Frigol devolve frigorífico alugado em Cachoeira Alta (GO)
5 de abril de 2021
Convocando todos os produtores rurais
6 de abril de 2021

Carnes uruguaias ganham espaço no mercado “Halal”

A Certificadora Is Eg Halal pretende capacitar 18 empresas locais de carnes nos próximos seis meses. Os quatro primeiros já foram aprovados.

Por quase meia década, o Uruguai não exportou produtos bovinos para o Egito. Uma das limitações que enfrentou foi a certificação Halal, que se traduz como “permissível” e é o processo de abate de um animal de acordo com os ritos estabelecidos no Alcorão. Muitas comunidades muçulmanas, incluindo o Egito, exigem que seus alimentos importados sejam certificados como Halal antes de entrar no país. Até agora, essa exigência representava um entrave para as exportações do Uruguai.

A certificadora Is Eg Halal, uma empresa pública limitada com o governo egípcio como um de seus acionistas, é a única entidade autorizada por aquele governo a certificar as exportações Halal que entram naquele país de qualquer parte do mundo. Tendo estabelecido sua sede latino-americana no Uruguai há um ano e meio, a certificadora aprovou as quatro primeiras plantas uruguaias, que são: Frigorífico Tacuarembó, Frigorífico Colonia (ambos pertencentes ao grupo Marfrig Global Foods), Breeders e Packers Uruguai (BPU Meat ) e Henil SA (tripas).

“Nossa meta é aprovar 18 câmaras frigoríficas nos próximos seis meses”, disse Wael Hana, presidente da Is Eg Halal. O fundador da certificadora em 2017, garantiu que a primeira fase é certificar para o Egito. Na fase dois, a certificação será expandida para outras regiões com alta demanda Halal. A certificadora Is Eg Halal confia que os produtores de carne uruguaios atendam a essa demanda.

Hana explicou que a certificadora foi instalada no Uruguai porque “é o país mais estável e com menos burocracia da América Latina” e acrescentou: “O Uruguai tem grande potencial para conseguir relações comerciais estáveis ​​e positivas”.

Por outro lado, considerou o Uruguai “amigo” dos investidores estrangeiros e possui várias “zonas francas”. Além disso, a presença do Uruguai no Mercosul, acompanhada de sua localização geográfica entre dois grandes produtores de carne Halal, como Argentina e Brasil, gera benefícios comerciais.

A certificação é considerada a chave para o desenvolvimento bem-sucedido da indústria Halal, embora a indústria enfrente o problema da existência de padrões diferentes para ela. A falta de um padrão Halal global é um problema recorrente. Essa é a razão pela qual a República Árabe do Egito tomou a iniciativa de conceder direitos exclusivos ao Is Eg Halal para garantir uma certificação unificada.

O Egito é um dos maiores importadores de carne do mundo. Hana mostrou que nos últimos 18 meses aquele país importou mais de 17 mil contêineres de carnes e frangos da América Latina.

Potencial.

O Egito tem 86 milhões de muçulmanos que são consumidores potenciais de muitos dos produtos que o Uruguai produz.

Em 2020, Uruguai e Paraguai responderam por aproximadamente 1% das exportações da América Latina para o Egito. Para um país historicamente conhecido por ser um grande produtor de carne, o Uruguai tem muito o que recuperar nesse mercado.

Avançar

Pela primeira vez desde 2012, o Uruguai retomou as exportações de carnes para o Egito. Em um negócio que inclui cortes certificados Angus, da mais alta qualidade. Este é apenas o primeiro passo para desenvolver o mercado uruguaio de produtos Halal.

“O Uruguai tem grande capacidade de aumentar suas exportações para o Oriente Médio e fundamentalmente para o Egito, que é um dos maiores importadores de carne do mundo”, disse o presidente da certificadora egípcia instalada no Uruguai.

Desde a assinatura do Acordo de Livre Comércio (TLC) entre o Mercosul e o Egito, em 2010, as relações comerciais têm crescido significativamente. Em 2019, o Mercosul respondeu por 39% do total das importações egípcias. Os produtos que este país importa do Mercosul são cereais, carnes, minerais metálicos, sementes, gordura animal e óleos de carne, que representam mais da metade do volume exportado. Em troca, as exportações do Egito para o Mercosul foram de US $ 475 milhões (FOB). Os produtos mais exportados para o Mercosul são fertilizantes, plásticos e vegetais. Hana lembrou que as exportações do Uruguai para o Egito representaram apenas 1% das feitas pelo Mercosul no ano passado, enquanto Brasil e Argentina representaram 64% e 34%, respectivamente. Atualmente, Hana, do Egito e sua equipe na Is Eg Halal dizem que estão procurando soluções para aumentar esse volume. Uma dessas soluções poderia ser o interesse em adquirir terras no Uruguai para aumentar a produção. A certificadora está confiante de que não só aumentará as exportações, mas também criará oportunidades de trabalho no país.

