Cardiologista americano recomenda consumo de carne para ter o coração saudável

O texto abaixo é do cardiologista americano Bret Scher.

Os médicos pediram que as pessoas limitassem o consumo de carne vermelha e outros alimentos gordurosos, que foram associados a causas de doenças cardíacas.

Mas novos estudos desmascaram essa sabedoria convencional. De fato, parece que carboidratos de baixa qualidade – não gorduras saturadas – estão causando a epidemia de doenças cardíacas nos Estados Unidos. É hora de parar de demonizar o bife.

A comunidade médica desaprova os tipos de gorduras saturadas encontradas na carne, laticínios e óleo de coco. A American Heart Association recomenda evitar a carne vermelha – e se as pessoas insistirem em comê-la, devem “selecionar os cortes mais magros disponíveis”. As diretrizes nutricionais federais sugerem que menos de 10% das calorias diárias venham de gorduras saturadas, enquanto a AHA recomenda ainda menos.

Essas recomendações nunca foram apoiadas por pesquisas rigorosas. A ideia de que gorduras saturadas causam doenças cardíacas vem de estudos observacionais de décadas. Pesquisadores pediram aos participantes para preencher questionários sobre seus hábitos alimentares e, em seguida, acompanharam sua saúde ao longo do tempo.

Os pesquisadores notaram que as pessoas que comiam muitas gorduras saturadas eram mais propensas a contrair doenças cardíacas. Eles concluíram que carne e laticínios eram a raiz de todas as nossas doenças crônicas, especialmente doenças cardíacas. No entanto, pesquisadores subsequentes descobriram que, em muitos casos, cientistas selecionaram dados para apoiar essa conclusão.

Mais importante, esses tipos de afirmações observacionais são ciência fraca. Em 2011, uma análise abrangente de 52 alegações distintas feitas em estudos observacionais concluiu que nenhuma – isso mesmo, zero – poderia ser confirmada em um ensaio clínico – um tipo mais rigoroso de ciência.

Estudos observacionais só podem mostrar correlação, não provar causalidade. Os vegetarianos, por exemplo, têm taxas mais baixas de doença cardíaca. Isso é devido à sua dieta sem carne? Ou porque fumam menos e se exercitam mais regularmente do que as pessoas que comem grandes quantidades de carne? Estudos observacionais não podem resolver esses tipos de problemas.

Nos últimos anos, várias equipes de pesquisadores em todo o mundo revisaram todos os dados sobre as gorduras saturadas – e concluíram que essas gorduras não têm nenhum efeito sobre a mortalidade cardiovascular.

Uma revisão recente e abrangente de duas dúzias de estudos de alta qualidade realizados por pesquisadores da Universidade de Purdue não encontrou nenhuma ligação entre o consumo de carne vermelha e qualquer resultado cardiovascular negativo. Em uma análise separada de 2014 que analisou 72 diferentes estudos observacionais e clínicos envolvendo mais de 650.000 pessoas, o pesquisador concluiu que “não há gordura saturada com a qual devemos nos preocupar”.

Então, com o que devemos nos preocupar? Carboidratos

Considere como a dieta americana evoluiu. Os dados mais recentes do governo revelam que, de 1970 a 2014, a disponibilidade de carne vermelha caiu 28%. A disponibilidade de leite integral diminuiu 79 por cento. E as gorduras animais – como manteiga e banha – caíram 27%.

Se as gorduras saturadas fossem realmente não saudáveis, então as taxas de obesidade, diabetes e doenças cardíacas deveriam ter despencado ao lado dessa queda no consumo de gordura saturada.

Em vez disso, as taxas de doença dispararam – em grande parte porque os americanos substituíram as gorduras saturadas por grãos ricos em carboidratos. De 1970 a 2014, a disponibilidade de grãos aumentou 28%. O corpo converte esses carboidratos em glicose, aumentando assim os níveis de açúcar no sangue que – com o tempo – podem contribuir para a obesidade, diabetes e doenças cardíacas.

Novas pesquisas apoiam essa ideia. A maior análise de sempre da dieta, que incluiu 135.000 pessoas em 18 países, revelou que as pessoas que consumiram dietas ricas em carboidratos tinham 28 por cento mais probabilidade de morrer durante o estudo do que pessoas com menor consumo de carboidratos. Por outro lado, aqueles que consumiram as maiores quantidades de gorduras saturadas apresentaram as menores taxas de acidente vascular cerebral.

Ainda mais revelador é um recente estudo clínico controlado em pessoas com diabetes tipo 2 realizado com evidências de alta qualidade. Pesquisadores da Universidade de Indiana descobriram que minimizar os carboidratos enquanto estimulam a gordura – incluindo a gordura saturada – realmente reverteu o diabetes em 60% dos pacientes após um ano. A dieta também reduziu a inflamação e triglicérides e aumentou o HDL – o chamado bom colesterol – todos fortes indicadores de melhoria da saúde cardíaca e metabólica.

Pesquisas adicionais apontam especificamente para os benefícios potenciais de comer carne vermelha enquanto reduz os carboidratos. Dois estudos liderados por pesquisadores da Universidade da Austrália Ocidental descobriram que a substituição de alimentos ricos em carboidratos por carne vermelha reduz a inflamação e a pressão sanguínea.

Especialistas médicos há muito dispensam conselhos não comprovados sobre carne. Mas uma pesquisa mais recente e melhor indica que a carne vermelha e as gorduras saturadas não são prejudiciais quando combinadas com uma dieta de baixo carboidrato.

Então, se você está procurando proteger seu coração, acenda a grelha e prepare o hambúrguer – mas evite o pão e a salada de macarrão.

Fonte: https://www.houstonchronicle.com, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar