Churrasqueiro ajuda seleção do Uruguai a relaxar na Copa

São quatro vitórias em quatro jogos e apenas um cartão amarelo na Copa do Mundo. Ao lado da Bélgica como os únicos times com 100% de aproveitamento na Rússia, o Uruguai chega fortalecido em campo e fora dele para a fase quartas de final contra a França.

Longe das quatro linhas do gramado, mais precisamente na concentração em Nijni Novgorod, a seleção celeste promove uma das suas maiores tradições para relaxar o elenco após as partidas: o tradicional churrasco.

O “asado” uruguaio tem a assinatura do chef Aldo Cauteruccio, 40. Funcionário da AUF (Associação Uruguaia de Futebol) há 14 anos, ele se tornou o churrasqueiro da seleção e praticamente um membro do elenco comandado por Óscar Tabárez.

Na Rússia, o “asador” particular está em sua terceira Copa do Mundo e destaca a importância deste evento para a equipe. “A Copa sempre representa um momento importante e de muita intensidade. Para os uruguaios, o churrasco é um espaço de tranquilidade e relaxamento. É uma tradição que desfrutamos muito e nos faz sentir em casa”, contou Cauteruccio, à reportagem.

“Sempre sonhei em estar em uma Copa do Mundo e em fazer parte disso, mas nunca imaginei estar dentro e viver tão intensamente”, acrescentou o churrasqueiro celeste.

Churrasco no Uruguai é coisa séria. Tanto que Cauteruccio e a equipe de gastronomia da seleção uruguaia colocam o asado na programação assim que assegurada a vaga para o Mundial.

Foi assim na África do Sul, no Brasil e agora na Rússia. O chef cuida de todos detalhes para transportar o tradicional evento para onde quer que a delegação esteja.

“Tentamos que toda a carne seja uruguaia. Os cortes são magros, e só realizamos os churrascos nos momentos de descanso. É o momento ideal sempre. Tem que ser preparado na lenha, e não no carvão. A carne tem que ter qualidade e o evento na companhia de muitos amigos. Esse é o segredo do churrasco uruguaio”, comentou o churrasqueiro, que preferiu não revelar a quantidade de carne levada para Nijni Novgorod.

Mas, afinal, qual o sabor da iguaria apreciada por Luis Suárez, Edinson Cavani e companhia. Segundo o chef uruguaio, a lenha traz uma carne mais defumada e muito mais saborosa. Uma dica para nós brasileiros, acostumados nos fins de semana a usarmos o carvão como matéria prima para acender a churrasqueira.

No tempero, apenas sal. “Você pode preparar molhos ou outras ‘salsas’ para se colocar com a carne pronta. Mas, na churrasqueira, use só sal. Apenas sal”, reforça.

Os churrascos de Cauteruccio dominam as redes-sociais dos jogadores uruguaios. São stories e fotos no Instagram nos momentos de folga na Rússia, sempre com o perfil do churrasqueiro devidamente marcado. A relação próxima, mesmo como algo antigo, ainda é comemorada pelo profissional da cozinha celeste.

“Estar trabalhando para grandes figuras sempre abre portas, mas o mais importante é que os jogadores uruguaios sempre apoiam todos que estão trabalhando com eles. Sempre nos incentivam e nos fazem crescer”, declarou.

O churrasco uruguaio, aliás, se encontra em alta na Copa do Mundo. Além dos jogadores e da própria seleção, torcedores também aproveitaram o Mundial para divulgar o tradicional prato uruguaio na Rússia.

Um grupo de celestes pintaram uma enorme faixa escrita “asado y vino” (churrasco e vinho, em espanhol) e sempre a posicionam atrás de um gol nos jogos da equipe de Óscar Tabárez.

Motivo de orgulho para Cauteruccio, o responsável por transportar este símbolo uruguaio para as competições de Suárez, Cavani e cia. “Eu vi esta faixa [risos]. Isso resume em poucas palavras uma grande reunião de amigos no Uruguai.”

Fonte: Folhapress.


ou utilize o Facebook para comentar