Categories: Giro do Boi

Argentina promove “Dia da Carne” nos EUA, enquanto Brasil continua sem exportar

O governo brasileiro, juntamente com a cadeia da carne bovina, comemorou recentemente duas grandes conquistas para o setor: a habilitação de 17 novas unidades de exportação à China e a abertura do mercado da Indonésia. No entanto, o Brasil ainda não teve sucesso nas negociações para o desbloqueio do mercado dos Estados Unidos, maiores importadores mundiais de carne bovina.

O governo brasileiro alega já ter cumprido todas as exigências feitas pelos norte-americanos em relação à qualidade do produto brasileiro. Porém, ainda aguarda o sinal verde do gigante da América no Norte – o Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) ventilou a esperança de reabrir o mercado ainda neste segundo semestre.

Enquanto isso, a Argentina, outro tradicional fornecedor mundial da carne vermelha, não se cansa de fazer oba-oba – e marketing – com o fato de estar com o seu caminho livre para exportar o produto in natura ao gigante da América do Norte.

Neste mês de setembro, uma comitiva argentina passou pelas cidades de Los Angeles, Chicago e Miami para promover “Os Dias de Carne Argentina”. “É um mercado muito importante, não só pelos possíveis volumes de vendas, mas também porque é um país que abre caminho para outros destinos”, disse Ulises Forte, presidente do Instituto de Promoção da Carne Argentina (IPCVA). México, países da América Central, além de Coreia do Sul e o Japão, estão na mira dos exportadores argentinos.

Segundo Forte, o objetivo das reuniões de setembro foi apresentar “a melhor carne argentina” aos importadores, distribuidores, imprensa especializada e representantes do setor de hotéis e restaurantes, entre outros serviços de degustação.

Em novembro do ano passado, o Serviço de Inspeção e Segurança Alimentar (FSIS), do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), tornou oficial a entrada da carne bovina argentina no mercado norte-americano. A decisão colocou fim a um bloqueio de 17 anos, ocasionado por um surto de febre aftosa em 2001.

A carne bovina in natura brasileira, por sua vez, está embargada pelos norte-americanos desde julho de 2017, depois do registros de abscessos (contaminação com pus) provocados pela reação à vacina contra aftosa.

Fonte: Portal DBO.

This post was published on 19 de setembro de 2019

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

No Brasil,maioria das fortunas nasceu de negócio familiar

Na lista dos mais ricos do Brasil, a maioria das fortunas foi criada a partir… Read More

26 de maio de 2020

Importação chinesa de carne suína bate recorde

As importações chinesas de carne suína bateram novo recorde em abril. O país asiático, que… Read More

26 de maio de 2020

Planta da Minerva em Goiás é habilitada a exportar carne bovina à Tailândia

A Minerva Foods, líder nas exportações de carne bovina na América do Sul, informou, em… Read More

26 de maio de 2020

Por perdão de dívidas do Funrural,produtores rurais preparam marcha à Brasília

Produtores rurais de todo o país vão organizar uma série de manifestações em Brasília a… Read More

26 de maio de 2020

Empresários preveem que oferta de produtos agrícolas será mantida

Embora a confiança no campo já não seja a mesmo do início do ano, sobretudo… Read More

26 de maio de 2020

Brucelose bovina: consumo de leite e carne crus é fator de risco

O consumo de carne crua de animais contaminados, leite cru ou produtos lácteos que não… Read More

26 de maio de 2020