SP e GO registram queda dos custos de produção de bovinos confinados
9 de julho de 2021
Unilever e Gofind se unem popularizar The Vegetarian Butcher no Brasil
12 de julho de 2021

Agro comemora concessão da BR-163, mesmo com tarifa acima do esperado

O resultado do leilão da BR-163 no trecho que vai de Sinop (MT) a Miritituba (PA), arrematada ontem pelo Consórcio Via Brasil, foi um pouco pior que o esperado pelo Movimento Pró-Logística, que representa o agronegócio em Mato Grosso. A expectativa era que a tarifa tivesse ficado entre R$ 0,065 a R$ 0,07 por quilômetro, mas o arrematado foi R$ 0,07867 por quilômetro – desconto de 8,09% em relação ao valor máximo de pedágio definido em edital.

“Não é um bicho horroroso, desde que o consórcio desenvolva um bom trabalho de manutenção da estrada em todo o percurso, durante os dez anos de concessão”, afirmou ao Valor Edeon Vaz Ferreira, diretor executivo do Movimento PróLogística.

Segundo ele, a estrada deve movimentar 14 milhões de toneladas de grãos neste ano, o que representa um crescimento de quase 22% em relação aos 11,5 milhões transportados em 2020. O aumento aconteceria independentemente da privatização, diz Ferreira. “É resultado do aumento de produção em Mato Grosso, e tende a continuar assim”.

A estimativa é que a movimentação de soja e milho cresça entre 2,5 milhões e 3 milhões de toneladas ao ano até que a Ferrogrão – ferrovia que a União tenta viabilizar e cujo traçado será paralelo ao da rodovia – seja concluído. “Até lá, teremos cerca de 40 milhões de toneladas transportadas por ano”, calculou Ferreira.

O projeto da Ferrogrão, porém, ainda não tem data para ser leiloado. O processo está parado desde março, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu cautelarmente a lei que alterava os limites do Parque Nacional do Jamanxim (PA) e que viabilizaria a obra. O edital também precisa ainda da aprovação do Tribunal de Contas da União.

Segundo Ferreira, apesar de a tarifa ter ficado um pouco acima de sua expectativa, a concessão é motivo de comemoração porque vai garantir que a BR-163 tenha boas condições de tráfego durante todo o ano. A estrada tem histórico de buracos e alagamentos durante o verão, justamente quando a safra de soja precisa ser levada por Miritituba aos portos do Arco Norte. “Conversei com as empresas do consórcio e, também com as informações que temos sobre as três rodovias estaduais que elas já gerenciam [MT-320, MT-246 e MT-100], temos ótima expectativa.”

Inaugurada em 1976, a BR-163 é administrada hoje pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). A rodovia teve seu último trecho pavimentado no ano passado.

Fonte: Valor Econômico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *