Categories: Giro do Boi

China beneficia operações de Marfrig e JBS também nos EUA

O indicador de margem bruta da indústria de carne bovina dos EUA chamou a atenção dos analistas do Credit Suisse. O cenário, que já era favorável para as operações de Marfrig e JBS nos EUA, parece ter melhorado com a demanda chinesa por carne americana.

Em relatório divulgado na quarta-feira, os analistas Victor Saragiotto e Felipe Vieira reiteraram a recomendação de compra das ações de Marfrig e JBS, as únicas empresas brasileiras que produzem carne bovina nos Estados Unidos.

No setor, o papel da companhia de Marcos Molina é o favorito da área de análise do banco Credit Suisse. Às 17h22, as ações de JBS e Marfrig subiam 1,23% e 1,01% , respectivamente. O Ibovespa está praticamente estável, com ligeira alta de 0,05%.

Os analistas lembraram que os papéis da Marfrig registram desempenho inferior aos pares (JBS, Minerva e BRF) neste mês, o que para eles não faz sentido. No acumulado do ano, porém, a Marfrig é a empresa de carnes que mais se valorizou — 50%.

Segundo eles, a Marfrig é relativamente a empresa mais exposta ao bom momento da indústria de carne bovina dos Estados Unidos. Cerca de 80% do lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) da Marfrig é gerado pela controlada National Beef, quarta maior indústria de carne bovina dos EUA.

No relatório, os analistas destacaram que o spread (diferença entre o preço da carne bovina e do boi) nos Estados Unidos atingiu US$ 21 por arroba em 24 de novembro, alta de 64% na comparação com o início do mês e de 63% ante um ano antes.

De acordo com eles, esse incremento reflete a maior demanda no mercado americano e também nas exportações de carne dos EUA. “Há um surpreendente aumento das exportações de carne bovina americana pela China”, destacaram os analistas.

Os analistas lembraram que, no segundo trimestre, a margem bruta dos frigoríficos americanos bateu recorde por causa da disrupção na cadeia produtiva gerada pela covid — o fechamento de frigoríficos reduziu produção de carne e também o preço do boi.

O Credit Suisse não descarta uma segunda onda de covid-19 entre funcionários de frigoríficos nos EUA — o país vem batendo recorde de casos da doença —, mas ressalta que não é isso que vem beneficiando o resultado operacional da indústria de carne bovina. Nesse sentido, eles citam que os abates de bovinos nos EUA registram leve crescimento na comparação anual.

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 27 de novembro de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Marfrig deve iniciar a construção de seu frigorífico no Paraguai antes de julho

A Marfrig Global Foods está avaliando o início da construção de sua planta de frigorífica… Read More

18 de janeiro de 2021

Vendedores de carne bovina conseguem emplacar alta no atacado

Após as tentativas de emplacar novas altas nos produtos no atacado, a ponta vendedora finalmente… Read More

18 de janeiro de 2021

Consumo doméstico tímido e demanda externa aquecida definem preços da carne

Na primeira quinzena de janeiro, o preço da arroba registrou alta de 48% e a da… Read More

18 de janeiro de 2021

Governo de São Paulo revoga aumento de ICMS no agronegócio

O governo de São Paulo publicou hoje no Diário Oficial do Estado três decretos que… Read More

18 de janeiro de 2021

FGV prevê alta da produção agroindustrial em 2021

Embora tenha voltado a subir em novembro, o resultado final do Índice de Produção Agroindustrial… Read More

18 de janeiro de 2021

Imposto com alíquota cheia sobre insumos faz surgir impasse em Goiás

Apesar de o Convênio 100/1997 - que autoriza a isenção nas operações internas e reduz… Read More

18 de janeiro de 2021