Categories: Giro do Boi

China ainda vai importar muita carne, inclusive bovina, mesmo com a recuperação do rebanho suíno

Os principais países exportadores de carnes, incluindo o Brasil, direcionam atualmente as atenções ao mercado comprador da China. A pergunta que todos querem saber é uma só: em quanto tempo o gigante asiático conseguirá realmente recuperar o seu rebanho de porcos, que foi duramente destruído pelo surto de peste suína africana (ASF, sigla em inglês)?

A reconstrução do rebanho chinês vai impactar diretamente os embarques de todos os países fornecedores de proteína animal, a começar pelo Brasil, que, no ano passado, exportou mais de US$ 4 bilhões em carne bovina à China, ou 47,5% do faturamento total.

Em artigo publicado no portal australiano Beef Central, o analista Andrew Whitelaw, da Thomas Elder Markets, diz não acreditar na rápida recuperação do rebanho da China, como apregoa o governo chinês. “A velocidade de reconstrução com base em dados chineses é otimista”, diz ele, que completa: “Embora alguns possam considerar os dados do governo chinês como verdade, nós não…”

Os dados do governo chinês apontam para um rebanho suíno próximo aos níveis pré-ASF, com probabilidade de uma reconstrução total ainda durante 2021. No entanto, observa o analista, a China continua importando grandes volumes de carne, o que não faria sentindo caso o rebanho estivesse se aproximando do nível normal. Além disso, continua ele, o preço da carne suína continua alto, apesar da aparente reconstrução do rebanho suíno. “Se a oferta estivesse disponível, os preços da carne suína estariam caindo”, avalia.

No entendimento do analista, o rebanho chinês será reconstruído, mas isso levará algum tempo. “Quando isso ocorrer, veremos um impacto no preço de nossa carne”, ressalta ele, que acrescenta: “Esperamos que a reconstrução demore um pouco mais e se aproxime dos níveis atuais do governo no final de 2021”, prevê.

Nos últimos dois anos, um dos maiores impulsionadores do preço internacional da carne tem sido o impacto causado pela febre suína africana. O surto causou a perda de uma grande proporção de todos os suínos da China, ressalta o analista Andrew Whitelaw. Portanto, continua ele, o déficit de proteína causado pela ASF na China (e também em outros países produtores da Ásia) causou um efeito indireto nos valores da carne em todo o mundo, à medida que a China acelerou o ritmo de importações. Porém, “o que sobe tem que descer”, observa Whitelaw.

Fonte: Portal DBO.

This post was published on 11 de fevereiro de 2021

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

INAC promove carne uruguaia em restaurantes da China

O Instituto Nacional de Carnes (INAC) vem desenvolvendo campanhas na China com restaurantes e empresas… Read More

8 de março de 2021

Número de mulheres dirigindo propriedades rurais no Brasil alcançou quase 1 milhão, segundo dados do Mapa, Embrapa e IBGE

O número de mulheres dirigindo propriedades rurais no Brasil alcançou quase 1 milhão. A partir… Read More

8 de março de 2021

Exportações de carne bovina recuaram em fevereiro

As exportações brasileiras de carne bovina (in natura e processada) alcançaram 124,5 mil toneladas e… Read More

8 de março de 2021

Vai um bife por US$ 1mil? É de laboratório

“Garçom, um filab mal passado, por favor”. Um bife de laboratório, cultivado a partir de… Read More

8 de março de 2021

Novas regras para manejo de pastagens no Pantanal em MT

Depois que incêndios consumirem 30% dos 6 milhões de hectares do Pantanal que ficam em… Read More

8 de março de 2021

Fazenda Futuro terá Alexandre Ruberti, ex-Red Bull, no comando da operação nos EUA

A brasileira Fazenda Futuro, startup de proteínas vegetais do empresário Marcos Leta, está expandindo as… Read More

8 de março de 2021