Categories: Giro do Boi

Carne Angus Certificada da Argentina retorna aos Estados Unidos depois de duas décadas

Ontem à noite, na embaixada argentina nos Estados Unidos, em Washington, foi realizado um jantar para importadores e autoridades do governo dos EUA, com o objetivo de promover a carne bovina argentina, que retornou ao país depois de 17 anos.

Além disso,  haverá reuniões com autoridades do Instituto de Carnes da América do Norte e importadores do Meat Importers Council of America. Todas essas atividades são organizadas pelo Instituto para a Promoção da Carne da Argentina (IPCVA).

Nos últimos meses, dois embarques já foram feitos do nosso país para o mercado norte-americano. Um deles para Miami e o outro para a Filadélfia, para onde o último fim de semana um carregamento de 100 quilos de carne Angus certificada foi enviado para ser usado para promoção, após 19 anos de ausência naquele país. Isso significa o impulso para um negócio que visa capturar segmentos de alto valor, levando em conta que a carne Angus é a marca de maior prestígio do mercado. De fato, seus cortes foram escolhidos para o jantar na embaixada.

A partir do programa que está a cargo da Associação Argentina de Angus busca-se agregar valor à “mercadoria de carne” colocando marca, permitindo ao consumidor identificar em sua origem racial uma qualidade e um responsável.

Para tanto, os animais devem obedecer às características da raça, com a avaliação de sua maturidade, cobertura de musculatura, gordura e marmoreio, entre outros atributos.

Repercussões

Atualmente, existem 16 frigoríficos aprovados para produzir cortes Angus certificado, dos quais dez estão autorizados a exportar para os Estados Unidos. Essas indústrias visam capturar segmentos de alto valor nos mercados internacionais, melhorando o desempenho da pecuária argentina.

Sem dúvida, é um fato transcendente, já que a Angus é a marca mais reconhecida por sua qualidade no mercado norte-americano. Acompanhar este emblema com o prestígio da Argentina como produtor de carne natural é uma combinação virtuosa “, disse o presidente da Associação Argentina de Angus, Alfredo Gusmán.

Por sua parte, o segundo vice-presidente da entidade, Sebastián Rodríguez Larreta, que participou do evento ontem à noite, comentou que o mercado norte-americano “paga mais pelos cortes de animais criados em ambientes naturais como os pampas. Isso, junto com a raça que produz a melhor qualidade de carne do mundo, será muito favorável para as exportações argentinas. ”

Fonte: Infobae, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 21 de março de 2019

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

INAC promove carne uruguaia em restaurantes da China

O Instituto Nacional de Carnes (INAC) vem desenvolvendo campanhas na China com restaurantes e empresas… Read More

8 de março de 2021

Número de mulheres dirigindo propriedades rurais no Brasil alcançou quase 1 milhão, segundo dados do Mapa, Embrapa e IBGE

O número de mulheres dirigindo propriedades rurais no Brasil alcançou quase 1 milhão. A partir… Read More

8 de março de 2021

Exportações de carne bovina recuaram em fevereiro

As exportações brasileiras de carne bovina (in natura e processada) alcançaram 124,5 mil toneladas e… Read More

8 de março de 2021

Vai um bife por US$ 1mil? É de laboratório

“Garçom, um filab mal passado, por favor”. Um bife de laboratório, cultivado a partir de… Read More

8 de março de 2021

Novas regras para manejo de pastagens no Pantanal em MT

Depois que incêndios consumirem 30% dos 6 milhões de hectares do Pantanal que ficam em… Read More

8 de março de 2021

Fazenda Futuro terá Alexandre Ruberti, ex-Red Bull, no comando da operação nos EUA

A brasileira Fazenda Futuro, startup de proteínas vegetais do empresário Marcos Leta, está expandindo as… Read More

8 de março de 2021