Categories: Giro do Boi

Aumentam os custos da diária-boi em São Paulo e em Goiás

Na nona edição do Informativo do Índice de Custo de Produção de Bovinos Confinados (ICBC) identificou-se aumento dos custos da diária-boi (CDB) de 5,10% e 4,04% para as propriedades representativas de São Paulo (CSPm e CSPg, respectivamente) e de 0,67% para Goiás, quando comparados os valores de janeiro e fevereiro. Os CDB em fevereiro foram de R$ 8,65, R$ 8,50 e R$ 7,53 para os confinamentos de São Paulo médio (CSPm), grande (CSPg) e de Goiás (CGO), nesta ordem. Confira a variação dos custos na Tabela 1.

Tabela 1. Comparativo de custos da diária-boi (CDB) entre os meses de janeiro e fevereiro de 2018

1 Dias de confinamento igual a 95; 2 103 dias; e 3 99 dias;

Os preços dos itens alimentares para o estado de São Paulo aumentaram entre os meses de janeiro e fevereiro, o que resultou em diárias alimentares mais elevadas. O preço do milho grão aumentou 14% aproximadamente, nesse período. Desta forma os coprodutos do milho e de outros da alimentos em São Paulo seguiram a mesma tendência de alta. Em Goiás, pelo contrário, o preço do milho foi bastante similar em relação ao mês de janeiro, o que contribuiu para estabilização do custo da dieta.

Pelo Gráfico 1 observou-se variação no índice de custo de bovinos confinados (ICBC) positivo para as regiões, sendo mais acentuado em São Paulo. Para esse estado o indicador apontou custos da diária-boi em fevereiro próximos aos que foram registrados em abril de 2017, quando iniciou-se o monitoramento periódico.

Gráfico 1. Variação dos índices de custos entre abril de 2017 e fevereiro de 2018

Contribuindo para a redução dos custos do capital de giro, custos operacionais, as taxas de juros de mercado têm se reduzido. O Governo Federal que antes divulgava a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) passou a utilizar novo método, agora TLP, que substituirá a anterior. Nesse momento com inflação menor o
Governo ajustou a taxa, que neste mês foi cotada a 5,61% ao ano (aa). A Taxa Selic foi de 8,80% aa. Esses valores foram os menores desde o início do monitoramento deste projeto.

Os custos com a reposição de animal magro reduziram nos dois estados pesquisados, desvalorização de 1,7% em SP e 2,25% em GO.

De modo geral, apesar do CDB para todas as propriedades representativas estudadas terem aumentado, o Custo Total (CT) permaneceu equivalente ou reduziu em relação ao mês anterior, Tabela 2. Apesar da redução do CT, a
situação pode não ser favorável economicamente aos confinadores, já que os preços do boi gordo têm se reduzido.

Para calcular os custos do seu sistema de produção faça o download gratuito da planilha disponibilizada em nosso site. Confira também as edições anteriores clicando aqui.

Considerações da análise de custos:

O método de alocação dos custos contempla quatro categorias: i) custos variáveis (aquisição de animais e despesas relacionadas); ii) custos semifixos (energia elétrica, telefonia e combustíveis); iii) custos fixos (mão de obra, depreciações e manutenções); e iv) renda dos fatores (juros sobre o capital de giro e sobre o capital próprio). Desta forma todos os itens de custos foram inclusos conforme a Teoria Econômica. A análise de todos os custos se faz necessário para evitar a descapitalização do produtor na atividade. Entretanto, é comum analisar os resultados por meio de outros indicadores. A Tabela 2 demonstra os custos resumidos com os principais indicadores da atividade.

Considerações Metodológicas do Estudo:
Para calcular os custos de produção apresentados acima, foram utilizados procedimentos metodológicos descritos na literatura científica. Primeiro foi feito estudo de caso em um confinamento de bovinos no estado de São Paulo do qual os dados foram coletados e descritos em planilha eletrônica, Microsoft Excel®. Os dados foram alocados, organizados e as equações matemáticas foram revisadas e validadas com profissionais do setor. Na segunda etapa do estudo foi feito levantamento – survey – com dez confinadores do estado de São Paulo e nove em Goiás.

No levantamento os confinadores foram entrevistados pelo pesquisador sobre as características do seu sistema produtivo por meio de um questionário. Essas informações serviram de subsídios para delinear as propriedades representativas, ou seja, os custos apresentados neste informativo representam o confinamento com as características mais comuns da amostra e não uma propriedade em específico. Os coeficientes técnicos levantados foram descritos na Tabela 3, os quais serão atualizados regularmente para acompanhar a evolução tecnológica da atividade.

Fonte: Laboratório de Análises Socioeconômicas e Ciência Animal (LAE), da FMVZ/USP, adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 8 de março de 2018

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Chegou a sua chance de mudar o jogo da fazenda

Se você quer… 📍 Ter uma fazenda com mais lucro, satisfação, reconhecimento com mais harmonia.… Read More

5 de março de 2021

Uruguai: INAC considera exportar para países do Sudeste Asiático

O Instituto Nacional de Carnes (INAC) do Uruguai está explorando a possibilidade de facilitar exportações… Read More

5 de março de 2021

Senador dos EUA proporá lei que impede importação de commodities associadas a desmatamento

Os Estados Unidos deverão discutir em breve um projeto de lei para impedir que o… Read More

5 de março de 2021

Votação na Suíça pode definir peso de exigências ambientais

Pela primeira vez os suíços vão votar sobre um acordo comercial. A consulta popular a… Read More

5 de março de 2021

Rastrear fornecedores indiretos de gado demanda ‘várias engrenagens’, diz membro do comitê de sustentabilidade da Marfrig

O rastreamento dos fornecedores indiretos de gado dos frigoríficos para zerar o desmatamento nessa parcela… Read More

5 de março de 2021

Nova cepa de peste suína africana na China preocupa analistas

Uma nova cepa do vírus causador da peste suína africana (ASF) identificada na China tem… Read More

5 de março de 2021