Carrefour questionou frigoríficos e tradings sobre desmatamento na Amazônia

O CEO do Carrefour Brasil, Noël Prioux, pediu explicações para JBS, Marfrig, Minerva, Bunge e Cargill sobre suas políticas para que os produtos agropecuários fornecidos à rede não estivessem relacionados ao desmatamento e às queimadas na Amazônia.

O executivo enviou uma carta às companhias no dia 11 de setembro, no auge da crise internacional provocada pelas queimadas no bioma, solicitando respostas até o dia 25 do mesmo mês. Segundo o Carrefour, todas as companhias entregaram respostas. Além disso, a companhia informou que realizou reuniões com estas empresas para discutir o assunto.

Prioux questionou as companhias sobre como elas implantam suas políticas de desmatamento zero, qual é o mapeamento que elas fazem de suas cadeias de fornecimento global e se elas conseguiam demonstrar a ausência de vínculo com as queimadas atuais.

O executivo pediu ainda especificamente para as companhias afirmarem se estavam enviando ao Carrefour todas as informações provenientes de seus sistemas de georreferenciamento relacionadas aos produtos fornecidos à rede de supermercados.

Ele ainda questionou as companhias sobre a visão que elas têm sobre um projeto de um “mecanismo global para evitar o desmatamento associado à produção de soja ou carne bovina”.

Na carta, Prioux afirma que, “devido aos recentes eventos ocorridos na Amazônia, organizações de direitos humanos e de conservação ambiental ao redor do mundo chamaram o setor privado para agir, visando especialmente empresas globais de carne e de ração animal de soja, considerando as mesmas como responsáveis pelas queimadas”.

Em nota, o Carrefour ressaltou que participa do Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável (GTPS) desde 2007 e da Moratória da Soja da Amazônia — que agora está sendo questionada pelos produtores rurais brasileiros. “A rede atua para engajar as cadeias produtivas, especialmente pecuária e soja, em modelos mais sustentáveis e, graças à ferramenta de geolocalização utilizada pelo grupo, trabalha para inibir a produção em regiões desmatadas, em áreas de proteção ambiental e terras indígenas”, disse a companhia.

Outros projetos em que está envolvido foram citados pelo Carrefour, como o Programa de Produção Sustentável de Bezerros, implementado pela Iniciativa para o Comércio Sustentável (IDH) no Mato Grosso, e o movimento Act for Food, para disponibilizar “produtos saudáveis, acessíveis e com princípios agroecológicos”. O Carrefour integra um grupo global de empresas, o “Consumer Goods Forum”, e que tem como compromisso garantir o desmatamento zero de suas cadeias até 2020. Fazem parte do grupo companhias de varejo como Pão de Açúcar, Casino, Dia e Walmart, além de empresas do agronegócio como BRF, AB InBev, Cargill, Cofco, Nestlé, Syngenta, entre outras.

Fonte: Valor Econômico.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar