Categories: Giro do Boi

Acrimat debate recuperação da economia pantaneira

O Grupo de Trabalho do Conselho de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso (Codem), do qual a Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) faz parte, se reuniu nesta quinta-feira (05.11) nos Sindicatos Rurais de Cáceres e Poconé. As visitas finalizaram o trabalho iniciado há dois meses. Na oportunidade, o grupo, que visa solucionar problemas causados à economia pecuária no Pantanal mato-grossense, debateu o tema com os produtores da região.

Algumas propostas do GT são a preservação da sustentabilidade do Pantanal de Mato Grosso, criação de linha de financiamento específica para essa região, inserção tecnológica nas propriedades rurais, melhoria da produtividade, maior assistência técnica, sustentação da economia dessa região do estado.

“Propomos um plano que abarque investimento e custeio, a parte de logística de acesso por meio de consórcio público e privado para a recuperação e manutenção das rodovias vicinais, bem como do meio ambiente com definições para a recuperação do pasto e também sobre a certificação de origem que poderá agregar mais valor à produção da carne originada do pantanal mato-grossense”, destacou Amado de Oliveira Filho, consultor técnico da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat).

“A comissão visitou os sindicatos rurais das cidades pantaneiras e se reuniu com pecuaristas e projetistas para tratar das linhas de crédito que serão disponibilizadas. Vamos remanejar R$ 170 milhões em recursos do FCO Empresarial para o FCO Rural, com uso preferencial para produtores rurais do Pantanal”, explica César Miranda, secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico e presidente do CODEM.

De acordo com o estudo, o Pantanal mato-grossense vive desde a década de 70 um paradoxo entre perdas de pasto e, consequentemente, de animais pelo excesso e pela falta de água.

As receitas da atividade pecuária no Pantanal de Mato Grosso cobrem apenas os custos operacionais, enquanto o lucro é negativo. O cenário é preocupante para a planície pantaneira, tendo em vista que a pecuária de corte é a principal atividade rural que gera empregos na região e uma participação de 81,7% sobre o Valor Bruto da Produção.

Segundo informações do Observatório do Desenvolvimento da Sedec, as despesas financeiras por parte dos produtores representam 11% do custeio dos criadores do Pantanal, ou seja, são quase três vezes superiores aos dos demais pecuaristas no estado (4,0%).

O Plano Emergencial de Recuperação da Pecuária Pantaneira compreende o período de pós-incêndio até 30 de dezembro de 2021.

Fonte: Acrimat.

This post was published on 6 de novembro de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Chegou a sua chance de mudar o jogo da fazenda

Se você quer… 📍 Ter uma fazenda com mais lucro, satisfação, reconhecimento com mais harmonia.… Read More

5 de março de 2021

Uruguai: INAC considera exportar para países do Sudeste Asiático

O Instituto Nacional de Carnes (INAC) do Uruguai está explorando a possibilidade de facilitar exportações… Read More

5 de março de 2021

Senador dos EUA proporá lei que impede importação de commodities associadas a desmatamento

Os Estados Unidos deverão discutir em breve um projeto de lei para impedir que o… Read More

5 de março de 2021

Votação na Suíça pode definir peso de exigências ambientais

Pela primeira vez os suíços vão votar sobre um acordo comercial. A consulta popular a… Read More

5 de março de 2021

Rastrear fornecedores indiretos de gado demanda ‘várias engrenagens’, diz membro do comitê de sustentabilidade da Marfrig

O rastreamento dos fornecedores indiretos de gado dos frigoríficos para zerar o desmatamento nessa parcela… Read More

5 de março de 2021

Nova cepa de peste suína africana na China preocupa analistas

Uma nova cepa do vírus causador da peste suína africana (ASF) identificada na China tem… Read More

5 de março de 2021