 20% a projeção para a colheita gaúcha de verão do cereal em relação ao volume estimado em dezembro, para 4,8 milhões de toneladas.

Se confirmada a previsão, a produção será 16,7% menor que no ciclo 2018/19. “Essa redução agrava a preocupação com a oferta doméstica do cereal no primeiro semestre do ano, já que a demanda para a produção de aves e suínos continuará elevada”, afirmou Ana Luiza Lodi, analista da INTL FCStone. “Tudo aponta para um cenário complicado para o milho”, acrescentou, ao citar a possibilidade de falta do grão ou de elevação dos preços no primeiro semestre.

O Rio Grande do Sul é o principal produtor de milho verão do país, seguido por Minas Gerais, que deverá colher quase 4,8 milhões de toneladas em 2019/20.

De acordo com o engenheiro agrônomo e gerente técnico da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater/RS), Rogério Mazzardo, as chuvas que devem ser suficientes para recuperar as perdas nas lavouras, especialmente no noroeste gaúcho”.

A Emater/RS fará uma nova estimativa em março, mas a produção ainda projetada pelo órgão em 5,9 milhões de toneladas deverá ser revista. “Em algumas propriedades a perda ultrapassou 50%. ”, afirmou Mazzardo.

Até a semana passada, 95% da área de milho estimada pela Emater/RS em 777 mil hectares para o Estado havia sido semeada, enquanto em 2% a 3% da área a colheita já havia começado. Segundo Mazzardo, em muitas áreas os produtores replantaram as lavouras.

A perspectiva, segundo Marco Antônio Santos, agrometeorologista da Rural Clima, não é das melhores para os produtores gaúchos. “O clima deve se manter assim ao longo do verão”, disse. Esse cenário deve comprometer o potencial produtivo também das lavouras gaúchas de soja. “A safra não vai ser cheia”.

Em Goiás, onde tem chovido muito neste início de ano, depois de uma estiagem de 50 dias atrasar o plantio de soja, a situação é mais favorável. “As chuvas chegaram no tempo certo, e não na colheita, como ocorreria se os produtores tivessem semeado as lavouras em outubro”, disse Leonardo Machado, assessor-técnico da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg). A área de produção de grãos no Estado deverá ser de 5,7 milhões de hectares, e a colheita está prevista em 24,2 milhões de toneladas.

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 7 de janeiro de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Uruguai estuda protocolo para incluir gado terminado com grãos na Cota Hilton

Membros do setor privado uruguaio e do Poder Executivo estão estudando a possibilidade de solicitar… Read More

8 de julho de 2020

Produção de grãos no país deve chegar a 251,4 milhões de toneladas impulsionada pela colheita de milho e soja

A produção brasileira de grãos deverá ser de 251,4 milhões de toneladas na safra 2019/2020.… Read More

8 de julho de 2020

Exportação de carne bovina dos EUA atinge em maio menor nível mensal em 10 anos

As exportações de carne bovina e suína dos Estados Unidos caíram em maio, refletindo, em… Read More

8 de julho de 2020

Marfrig lança programa de apoio a pequenos restaurantes

A brasileira Marfrig, segunda maior indústria de carne bovina do mundo, lançou hoje um programa… Read More

8 de julho de 2020

Inmet emite alerta vermelho para chuvas no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu um aviso vermelho (grande perigo) para acumulado de… Read More

8 de julho de 2020