Categories: Panorama do Mercado

Análise semanal – 10/05/2006

O mercado do boi teve uma semana de baixa. O indicador Esalq/BM&F caiu 1,15% na semana, encerrando em R$49,15/@. O indicador Esalq/BM&F do bezerro teve alta de 0,6% na semana, encerrando em R$357,40. A relação de troca segue favorecendo o criador de bezerros (em 10/05, 2,27), com uma queda de 1,8% na semana. O dólar se desvalorizou menos que o boi, fazendo que a cotação em dólares também caísse, fechando o dia em US$23,85/@.

O mercado futuro teve uma semana de relativa estabilidade. Os contratos com vencimento em maio/06 fecharam com desvalorização de 0,06% na semana (R$48,66/@) e os de outubro/06 com valorização de 0,02% (R$57,52/@). Para esses contratos, desde o início de abril os valores máximos de fechamento foram de R$52,30/@ para maio/06 e R$60,02/@ para outubro/06, ambos em 17/04.

No mercado físico, nas 24 praças levantadas pelo Instituto FNP, não houve valorização em nenhuma região, com queda em 10 praças e estabilidade em 14. No acumulado do ano as maiores reduções de preço ocorreram em Belo Horizonte/MG, Marabá/PA, Paragominas/PA, Cacoal/RO, Campos/RJ e Açailândia/MA, todas com reduções acima de 8%.


No noroeste de Goiás, as escalas estão preenchidas até o final de maio, com preço de R$49,00/@ para descontar Funrural, prazo de 30 dias. Na região, há grande quantidade de bovinos inteiros, com desconto de R$4,00/@. A unidade do Bertin, de Mozarlândia/GO, bateu recentemente o recorde de animais inscritos no concurso de carcaças organizado pela ACNB.

No norte de MG, na região de Janaúba, o frigorífico Independência retomou os abates no final de janeiro desse ano, abatendo 450 animais por dia. Segundo Eduardo Fulaneti, comprador de gado da unidade, a região tem surpreendido em relação a qualidade dos animais e em abril o peso médio dos animais abatidos foi de 272Kg/carcaça. O frigorífico tem pago R$49,00/@ para descontar Funrural (prazo de 30 dias) e tem escala preenchida até final do mês, segundo Eduardo. A produção é voltada a exportação, já que a planta é habilitada para exportar a UE.

No mercado externo, a constante desvalorização do dólar tem anulado os ganhos no preço da carne exportada. De acordo com o presidente da Abiec, Marcus Vinicius Pratini de Moraes, “a valorização do real tem sido um desastre para o agronegócio e em particular para os exportadores de carne”.

Participe, dando sua opinião sobre essa análise semanal, no pequeno questionário abaixo.

This post was published on 10 de maio de 2006

Share

Recent Posts

SP e GO registra aumento dos custos de produção de bovinos confinados

Na 38 a edição do Informativo do Índice de Custo de Produção de Bovinos Confinados… Read More

7 de agosto de 2020

Paraguai: anunciada a construção de um frigorífico de última geração

Dois dos maiores fazendeiros do Paraguai, Horacio Cartes (ex-Presidente da República) e Maris Llorens (ex-proprietária… Read More

7 de agosto de 2020

Pandemia reforça demanda do consumidor por carne bovina, diz líder da indústria dos EUA

A pandemia de Covid-19 reforçou poderosamente a demanda do consumidor norte-americano por carne bovina, disse… Read More

7 de agosto de 2020

Atenção sanitária deixa frigoríficos de carne bovina em alerta constante

Fiscalizações diárias e até de surpresa, além de um forte esquema de higienização e monitoramento… Read More

7 de agosto de 2020

DTechEX: Carne à base de células não será comum até 2040

As carnes criadas em laboratório a partir de células animais não devem ser compradas pelos… Read More

7 de agosto de 2020

Mundo da fantasia – Por Gil Reis

Recentemente uma notícia foi veiculada de forma bombástica pela mídia internacional, em retaliação ao “desmatamento… Read More

7 de agosto de 2020