Uruguai quer ampliar cota de carne dos EUA e exportar língua bovina ao Japão
14 de janeiro de 2021
França pode bloquear proposta de fusão do Carrefour com Couche-Tard
15 de janeiro de 2021

Carne argentina na Europa: da melhor do mundo à concorrência crescente

A carne argentina continua sendo um produto apreciado na União Europeia (UE), mas há importadores que concordam que ela não é mais o que era e que os problemas de descontinuidade dos embarques e a heterogeneidade de qualidade “confundem” os consumidores. Outras faces dessa competição são apresentadas pelo crescimento do Uruguai, das carnes orgânicas certificadas da Nova Zelândia e da própria UE, embora de qualidade inferior, e com o bom preço das brasileiras.

Mauricio Tripodi, dono da DAT – empresa familiar que importa carnes em Colônia (Alemanha) que distribui para toda a UE – explica que na última década o valor da carne exportada para a Alemanha caiu cerca de 40%. Eles distribuem para empresas gastronômicas e também possuem locais de venda final ao público. Ele afirma que para os primeiros a variável preço é fundamental e como há mais opções, substituem a Argentina.

No caso dos clientes finais, em mercados com maior poder aquisitivo, a concorrência direta é com rótulos orgânicos e de qualidade premium, por exemplo, dos Estados Unidos. “Eles custam até 20% mais que os argentinos, mas é para quem quer consumir com tranquilidade, sabendo como o animal foi criado, o que comeu, como viajou”, afirma.

Em julho passado, as 28.538.857 toneladas da Cota Hilton foram atribuídas para a UE, que vai até 30 de junho; são 30 frigoríficos que o compõem. Até novembro (últimos dados disponíveis), a Argentina exportou 917.000 toneladas de carne bovina com osso. O mercado europeu, além do Hilton, recebe a chamada cota 481 (carne de animais terminados em confinamento e que durante 100 dias ganham 1,2 quilos por dia). As duas variantes são de alta qualidade e incluem redução e eliminação (dentro de uma determinada cota) de tarifas, respectivamente. Fora dessas cotas, também há exportações.

Em volume, a UE representa 8% do total das operações em comparação com 72% na China, embora o valor seja o dobro no primeiro caso. A Alemanha, como porta de entrada para o continente, está em primeiro lugar no ranking.

Roberto Jellinek está no Reino Unido há 32 anos, fundou a importadora Building Bridges e, recentemente, a Casa Argentina em Londres um restaurante e loja de venda de produtos. “Cada país tem preferência por determinados cortes. Tentamos nos diferenciar e conseguimos ir além dos convencionais que são a garupa e o lombo com as vísceras e a alcatra que permite aos gastrônomos oferecer uma experiência diferente ”. Ele concorda que as carnes argentinas têm “fama e tradição” ligadas à ideia dos “pampas”, mas avisa que o Uruguai tem pisado “forte” e que o Brasil também compete, especialmente no preço.

Em preços, um corte argentino médio custa cerca de 20 libras (US$ 27,32), em comparação com 6 libras (US$ 8,19) para um corte inglês. Jellinek explica que, exceto em situações muito específicas, não há carne argentina nas grandes redes de supermercados. “Os quatro mais importantes apoiaram fortemente uma campanha de compra nacional; pode ser encontrado em lojas Premium e lojas especializadas ”, acrescenta.

O mercado britânico exigirá, com sua saída da UE, uma estratégia particular por parte dos exportadores argentinos. Os brasileiros esperam que a demanda cresça após o Brexit e estão na corrida para aumentar sua participação.

A empresa DAT tem uma venda ao público em Jerez de la Frontera (Espanha) e a partir daí distribui para todo o país. O quilo de alcatra está em 14,20 euros (US$ 16,96); o lombo alto a 25,90 euros (US$ 31,38) e o filé mignon a 42,90 euros (US$ 51,98). Na Espanha, a carne argentina está disponível em grandes supermercados.

A perda de participação na UE está ligada ao foco dos exportadores na China. É uma tendência que já dura cerca de cinco anos. Tripodi destaca que cortes nas exportações, preços voláteis e qualidades diversas influenciaram esse processo.

“Saímos de um mercado aberto e outros países puderam aproveitar muito bem. A Argentina não é a única que produz boas carnes, há outras que oferecem valor agregado com novas técnicas de alimentação e maturação e valorizando a rastreabilidade. A transparência é muito valorizada em mercados de alto poder aquisitivo. Perdemos a confiança e esta deve ser reconstruída. É possível fazer, há chances ”, diz.

Fonte: El País Digital, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Os comentários estão encerrados.