Bem-estar animal aumenta vendas de produtos no varejo

Executivos de supermercados veem fortes vendas de produtos com declarações e certificações que indicam melhor bem-estar animal e estão motivados a fornecer a eles precioso espaço na prateleira. No entanto, os tomadores de decisão dos supermercados não entendem as diferenças entre as alegações de bem-estar animal e certificações de bem-estar animal, segundo um estudo da Sociedade Americana para a Prevenção da Crueldade aos Animais e da Technomic, resumindo o cenário de varejo para produtos que apresentar alegações relacionadas com o bem-estar dos animais.

O relatório, chamado “Entendendo as prioridades de bem-estar animal dos varejistas”, constatou que a maioria dos varejistas já estoca produtos com uma ou mais alegações sobre bem-estar animal; que quase metade dos varejistas estocam produtos com certificações de bem-estar animal verificadas, em comparação com 71% de produtos de estoque com alegações “totalmente naturais” não verificadas.

Constatou-se também que, desses produtos de estoque com certificações comprovadas de bem-estar animal, mais de dois terços relatam que as vendas desses produtos aumentaram nos últimos três anos.

Além disso, o relatório observou que um terço dos varejistas em geral está interessado em estocar mais produtos que descrevam especificamente o tratamento humano de animais.

“Estamos encorajados pelo fato de os varejistas estarem respondendo à demanda dos consumidores por produtos que prometem melhor bem-estar animal”, disse Nancy Roulston, Diretora de Engajamento Corporativo da ASPCA Farm Animal Welfare Campaign. “No entanto, esta pesquisa revela confusão sobre quais etiquetas e reivindicações são significativas e quais são o marketing vazio.”

De fato, apenas cerca de 40% dos executivos de varejo sentiam que tinham uma compreensão “muito boa” de qualquer declaração de bem-estar animal. Os entrevistados consideraram muitas alegações não verificadas ou sem sentido como “naturais” e “livres de hormônios” para ter fortes garantias de bem-estar animal, às vezes considerando-as mais do que programas de certificação de bem-estar como Certified Humane, Animal Welfare Approved e Global Animal Partnership (GAP) .

Fonte: MeatingPlace.com, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.


ou utilize o Facebook para comentar