Categories: Giro do Boi

Burger King, Cargill e WWF lançam projeto de restauração de pastagens

À medida que a demanda global por proteínas aumenta, fazendeiros, agronegócios, restaurantes e parceiros de conservação se reúnem para alimentar uma população crescente, enfrentar as mudanças climáticas e proteger o planeta. Os restaurantes Burger King® e a Cargill estão se unindo ao World Wildlife Fund (WWF) e fazendeiros nas Grandes Planícies do Norte para lançar um programa de restauração de campos por três anos. Essa iniciativa reúne duas grandes empresas que fornecem carne aos americanos para apoiar a reabilitação de solos menos produtivos em ecossistemas prósperos – com o gado desempenhando um papel crítico.

Através da semeadura, o programa visa converter cerca de 8.000 acres (3237,48 hectares) de terras agrícolas marginais em Montana e Dakota do Sul em pastagens ecologicamente diversas, com gado de corte como os principais criadores do ecossistema para mantê-lo. Se for bem-sucedido, o programa deve economizar o equivalente em carbono de dirigir quase 112,6 milhões de quilômetros em um veículo de passageiros médio.

“Reconhecemos as poderosas oportunidades que temos para promover a sustentabilidade na produção de alimentos juntos. Por meio da estrutura Restaurant Brands for Good da empresa controladora, demonstramos nosso compromisso em implementar práticas comerciais mais sustentáveis ​​”, afirmou Matthew Banton, chefe global de inovação e sustentabilidade da Burger King.

“Por meio do projeto de restauração de pastagens, estamos engajando proativamente com nossos pares, especialistas e partes interessadas do setor para ajudar a promover a sustentabilidade da carne bovina e mitigar os efeitos das mudanças climáticas”.

Segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, a cadeia de suprimentos de carne bovina da América do Norte já é mais de 35% mais eficiente do ponto de vista de GEE do que a média global. O projeto baseia-se na forte liderança de agricultores e pecuaristas nesta região, oferecendo oportunidades adicionais para expandir suas pastagens.

Os esforços de plantio se concentrarão em grandes áreas de terras marginais nas Grandes Planícies do Norte – onde a terra não é produtiva para agricultura ou outros usos agrícolas. As gramíneas nativas, com raízes de 3 a 4,5 metros de profundidade em alguns casos, retiram o carbono da atmosfera e armazenam no subsolo para apoiar um dos sumidouros de carbono mais estáveis ​​do mundo. As raízes também protegem as plantas e o solo superficial de serem sopradas ou lavadas e puxam a água para o subsolo, apoiando a resiliência das pastagens durante os períodos de seca.

“Por meio desse projeto, os produtores reconhecem o potencial de melhorar as fazendas para as gerações futuras”, disse Markus Erk, um fazendeiro de Dakota do Sul. “Estou emocionado por me unir a parceiros que desejam nos acompanhar para nos ajudar a aprimorar nossas práticas de conservação”.

Quando bem administrado, o pastoreio de gado pode ajudar a estimular o crescimento das gramíneas e manter um ecossistema saudável, semelhante ao papel que o bisonte nativo da região costumava desempenhar. Os cascos dos bovinos rompem o solo duro, permitindo que mais água seja absorvida pelo solo. A pastagem restaurada também pode fornecer um habitat para a vida selvagem exclusiva da região.”

Os fazendeiros são alguns dos administradores mais importantes das pastagens das Grandes Planícies do Norte. Como gerentes de mais de 70% das pastagens intactas restantes nesta região, eles são a chave para o seu futuro ”, disse Martha Kauffman, diretora administrativa do programa Northern Great Plains do WWF.

“Nossa colaboração com a Cargill e o Burger King restaurará áreas anteriormente aradas dentro desses ecossistemas vitais de volta aos campos, através do plantio de gramíneas nativas. À medida que esses ecossistemas se reconstruírem sob a gestão de nossos parceiros, o valor ambiental e a saúde de nossas pastagens, incluindo sua capacidade de apoiar a vida selvagem, continuarão crescendo nos próximos anos. ”

As mais recentes práticas de monitoramento serão usadas para medir o progresso do projeto, incluindo mudanças no carbono e na umidade do solo e na resposta da fauna silvestre . As ferramentas de medição de carbono também serão exploradas e testadas para evoluir continuamente as melhores práticas.

Progresso por meio de parcerias

O projeto faz parte dos esforços contínuos de Burger King e Cargill para ajudar a tornar a carne mais sustentável. Como uma das marcas icônicas da Restaurant Brands International, o Burger King está trabalhando para promover os compromissos assumidos por meio de sua estrutura de sustentabilidade, Restaurants Brands for Good. Lançada no ano passado, a iniciativa BeefUp Sustainability da Cargill, que busca reduzir as emissões de GEE em toda a cadeia de fornecimento de carne bovina da empresa em 30% até 2030, medida em uma base por quilo de carne bovina em relação à linha de base de 2017. Os esforços de ambas as empresas apoiam os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Os criadores de gado estarão na vanguarda desse esforço para desenvolver uma base para a restauração do ecossistema que incentive uma maior participação à medida que o programa cresce. A colaboração também se baseia na iniciativa de pecuária sustentável da WWF, expandindo ainda mais a oportunidade para os pecuaristas implementarem práticas sustentáveis de pastoreio de gado depois que as plantas tiveram tempo de criar raízes.

“Estamos construindo uma forte administração ambiental liderada por fazendeiros e pecuaristas e firmaremos parcerias com produtores, clientes e inovadores para impulsionar soluções de sustentabilidade”, disse Heather Tansey, líder de sustentabilidade dos negócios de proteína e saúde animal da Cargill. “Na Cargill, estamos em uma posição única para impulsionar a conexão em toda a cadeia de suprimentos de carne bovina da América do Norte. Juntos, podemos dimensionar soluções realistas que abordam os desafios da sustentabilidade.”

Fonte: Drovers, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 2 de julho de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

INAC passa a habilitar açougues no Uruguai

O Instituto Nacional de Carnes (INAC) informou que a partir de hoje, as novas autorizações… Read More

21 de janeiro de 2021

Embrapa Gado de Corte desenvolve Centro de Manejo com tecnologias focadas em bem-estar animal

O conceito e as técnicas adotadas para oferecer melhor qualidade de vida aos animais já… Read More

21 de janeiro de 2021

Com menor participação do frango, receita cambial das carnes aumentou menos de 3% em 2020

A despeito do bom desempenho das carnes suína e bovina (especialmente da primeira) no decorrer… Read More

21 de janeiro de 2021

Tyson Foods pagará US$ 221,5 milhões para encerrar ações na Justiça

A americana Tyson Foods afirmou nesta quarta-feira que concordou em pagar US$ 221,5 milhões para… Read More

21 de janeiro de 2021

Conselho da JBS aprova procedimento arbitral contra irmãos Batista e a J&F

O conselho de administração da JBS acatou a recomendação do Comitê Independente para instaurar um… Read More

21 de janeiro de 2021

Ações de commodities tendem a se beneficiar com Joe Biden

A chegada do novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, deve reforçar as apostas em… Read More

21 de janeiro de 2021