Balizador GPB Datagro lança aplicativo
13 de julho de 2021
Balizador de preços do boi gordo GPB/DATAGRO – Boletim de 12-julho-2021
13 de julho de 2021

Avalie as opções de suplementos para gado de corte durante a seca

Alguns produtores durante a seca já reduziram suas necessidades de forragem abatendo ou realocando o gado. Outras opções incluem encontrar um alimento suplementar para compensar as deficiências de nutrientes na forragem ou substituir uma parte da ingestão de forragem.

Em uma estação de crescimento típica, as necessidades de nutrientes do gado de corte em pastejo são atendidas por espécies nativas e/ou pastagens plantadas. No entanto, a seca pode causar reduções na qualidade e quantidade da forragem, o que pode afetar o desempenho do gado se a alimentação suplementar não for fornecida em quantidades adequadas.

“O principal objetivo dos programas de suplementação é atender às necessidades de nutrientes da forma mais eficiente e econômica possível”, disse Janna Block, especialista em sistemas pecuários do Centro de Extensão de Pesquisa Hettinger da Universidade Estadual de Dakota do Norte. “Para isso, é importante entender qual nutriente primário (proteína ou energia) se encontra em menor quantidade em relação às necessidades. Os fatores que devem ser considerados ao tomar decisões sobre o suplemento incluem o suprimento de forragem, o conteúdo de proteína, a condição corporal da vaca e o custo e a disponibilidade de suplementos ”.

Um primeiro passo importante é medir a disponibilidade de forragem para que os produtores possam calcular o número apropriado de animais e dias de pastejo para seus recursos de pastagem.

Durante a estação de crescimento, a forragem afetada pela seca pode, na verdade, ser de qualidade superior porque os nutrientes não são tão diluídos pela umidade como em anos normais. No entanto, a seca também pode levar à dormência precoce das plantas e redução da qualidade no início da estação de pastejo.

Suplementação de Proteína

As pastagens que atingiram a dormência precoce devido às condições de seca geralmente são deficientes em proteína bruta. Garantir que os requisitos de proteína sejam atendidos é importante para otimizar o desempenho e a reprodução animal. Um mínimo de 7% da proteína bruta da dieta é necessário para garantir a digestão adequada e a utilização de nutrientes por microrganismos no rúmen da vaca.

Neste estágio do ciclo de produção, vacas maduras pesando 590 quilos que pariram em março e abril requerem aproximadamente 1,13 quilos de proteína bruta (PB) por dia. Se assumirmos que a maioria das espécies de gramíneas dormentes de estação fria contêm cerca de 5% de PB e que as vacas podem comer aproximadamente 2% de seu peso corporal em forragem dormente de baixa qualidade, as vacas estariam consumindo cerca de 0,6 quilos de PB por dia da forragem. Neste exemplo, eles precisariam de 0,5 quilo adicional de PB suplementar para atender aos requisitos.

Exemplos de suplementos de proteína incluem farinhas de sementes oleaginosas (girassol, soja e canola), ervilhas, coprodutos como grãos de destilaria ou blocos de proteína comercial, líquidos ou potes.

O suplemento de proteína não precisa ser entregue diariamente. O fornecimento a cada três dias ou mesmo tão raramente como uma vez a cada seis dias pode resultar em desempenho semelhante. Se os produtores planejassem fornecer 0.9 quilos por cabeça por dia, eles simplesmente multiplicariam a taxa de alimentação diária pelo número de dias entre as mamadas. Portanto, se fornecendo a cada três dias, as vacas receberiam 2,7 quilos de suplemento em cada alimentação.

O intervalo de fornecimento pode resultar em economia significativa de mão de obra e custos de entrega de suplemento. O intervalo de fornecimento não é tão eficaz se grandes quantidades de suplemento são necessárias. A quantidade máxima recomendada para fornecer em qualquer alimentação é 1% do peso corporal.

