Categories: Giro do Boi

China no chão: demanda por carne bovina caiu mais rápido do que subiu

Como geralmente acontece quando há subidas meteóricas, como as que ocorreram nos preços de importação da China entre maio e

novembro, a bolha é perfurada e o castelo de cartas cai. Mas em algum momento ele retornará, mais cedo ou mais tarde, porque a falta de proteína animal na China continuará a desempenhar um papel relevante no mercado internacional por vários meses.

Essa mudança radical de tendência foi baseada em uma decisão do governo chinês que tomou medidas para reduzir os preços de importação que estavam impactando fortemente a taxa de inflação da cesta de alimentos. Em novembro, o preço dos alimentos na China subia 19% ao ano – com a inflação não chegando a 4% – e Pequim decidiu tomar três medidas: reduziu o crédito às empresas importadoras, abriu o canal cinza para entrar no produto contrabandeado de Hong Kong e Vietnã, e anunciou grandes vendas de carne em estoque, principalmente suínos, mas também vacinas. Em dezembro, a inflação na cesta de alimentos já caiu para 17% ao ano.

Antes, a China havia permitido a importação de carnes de todos os tipos em um número muito grande de países, a fim de aumentar a oferta. O impacto nas exportações brasileiras foi tremendo; mais que dobrando o número de fábricas habilitadas, dobrou o volume de carne que exportava para a China mensalmente, passando de cerca de 40 mil toneladas para mais de 80 mil.

Na semana passada, com o acordo da Fase 1 assinado com os Estados Unidos, a China removeu o limite de idade para animais daquele país cuja carne poderia ser importada, que era de 30 meses. Isso permite a exportação de carne magra, principalmente de vacas descartadas. Além disso, facilitou as restrições à importação de carne de animais tratados com hormônios e promotores de crescimento.

Agora, há algo que não vai mudar e é que a China, através da peste suína, precisa importar grandes volumes de proteína animal para atender a seus requisitos. Você terá que participar mais ativamente do mercado. A questão é quando.

Segundo o consultor chinês Meat International Group (MIG), os volumes de carne bovina que entraram na China entre novembro e o mês atual de janeiro ainda são muito importantes. São compras realizadas entre setembro e novembro, muitas delas em processo de renegociação de preços devido ao acentuado declínio nas referências nas últimas semanas.

A MIG diz que em fevereiro a chegada da carne bovina aos portos chineses cairá e em março fará ainda mais, possivelmente metade do que entrará em janeiro. O que vem em março são os pedidos de dezembro e janeiro, quando a demanda e os preços já caíram. Os importadores da época comprarão carne que chegará à China entre junho e julho. Até então, certamente o excesso de oferta que chegou entre o final de 2019 e o início de 2020 já terá sido, em grande parte, consumido. Pode ser o momento em que o mercado começa a se destacar, com uma demanda que começa a participar mais ativamente e com um mercado mais firme.

Mas há uma coisa que parece clara: os importadores já sabem que o governo lida com um limite que não pode ser ultrapassado. Os preços nunca serão a loucura que eram em novembro passado. Isso, transferido para o mercado doméstico da de boi gordo, significa que as referências de US $ 4,30 por quilo de novilhos, ou mais, permanecerão na memória e não voltarão.

Com base nesse contexto, pode-se pensar em referências de preços para o novilho em 2020 na área de US $ 3,50 a US $ 3,80 por quilograma de alojamento. Eles continuarão sendo bons valores, mesmo que tenham deixado os US $ 4 para trás.

Fonte: El País Digital, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 24 de janeiro de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint
Tags: carnechina

Recent Posts

Produção de carne bovina nos EUA cai 21% em abril por conta do coronavírus

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, a produção de carne nos Estados Unidos… Read More

25 de maio de 2020

Fechada para clientes, churrascaria assa carne na calçada na zona leste de SP

Desde as 3h deste domingo cerca de 80 quilos de costela permaneceram rodeadas de fogo,… Read More

25 de maio de 2020

Marfrig tem 25 casos positivos de covid-19 em funcionários de unidade de Várzea Grande (MT)

A Marfrig Global Foods foi notificada sobre testes positivos para covid-19 em 25 funcionários de… Read More

25 de maio de 2020

Ajustes em frigoríficos vieram para ficar, afirma especialista

As medidas de segurança adotadas no ambiente frigorífico para tentar mitigar o risco de contaminação… Read More

25 de maio de 2020

Cadeia de fornecimento da indústria de carnes está falhando, mas fazendas menores ainda podem atender às necessidades dos consumidores nos EUA

Will Harris ficou alarmado com as notícias de produtores sacrificando seus animais porque matadouros e… Read More

25 de maio de 2020

Brasil alcança abertura de 60 mercados para produtos agropecuários

O Brasil alcançou a marca de 60 mercados externos abertos para produtos agropecuários desde janeiro… Read More

25 de maio de 2020