Categories: Giro do Boi

Amazon confirma criação de supermercado próprio em 2020

A Amazon.com planeja abrir uma rede de supermercados distinta do Whole Foods Market, adquirido pela empresa há dois anos, um sinal da fome da gigante de varejo por uma maior fatia do mercado de alimentos que não se limita aos produtos orgânicos de alta qualidade.

A empresa anunciou quatro vagas de emprego para o “primeiro supermercado da Amazon” no bairro de Woodland Hills, em Los Angeles. Uma porta-voz da Amazon confirmou as vagas e disse que a loja seria aberta em 2020. A marca será diferente do Whole Foods e terá uma linha de pagamento convencional, ao contrário das lojas de conveniência Amazon Go, que não possuem caixas, disse. Os planos da Amazon para a loja foram divulgados anteriormente pela CNET.

A empresa de comércio eletrônico comprou o Whole Foods por US$ 13,7 bilhões há dois anos, mas ainda não avançou muito no setor de alimentos dos EUA, que movimenta US$ 900 bilhões. A marca Whole Foods, minuciosa sobre o que é permitido nas prateleiras com base em sua imagem saudável, entra em conflito com o desejo da Amazon de oferecer aos clientes o que eles querem. O Walmart, que captura cerca de 25% de todos os gastos de supermercado nos EUA, vende itens como Pepsi e Cheetos, marcas que consumidores não conseguem encontrar no Whole Foods. Analistas do setor de supermercados especulavam que a Amazon poderia abrir uma rede onde esses produtos não seriam vistos como traição à marca.

Quem compra produtos alimentícios on-line prefere opções para retirar nas lojas em vez da entrega em domicílio em uma margem de quase 2 para 1, e a Amazon precisa de mais lojas para atender a essa demanda crescente, disse David Bishop, sócio da empresa de pesquisa Brick Meets Click. A retirada nas lojas exige mais unidades próximas aos clientes – a cerca de 8 km de distância das residências – do que os serviços de entrega de compras, disse.

“A razão pela qual a Amazon precisa expandir sua presença física é uma demanda acelerada por serviços de retirada de mercadorias em vez de entrega”, disse. “Os consumidores têm um senso maior de controle quando retiram suas compras na loja em um local seguro, em vez de se preocupar com o fato de serem entregues em casa.”

As vendas da Amazon em lojas físicas, a grande maioria das quais são compras no Whole Foods, caíram 1,3% em relação ao ano anterior, para US$ 4,19 bilhões no terceiro trimestre. A Amazon disse que o total não inclui vendas on-line do Whole Foods, mas a empresa de Seattle não divulga esse número.

Woodland Hills é um bairro residencial de luxo no Vale de San Fernando. O Wall Street Journal informou no início do ano que a Amazon planejava abrir dezenas de supermercados sob uma nova marca, com a primeira loja sendo inaugurada em Los Angeles.

Fonte: InfoMoney.

This post was published on 13 de novembro de 2019

Share
Published by
Equipe BeefPoint
Tags: amazon

Recent Posts

Importação chinesa de carne suína bate recorde

As importações chinesas de carne suína bateram novo recorde em abril. O país asiático, que… Read More

26 de maio de 2020

Planta da Minerva em Goiás é habilitada a exportar carne bovina à Tailândia

A Minerva Foods, líder nas exportações de carne bovina na América do Sul, informou, em… Read More

26 de maio de 2020

Por perdão de dívidas do Funrural,produtores rurais preparam marcha à Brasília

Produtores rurais de todo o país vão organizar uma série de manifestações em Brasília a… Read More

26 de maio de 2020

Empresários preveem que oferta de produtos agrícolas será mantida

Embora a confiança no campo já não seja a mesmo do início do ano, sobretudo… Read More

26 de maio de 2020

Brucelose bovina: consumo de leite e carne crus é fator de risco

O consumo de carne crua de animais contaminados, leite cru ou produtos lácteos que não… Read More

26 de maio de 2020

Levantamento aponta que oferta de serviços melhorou para os caminhoneiros

Apesar de medidas restritivas à circulação da população continuarem em vigor em grande parte do… Read More

26 de maio de 2020