Commodities: Milho fecha acima de US$ 7 em Chicago pela primeira vez desde 2013
6 de maio de 2021
Minerva vê cenário favorável a embarques
6 de maio de 2021

Agrishow é adiada para abril de 2022

A organização da Agrishow, maior feira agrícola do país, anunciou nesta quarta-feira que o evento foi adiado para os dias entre 25 e 29 de abril de 2022, em virtude das restrições relacionadas à pandemia da covid-19. A expectativa era de que a exposição ocorresse em junho deste ano.

Segundo comunicado dos organizadores, em consulta a todos os expositores da Agrishow 2020, a maioria disse não acreditar que a feira possa ocorrer este ano “em razão das barreiras sanitárias e de todo o cenário de incertezas que estamos vivendo em decorrência da pandemia”.

“A situação da saúde pública no Brasil ainda é considerada grave e não nos permite uma visibilidade de qual será seu patamar em junho e as consequentes restrições impostas pelos órgãos governamentais”, diz o comunicado.

Com a decisão de adiar a Agrishow para 2022, os organizadores da maior feira agrícola do país dizem que o desafio para a próxima edição é criar um evento que misture o ambiental real e o virtual. Com uma série de cancelamentos em virtude da pandemia, as exposições online foram uma alternativa adotada por algumas das principais feiras do país. A Agrishow não seguiu esse caminho.

Porém, para a edição de 2022, o presidente da Agrishow, Francisco Matturro, disse ao Valor que a organização da feira quer desenvolver uma plataforma virtual que possa unir clientes, agentes financeiros e fabricantes – a exposição tradicionalmente tem como destaque o lançamento e vendas de máquinas agrícolas.

“Não dá mais para desprezar o virtual, estamos buscando ter uma feira híbrida, e aí está o grande desafio. Precisamos de uma plataforma bastante robusta para fazer toda a operação”, afirma Matturro.

Segundo o presidente da Agrishow, o motivo de mais um adiamento – a feira não é realizada desde 2019 – decorre da falta de segurança de que a pandemia da covid-19 vá arrefecer no curto prazo. A Informa Markets, que organiza a feira, contratou uma pesquisa para avaliar a opinião e o clima entre os expositores.

“A gente esperava uma vacinação mais avançada e um controle maior da doença no Brasil. Não temos condições sanitárias para realizar a feira agora em junho. Como vamos aglomerar agora? Não devemos e nem temos permissão dos governos para isso”, resume o dirigente.

Matturro disse ainda ser difícil vislumbrar exposições agropecuárias neste ano no país. “Não posso falar pelos outros, mas todas as grandes feiras costumam ocorrer no primeiro semestre, só que agora não existe ambiente para aglomeração”.

A Agrishow, realizada em Ribeirão Preto (SP), é considerada a maior feira do setor. Em 2019, último ano em que ocorreram atividades presenciais, o evento movimentou R$ 2,9 bilhões em negócios.

Fonte: Valor Econômico.

Os comentários estão encerrados.