Em alta, custo do frete no agro retoma nível de 2019
2 de fevereiro de 2021
Influente, coalizão ambiental ganha novo reforço de empresas
2 de fevereiro de 2021

China acha coronavírus em lote da BRF, dizem agências

Autoridades chinesas teriam detectado traços do coronavírus em um lote de carne suína exportada pela BRF, de acordo com agências. A informação, segundo a Agência Lusa, veio da província de Zhejiang, no leste da China. Ainda não se sabe o abatedouro de origem da carne. 

O lote de 16,3 toneladas de carne suína desembarcou em Xangai em 14 de janeiro. Desde que começaram a testar as cargas importadas de alimentos, os chineses detectaram a presença do vírus em lotes vindos de diversos frigoríficos do Brasil – na maior parte das vezes, na embalagem. 

Procurada pelo Valor, a BRF informou que não foi notificada oficialmente pelas autoridades chinesas sobre “quaisquer possíveis problemas com seus produtos exportados” ao país. “A empresa ressalta a segurança e a alta qualidade de seus alimentos fornecidos no mundo inteiro, em conformidade com os regulamentos e os rígidos padrões internacionais de segurança e higiene”, destacou a companhia. 

Em nota à imprensa, a BRF também reforçou que não há evidências científicas de que a covid-19 possa ser transmitida por alimentos ou embalagens. “A companhia está segura em demonstrar a efetividade das medidas protetivas implantadas até o momento em suas unidades”, frisou. 

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que representa os exportadores de carnes suína e de frango, também informou ontem que não havia sido notificada sobre a detecção de covid-19 em um lote de carne suína exportada pela BRF à China. Em nota, a ABPA acrescentou que está em contato com o Ministério da Agricultura para “eventuais esclarecimentos que se façam necessários”. 

“Vale ressaltar que a BRF, citada por alguns veículos de imprensa como produtora da carga, segue os mais rígidos protocolos público e privado (validado pelo Hospital Israelita Albert Einstein) para a inocuidade e segurança dos produtos, e para a preservação da saúde dos seus colaboradores”, ressaltou a ABPA, em comunicado à imprensa. 

Na B3, as informações sobre o caso tiraram sustentação das ações da BRF nesta segunda-feira – os riscos de suspensão temporária do abatedouro de origem da carga estão sempre no radar. No ano passado, a própria BRF e empresas como JBS, Marfrig e Aurora tiveram as exportações de algumas unidades suspensas por causa da covid-19. 

Nesse cenário, a BRF destoou do comportamento da bolsa. Em um dia de alta de mais de 2% do Ibovespa – o índice foi embalado pelas expectativas positivas dos investidores com a eleição no Congresso e pelo alívio vindo de Wall Street -, os papéis da dona da Sadia recuaram 0,8%, a R$ 21,05. Concorrentes como a JBS, por sua vez, tiveram leve alta. 

Fonte: Valor Econômico.

Os comentários estão encerrados.