Categories: Giro do Boi

Boas perspectivas para um produtor confiável

Num momento em que a covid-19 ainda se espalha na América do Sul com a velocidade de uma nuvem de gafanhotos, é chover no molhado dizer que são muitos os desafios encarados pelo agronegócio brasileiro para manter os níveis de produção e garantir o abastecimento doméstico e as exportações de alimentos em meio à difícil tarefa de preservar a saúde das pessoas envolvidas nas mais distintas atividades do setor.

Mas, à medida em que a oferta interna é garantida a preços razoáveis e o fluxo de embarques avança, movidos por uma logística do campo às cidades e portos que até agora resiliente, o cenário de longo prazo para o campo parece cada vez mais positivo. Segundo especialistas, é como se fosse um teste no qual o Brasil, pelo menos até agora, está com resultados acima da média.

Acima da média, desde que as notas sanitárias continuem elevadas, também serão os avanços anuais de produção e exportações de algumas das principais cadeias do agronegócio do país na próxima década, como aponta o novo “Outlook Fiesp – Projeções para o Agronegócio Brasileiro 2029” (ver infográfico).

Crescimentos que, segundo o trabalho, feito pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo em parceria com a MB Agro poderão elevar a participação do Brasil nas exportações mundiais de soja de 47%, neste ano, para 53% em 2029. No caso do milho, a fatia poderá saltar de 23% para 27%, e no do açúcar de 35% para 41%. Na área de proteínas animais, o “market share” da carne bovina deverá no mínimo ser mantido em 18%, enquanto na carne de frango tende a subir de 36% para 44% e, na carne suína, poderá chegar a 10%.

“Ninguém poderia imaginar que em 2020 o mundo teria que conviver com os efeitos devastadores, para a saúde e para a economia, de uma pandemia global. A covid-19 estava fora do radar e o agronegócio também sente os seus impactos, já que não está isolado da economia. O etanol é um exemplo dessa realidade, por ser fortemente afetado pela redução do consumo. O momento é desafiador e a situação gera dúvidas e ansiedades. Entretanto, o Brasil demonstrou sua capacidade de manter o abastecimento interno e cumprir os contratos de exportação”, afirma Paulo Skaf, presidente da Fiesp.

A China continuará a ser o vetor de expansão das exportações do agronegócio brasileiro. A simbiose entre os dois países nos mercados de soja e carnes tem se consolidado apesar de declarações infelizes sobre os chineses de autoridades do governo brasileiro, e há demanda para que o Brasil diversifique as vendas. O país asiático também parece não ter condições de embarcar na onda protecionista que cresce no mundo por medo do novo coronavírus, embora continue a lançar mão de estratégias comerciais nem sempre previsíveis.

Se a China não tropeçar em seus problemas sanitários e sua economia continuar a crescer, estima o Outlook da Fiesp, o aumento de sua demanda por soja, usada sobretudo na fabricação de rações animais, será o principal motor para um crescimento de mais de 40% da produção brasileira na próxima década, que poderá se aproximar de 170 milhões de toneladas por safra.

No trabalho, outra maneira de medir a importância da China é a previsão de que a Ásia, liderada pelo país, representará 56% do aumento da demanda global por carnes até 2029. Grande exportador de proteínas animais, o Brasil já tem na China seu principal cliente para carnes bovina, de frango e suína e, como apontam as estimativas para alta dos embarques, também aqui a interdependência deverá crescer.

Olhando para frente, o estudo, como os publicados nos últimos anos, confirma que o cenário também é positivo para o consumo de alimentos no próprio Brasil, onde é vendida a maior parte da produção de quase todas as cadeias, com raras exceções – a soja é uma delas. Para soja, milho, açúcar e carnes, entre muitos outros produtos agropecuários, as perspectivas do Outlook são de crescimentos. Os destaques são os avanços previstos para soja e milho até 2029 (36% e 38%, respectivamente), necessários para sustentar a expansão da oferta de carnes.

O problema, afirmaram Roberto Betancourt, diretor do Departamento do Agronegócio da Fiesp, Antonio Carlos Costa, gerente do mesmo Deagro, e Alexandre Mendonça de Barros, sócio-diretor da MB Agro – que conversaram durante quase duas horas com o Valor sobre o Outlook – é que antes de 2029 está 2020, 2021, 2022…E nesse horizonte de prazo mais curto há obstáculos.

Preservar a saúde das pessoas e a qualidade, a sanidade e a sustentabilidade socioambiental dos alimentos em meio à covid-19 é um deles. Principalmente quando os consumidores estão mais exigentes e novas tecnologias, muitas delas desenvolvidas por um número crescente de agtechs, permitem a rastreabilidade total do que está na mesa das famílias. “O protecionismo ambiental europeu, por exemplo, está recrudescendo”, afirmou Betancourt.

E há questões domésticas importantes que estão tirando o sono de produtores rurais e agroindústrias. Há incertezas quanto à injeção de liquidez pelo governo na economia, em relação ao andamento de reformas como a administrativa e a tributária, sobre as relações trabalhistas pós-pandemia e a respeito dos níveis de desemprego. Afora o risco de elevação da tributação sobre o setor, justamente por ser um dos poucos que está crescendo durante a crise. São fatores que moldam uma fragilidade econômica que não poupa o agronegócio e pode apressar a velocidade de concentração dos negócios em alguns segmentos.

Mas isso em um ambiente de taxas de juros e inflação baixas, dólar favorável às exportações, novas fontes de financiamento – nacionais e internacionais -, mais recursos para o seguro rural e mais agilidade na comercialização interna, graças a ferramentas desenvolvidas e lições aprendidas nesta pandemia.

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 29 de junho de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Uruguai estuda protocolo para incluir gado terminado com grãos na Cota Hilton

Membros do setor privado uruguaio e do Poder Executivo estão estudando a possibilidade de solicitar… Read More

8 de julho de 2020

Produção de grãos no país deve chegar a 251,4 milhões de toneladas impulsionada pela colheita de milho e soja

A produção brasileira de grãos deverá ser de 251,4 milhões de toneladas na safra 2019/2020.… Read More

8 de julho de 2020

Exportação de carne bovina dos EUA atinge em maio menor nível mensal em 10 anos

As exportações de carne bovina e suína dos Estados Unidos caíram em maio, refletindo, em… Read More

8 de julho de 2020

Marfrig lança programa de apoio a pequenos restaurantes

A brasileira Marfrig, segunda maior indústria de carne bovina do mundo, lançou hoje um programa… Read More

8 de julho de 2020

Inmet emite alerta vermelho para chuvas no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu um aviso vermelho (grande perigo) para acumulado de… Read More

8 de julho de 2020