Carne não consome tanta água assim, diz especialista

Por Diana Rodgers, do https://sustainabledish.com

“Para um quilo de carne, você precisa de muito mais água do que para produtos vegetais”.

Essa é uma afirmação feita constantemente. O que a maioria das pessoas não entende é que existem diferentes maneiras de medir o uso da água. Se você está medindo a produção de carne olhando para a “água verde”, isso é muito diferente de olhar para “água azul”.

Confira abaixo as definições do glossário da Waterfootprint.org:

Água Verde

“A precipitação em terra que não escorre ou recarrega as águas subterrâneas, mas é armazenada no solo ou fica temporariamente no topo do solo ou da vegetação. Eventualmente, esta parte da precipitação evapora ou transpõe através das plantas. A água verde pode ser produtiva para o crescimento das culturas (embora nem toda a água verde possa ser absorvida pelas culturas, porque sempre haverá evaporação do solo e nem todos os períodos do ano ou das áreas são adequados para o crescimento das culturas) ”.

Água Azul

“Água da superfície e água subterrânea, em outras palavras, a água em lagos de água doce, rios e aqüíferos.”

Pegada de água cinza

“A pegada hídrica cinza de um produto é um indicador da poluição da água doce que pode ser associada à produção de um produto em toda a sua cadeia de suprimentos. É definida como o volume de água doce que é necessário para assimilar a carga de poluentes com base em concentrações de fundo natural e padrões de qualidade de água existentes. É calculado como o volume de água necessário para diluir os poluentes a tal ponto que a qualidade da água permaneça acima dos padrões acordados de qualidade da água ”.

Toda carne é na verdade “produzida a pasto”, o que significa que o gado começa a vida no pasto (geralmente de 12 a 14 meses) e é “terminado” (de quatro a seis meses) em um confinamento [nos EUA]. Na produção de gado “típica” dos EUA, o número de água verde é de cerca de 92%. Em carne bovina produzida por animais terminados a pasto, o número de água verde está mais próximo de 97-98%.

Mais uma vez, a água verde é principalmente a água da chuva. Assim, cada gota de chuva que cai que leva à produção de culturas agrícolas, forrageiras ou gramíneas que uma cabeça de gado come ao longo de sua vida faz parte da equação da pegada hídrica. Água azul é água subterrânea (de aquíferos e rios usados para irrigação).

Alguns artigos de pesquisa, como esse, consideram  a carne bovina industrialmente produzida preferível à carne a pasto, porque menos água é necessária para cultivar grãos do que para cultivar capim (olhando para a água verde da chuva). No entanto, não se menciona  quanto dos pastos consumido pelos herbívoros é completamente inadequado para a produção de culturas, nem quão benéficos estes animais podem ser para a restauração da terra.

De acordo com este estudo da UC Davis, que utilizou a metodologia da água azul, a carne “típica” requer aproximadamente 410 galões de água por libra (cerca de 3450 litros por quilo) para produzir. Um quilo de produção de arroz também requer cerca de 410 galões, e abacates, nozes e açúcar são igualmente altos nas necessidades de água. No livro de Nicolette Hahn Niman, Defending Beef, ela explica que a quantidade de água para carne bovina produzida a pasto está mais próxima de 100 galões por libra (cerca de 840 litros por quilo) para produzir.

Depois de entender como esses números de pegada são derivados, você entenderá como é inútil usá-los como uma crítica à produção de carne. As equações também deixam de fora muitas informações críticas, como tipo de solo e saúde. Este vídeo de Sandra Postel, diretora e fundadora do Global Water Policy Project, explica muito bem o uso da água na produção de carne. Também deve ser notado que a nutrição da carne bovina com terminação a pasto é muito superior ao arroz, abacate, nozes e açúcar, então comparar “produtos vegetais” a “carne” não é realmente lógico.

Fonte: https://sustainabledish.com, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar