Categories: Marketing da Carne

Campanha do INAC impulsiona cortes e promove marca do Uruguai no comércio eletrônico chinês

A carne uruguaia avança na China de mãos dadas com o comércio eletrônico. O Instituto Nacional de Carnes (INAC) promoveu com sucesso o produto na China, por meio do gigante do comércio eletrônico: a plataforma Tmall do Alibaba, que tem cerca de 730 milhões de usuários ativos e é a maior plataforma de conexão da China consumidores, cobrindo mais de 200 cidades.

No mundo do comércio eletrônico na China, participam grandes empresas como a Alibaba, promotora dessa ideia do “Double eleven” – em 2009, ideia seguida por todas as lojas de varejo – e plataformas como a Jingdong (JD.com), outra gigante do comércio eletrônico.

Neste ano, a janela de compra foi estendida em onze dias, o que levou a um recorde absoluto de vendas, que no caso do Alibaba chegou a US $ 74 bilhões.

Esta foi a terceira campanha conjunta realizada entre o INAC e a Tmall em quase um ano e faz parte da estratégia de construção e posicionamento da marca uruguaia de carnes na China, confirmou o Instituto Nacional de Carnes.

Dentro da Tmall existe a “Tmall Alimentos Frescos”, plataforma especializada na categoria de alimentos in natura, com mais de 30.000 operadoras que comercializam produtos importados e nacionais. É neste espaço que foi feita uma campanha promocional da carne uruguaia para Mr Fresh para o 11/11, ou o “double eleven”, como é chamado.

Mr Fresh é um canal com conteúdo para produtos premium de todo o mundo e as principais categorias de alimentos são carnes, frutos do mar, frutas, laticínios, vinhos, condimentos e bebidas.

Entre os produtos premium de vários países, o INAC realizou a campanha de promoção da marca de carnes uruguaia, em cinco produtos cárneos como rabo e garrón, muito desejados pelos consumidores na China.

A forma de compra era entrar na página inicial do Taobao/Tmall ou Tmall Food, e de lá para o canal Mr Fresh. A sinalização e rotulagem dos produtos na Mr Fresh procuraram destacar os produtos importados, os padrões de produção e o acompanhamento de rigorosos protocolos de entrega, serviço e qualidade. A China é o mercado onde os cortes continuam sendo valorizados que em outros destinos não estão tão profundamente enraizados no consumo e se destinam à transformação, onde perdem algum valor.

Fonte: El País Digital, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 26 de novembro de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Como melhorar a relação com o pai (ou outra pessoa da família) na fazenda?

Vem aí o primeiro Intensivão Legado 2021 sobre sucessão familiar na fazenda. Um dos nossos… Read More

15 de janeiro de 2021

Uruguai adota mais medidas preventivas contra Covid-19 em frigoríficos

Uma equipe público-privada multidisciplinar projetou medidas adicionais para os frigoríficos do Uruguai, buscando evitar os… Read More

15 de janeiro de 2021

Gestora KPTL faz aporte de R$ 3 milhões na startup de rastreabilidade Ecotrace

A KPTL, uma das principais gestoras de venture capital do Brasil, anunciou hoje um investimento… Read More

15 de janeiro de 2021

Marfrig reduz dívida com geração forte de caixa nos EUA

A extraordinária geração de caixa nos EUA viabilizará a redução da dívida bruta da Marfrig.… Read More

15 de janeiro de 2021

Emissão de certificados sanitários para produtos de origem animal cresce 18% em 2020

O Serviço de Inspeção Federal (SIF) registrou o aumento de 18% na emissão de certificados… Read More

15 de janeiro de 2021

Mapa abre consulta pública sobre habilitação de estabelecimentos e trânsito de produtos de origem animal

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou, nesta quinta-feira (14), a Portaria nº 198 que… Read More

15 de janeiro de 2021