Determinar a qualidade da forragem simplesmente pela avaliação visual da forragem é difícil, portanto, a análise de nutrientes da forragem em pé é benéfica nos casos em que decisões de suplementação estão sendo tomadas. Compreender que a suplementação de proteína tem efeitos positivos sobre a ingestão e digestibilidade da forragem também é importante. Portanto, se a quantidade de forragem for limitada, o suplemento de proteína não é a escolha ideal. Fornecer grandes quantidades de um suplemento de baixa proteína e alta energia funcionaria melhor nessa situação.

“Se a produção de forragem for limitada, os produtores podem desejar substituir uma parte da ingestão de pasto por ração suplementar”, disse Karl Hoppe, especialista em sistemas de gado do Centro de Extensão de Pesquisa Carrington da NDSU. “Fornecer forragens colhidas, como alfafa ou forragens anuais em pastagens, é uma opção; no entanto, os suprimentos de forragem já são escassos em muitas situações.”

“Também é um desafio fazer com que o gado consuma a forragem colhida enquanto está no pasto”, observa ele. “Deve-se levar em consideração os possíveis impactos negativos nas pastagens ou na saúde das pastagens, de deixar o gado pastando em áreas afetadas pela seca.”

Suplementação Energética

Os grãos de cereais, como o milho, costumam ser usados ​​como suplemento energético; entretanto, alimentos ricos em amido demonstraram ter um impacto negativo na digestibilidade e no consumo da forragem quando fornecidos em níveis superiores a 0,4% do peso corporal. Normalmente, este “efeito de substituição” seria considerado uma consequência negativa de fornecer grãos com uma dieta baseada em forragem.

No entanto, essa resposta pode até ser benéfica durante a seca, desde que a energia perdida com a redução do consumo de forragem seja compensada pelo suplemento. Suplementos de alta energia à base de fibra, como casca de soja, polpa de beterraba e ração com glúten de milho, também podem ser usados ​​para substituir a forragem sem impactos negativos na digestibilidade da fibra. Pesquisa conduzida na Universidade de Nebraska indicou que uma mistura de 30% de grãos úmidos de destilaria e 70% de palha de trigo armazenada em bunkers ou sacos de silagem substituiu a forragem em uma base quase 1 para 1.

Ao contrário dos suplementos de proteína, os suplementos de energia devem ser administrados diariamente para um desempenho ideal para evitar o consumo excessivo de energia e manter as condições ideais no rúmen.

A condição corporal da vaca deve ser 5 ou maior na reprodução para otimizar as taxas de concepção. Agora pode ser tarde demais para alguns produtores aumentarem a condição a tempo de reprodução, mas fornecendo uma proteína moderada (menos que ou cerca de 20%), um suplemento de alta energia de 0,3% a 0,5% do peso corporal deve ajudar a prevenir novas perdas de condição corporal e desempenho reduzido.

Além de proteína e energia, a suplementação mineral é uma consideração importante para qualquer programa de nutrição. Os produtores devem reconhecer que a alimentação de grãos de destilaria e ração com glúten de milho fornecerá níveis substanciais de fósforo, além de proteína e energia. Esses alimentos também podem ser ricos em enxofre, o que pode ter impactos negativos na absorção de outros minerais, como o cobre. A melhor maneira de determinar a formulação mineral ideal para uma operação específica é testar o conteúdo mineral de forragens, rações suplementares e fontes de água.

Avaliação de custos de suplementos

Os custos do suplemento devem ser avaliados com base no custo por quilo de nutrientes ao comparar as opções potenciais.

Os custos gerais do suplemento também devem ser avaliados com base no custo unitário do nutriente e na quantidade de suplemento entregue por cabeça por dia. Se os custos do suplemento forem excessivos, outra opção que melhorará a condição da vaca de maneira consistente e resultará em economia de forragem é desmamar os bezerros mais cedo.

“Como a alimentação suplementar representa uma grande porcentagem dos custos totais de produção, os produtores devem entender os benefícios e objetivos da utilização de um certo tipo de ração em um ambiente de produção específico”, diz Block.

Fonte: Drovers, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *