Categories: Giro do Boi

Campo emite menos gases de efeito estufa

A redução do rebanho bovino brasileiro em 2018 por causa do aumento dos abates para atender à demanda crescente por carnes contribuiu para que a produção agropecuária brasileira diminuísse marginalmente suas emissões de gases de efeito estufa em relação a 2017. De acordo com dados do Observatório do Clima e do Imaflora, a quantidade de gases equivalentes ao gás carbônico emitidos pelo setor no ano caiu 0,7%, para 492,2 milhões de toneladas. Foi o segundo recuo seguido, mas o volume ainda superou todas as emissões da França em 2018.

Do total de emissões da agropecuária no ano passado, 69% foram de responsabilidade da pecuária de corte, ou 339,6 milhões de toneladas de gás carbônico. Em 2017, a criação de bovinos para abate respondeu pela mesma fatia das emissões, somando 341,8 milhões de toneladas de gás carbônico equivalente emitidos pela atividade.

A diminuição das emissões da pecuária caiu na mesma proporção que o rebanho bovino, que perdeu no ano passado 1,5 milhão de cabeças de gado e terminou o ano com 213,5 milhões de animais, segundo dados do IBGE.

“Tem um fator da produtividade da pecuária, mas acreditamos que o maior peso está no ciclo da atividade”, avaliou Ciniro Costa Junior, pesquisador do Imaflora.

Também houve redução das emissões relacionadas ao uso de fertilizantes nitrogenados, em decorrência principalmente da retração das áreas com milho em 2018. Segundo Costa Junior, o milho, além de ter uma área muito expressiva, é uma das culturas com maior demanda por fertilizante – diferentemente do algodão, que tem menor demanda e teve uma área maior plantada no ano passado.

Em 2018, tanto a safrinha de milho de 2017/18, que é plantada no primeiro semestre, como o milho de primeira safra de 2018/19, plantado no segundo semestre do ano, tiveram extensões menores do que nos períodos anteriores.

Os cálculos do Observatório e do Imaflora sobre as emissões da agropecuária não abarcam as conversões de pastagens para a agricultura, assim como também não consideram a degradação de pastos. “Não temos o tamanho preciso dessas áreas. Tinha um esforço para isso na plataforma de monitoramento do Plano ABC, mas o governo cortou os conselhos”, afirmou.

O desmatamento não é contabilizado nas emissões da agropecuária, mas entra no cômputo das emissões nacionais e é o principal fator de emissão no país. Em 2018, as emissões de mudanças de uso da terra avançaram 3,6%, para 845 milhões de toneladas.

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 8 de novembro de 2019

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Produção de carne bovina nos EUA cai 21% em abril por conta do coronavírus

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, a produção de carne nos Estados Unidos… Read More

25 de maio de 2020

Fechada para clientes, churrascaria assa carne na calçada na zona leste de SP

Desde as 3h deste domingo cerca de 80 quilos de costela permaneceram rodeadas de fogo,… Read More

25 de maio de 2020

Marfrig tem 25 casos positivos de covid-19 em funcionários de unidade de Várzea Grande (MT)

A Marfrig Global Foods foi notificada sobre testes positivos para covid-19 em 25 funcionários de… Read More

25 de maio de 2020

Ajustes em frigoríficos vieram para ficar, afirma especialista

As medidas de segurança adotadas no ambiente frigorífico para tentar mitigar o risco de contaminação… Read More

25 de maio de 2020

Cadeia de fornecimento da indústria de carnes está falhando, mas fazendas menores ainda podem atender às necessidades dos consumidores nos EUA

Will Harris ficou alarmado com as notícias de produtores sacrificando seus animais porque matadouros e… Read More

25 de maio de 2020

Brasil alcança abertura de 60 mercados para produtos agropecuários

O Brasil alcançou a marca de 60 mercados externos abertos para produtos agropecuários desde janeiro… Read More

25 de maio de 2020