Hana lembrou que o presidente Luis Lacalle Pou implementou incentivos tarifários para que os estrangeiros possam obter residência no Uruguai. Isso também motiva a Is Eg Halal a investir no futuro de seus negócios no país. O Uruguai é um centro de livre comércio e Hana acredita que a possibilidade de estabelecer relações comerciais entre o Uruguai e o Egito será benéfica para os dois países.

Mercado Halal

Segundo Wael Hana, presidente da Is Eg Halal, a primeira fase é a certificação para o Egito, para depois expandir para outras regiões com alta demanda Halal. Acredita que o Uruguai pode fazer isso. Embora o Uruguai não seja uma comunidade muçulmana, o mercado de produtos Halal tem um enorme potencial para sua economia. A população muçulmana representa aproximadamente 25% da demografia mundial e é uma parte significativa do mercado consumidor global. É por isso que Is Eg Halal busca estabelecer uma cadeia de valor real e sincera com os produtores uruguaios para que o país possa competir no crescente mercado global.

Influenciado principalmente por uma crescente população muçulmana em todas as partes do mundo, a análise da consultoria AT Kearney, projeta que o mercado Halal ultrapassaria US $ 2,5 bilhões até o final de 2020. Em comparação, as capitais Apple e Amazon representam os EUA $ 2 trilhões.

Gerenciar um direito de certificação Halal é ideal para nações muçulmanas. Como a Is Eg Halal e o Egito, outros países optaram por ter uma única entidade responsável por todo o processo de certificação. Embora a concorrência nos negócios seja sempre descrita como “positiva”, a indústria de certificação Halal se comporta de maneira diferente. A Malásia foi o primeiro país a ter uma única entidade para regulamentar sua certificação Halal.

Jabatan Kemajuan Islam Malaysia, (JAKIM) a certificadora Halal naquele país, elevou os padrões e reduziu os problemas associados a outras certificadoras Halal. Com o mercado global estimado em mais de bilhões de dólares, padronizar e regularizar os produtos Halal está se tornando uma necessidade. Ter uma entidade governamental supervisionando a certificação Halal proporciona eficácia, controle de qualidade e padrões de inspeção. É considerado ideal em comparação com a alternativa de ter empresas privadas individuais, associadas a mesquitas locais ou outras organizações islâmicas, para lidar com o processo de certificação. A visão de Hana é criar um padrão Halal direto e de alta qualidade. Ele considera que o Uruguai pode ajudar a consultoria que preside e o Egito a cumprir esse objetivo. A cooperação entre os dois países abre novas oportunidades.

O Uruguai tem oportunidades comerciais em vários países com população muçulmana, pois as certificações Halal estão sendo resolvidas. “O mercado árabe é de US $ 1,3 trilhão, 200 milhões de habitantes com uma renda per capita das mais altas do mundo e uma economia em crescimento contínuo, o que o torna um importante espaço para geração de novos negócios”, admitiu o então embaixador do Uruguai ao Emirados Árabes Unidos, Nelson Yemil Chabén, no quadro de uma palestra que proferiu na Universidade de Montevideu, sobre como exportar para o mundo árabe.

Chabén, atual assessor do chanceler Francisco Bustillo, lembrou naquela palestra que o Uruguai pagou US $ 295,5 milhões em tarifas em 2018 e lembrou que nos países do Golfo Arábico se aplicam tarifas de 0 a 5% aos alimentos, o que na prática representariam ter um Tratado de Livre Comércio, por isso convidou, em conjunto com o Sindicato dos Exportadores, a explorar esses mercados. Vale lembrar que o Uruguai obteve autorização para entrar nos Emirados Árabes Unidos com sua carne bovina e ovina com e sem osso em 2019. O primeiro embarque foi feito em janeiro deste ano e a empresa que fez a importação é uma loja especializada em alta qualidade dirigida ao segmento mais exigente do mercado. Os produtos que eles oferecem são geralmente da Austrália, Nova Zelândia, Holanda, Rússia e agora também Uruguai. Vale lembrar que a entrada de carne refrigerada nesse mercado tem tarifa zero. As importações de carne bovina in natura, resfriada ou congelada da Arábia Saudita foram de US $ 423 milhões em 2019 e US $ 400 milhões em 2018.

Outra conquista do complexo uruguaio de carnes foi a entrada no Líbano, após quase dois anos da abertura do mercado de carne bovina e ovina uruguaia. O primeiro carregamento foi de cortes desossados. Foi o primeiro país do Mercosul com condições de exportar cortes com osso para esse mercado.

Embora hoje a China volte a assumir as compras de carnes com mais firmeza, os mercados árabes representam uma nova oportunidade para continuar gerando a colocação de um mix de produtos e se defender em tempos de dificuldades. À medida que os consumidores se acostumam com a qualidade da carne, a qualidade da carne aumentará.

Fonte: El País Digital, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *