Categories: Giro do Boi

Acordo da J&F abre caminho para a JBS

Mais de três anos após a delação premiada que chacoalhou a República, a holding dos irmãos Joesley e Wesley Batista assinou o aguardado acordo com o Departamento de Justiça (DoJ) dos EUA. Com isso, os controladores e a JBS resolveram pendências que pairavam como sombra sobre a sonhada listagem de ações das operações internacionais da empresa e da divisão Seara em uma bolsa americana.

Na B3, os investidores reagiram com entusiasmo. As ações da JBS lideraram os ganhos entre os papéis do Ibovespa, com uma valorização de 9,2%. Assim, a empresa ganhou R$ 4,8 bilhões em valor de mercado e fechou o pregão de ontem avaliada em mais de R$ 57 bilhões. No acumulado deste ano, porém, as ações amargam queda de 14,8%.

Na prática, três acordos com as autoridades americanas foram anunciados ontem, dirimindo riscos processuais nos Estados Unidos. O mais importante, é claro, foi o da J&F Investimentos, a holding dos Batista que tem 41% das ações da JBS. A controladora se declarou culpada por violar a legislação americana – a Lei de Práticas de Corrupção no Exterior (FCPA, na sigla em inglês) – e concordou em pagar multa de US$ 128,2 milhões (mais de R$ 700 milhões).

O acordo com o DoJ está relacionado a condutas e crimes reconhecido no Brasil por meio do acordo de leniência firmado pela J&F com o Ministério Público Federal (MPF) e pela colaboração premiada de Joesley e Wesley. A multa total aplicada à J&F foi de US$ 256 milhões (R$ 1,4 bilhão), mas a holding recebeu um crédito de 50% dos americanos por já ter fechado um acordo no Brasil. Na leniência, firmada em maio de 2017, a J&F aceitou pagar R$ 10,3 bilhões, em 25 anos. Quando se consideram as multas brasileiras e americana, a holding dos irmãos Batista arcará com R$ 11 bilhões.

“O acordo põe fim a qualquer exposição criminal nos Estados Unidos da J&F e de todas as suas afiliadas relacionadas à conduta”, informou a JBS, em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Como o acordo foi feito pela holding, a JBS não desembolsará nada. O passivo é do controlador, e não da controlada.

Por outro lado, a JBS assinou um acordo civil com a Comissão de Valores Mobiliários (SEC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos e, nesse caso, a empresa pagará diretamente uma multa de US$ 26,8 milhões – o equivalente a R$ 150 milhões.

A negociação com a SEC ocorreu porque a JBS não cumpriu com seu dever fiduciário, falhando em “manter precisos seus livros, registros e controles contábeis internos”. Com o acordo, a JBS terá de avaliar e informar à xerife do mercado de capitais americano sobre a efetividade das políticas anticorrupção pelos próximos três anos.

Em uma demonstração de como a JBS buscou retirar qualquer obstáculo jurídico nos EUA que pudesse, em maior ou menor medida, atrapalhar o processo de listagem de ações no mercado americano, a Pilgrim’s Pride, controlada pela JBS, anunciou também ontem um acordo com a divisão antitruste do DoJ que investigava um cartel do frango que teria ocorrido de 2011 ao início de 2019. Concorrentes como as também americanas Tyson Foods e Sanderson Farms são igualmente investigados pelo conluio.

Com ações na Nasdaq, a Pilgrim’s pagará uma multa de US$ 110 milhões (o equivalente a R$ 615 milhões). A investigação do órgão antitruste vinha avançando rapidamente. Na semana passada, o ex-CEO da Pilgrim’s Bill Lovette, que comandou a agroindústria de frango entre 2012 e 2019, foi indiciado. Jayson Penn, substituto de Lovette na subsidiária da JBS, também já havia sido indiciado – em junho, ele se licenciou para se defender das acusações e recentemente deixou a empresa.

O pacote de acordos nos EUA se soma a outros desdobramentos que, aos poucos, facilitam o processo de listagem da ações da JBS no mercado americano. Um deles foi o vencimento, no fim de 2019, do acordo de acionistas entre a J&F e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Com isso, o banco estatal, que ainda possui 21,8% do capital e já manifestou o interesse de se desfazer dos papéis – o que ajuda a pressionar o valor das ações -, perdeu o poder de veto sobre a operação. Em 2016, o BNDES impediu a reestruturação societária pela qual a JBS pretendia transferir a sede da companhia para a Irlanda.

Mas nem todas as pendências estão pacificadas. Em Brasília, o MPF pediu à Justiça neste ano que impeça a JBS de transferir a sede para o exterior. Em outras ocasiões, fontes próximas à companhia argumentaram que ainda não havia um desenho fechado para a estrutura societária e sustentaram que a controladora J&F continuaria com sede no Brasil.

Nas hipóteses já aventadas, a JBS poderia reunir todos as operações internacionais, mais a Seara, sob o guarda-chuva da companhia que será listada nos EUA – e que, possivelmente, também terá sede no exterior. Os negócios de carne bovina no Brasil, menos rentáveis que os demais, seguiriam com sede no país, como o Valor já informou.

Na esfera societária, as relações entre família Batista e BNDES ainda não estão resolvidas. Em 30 de outubro, os acionistas da JBS apreciarão o pedido do banco para que a empresa processe os irmãos pedindo indenização por prejuízos causados à JBS pelos crimes confessados na delação.

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 15 de outubro de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint
Tags: j&fjbs

Recent Posts

Hoje é o último dia para participar da nova turma do AgroTalento

As inscrições para o AgroTalento 2020 estão abertas e encerram HOJE, quarta-feira, dia 28 de… Read More

28 de outubro de 2020

Experimente o AgroTalento Grátis por 15 dias e ganhe uma mentoria exclusiva

As inscrições para o AgroTalento 2020 estão abertas e encerram quarta-feira, dia 28 de outubro… Read More

27 de outubro de 2020

Pecuaristas dos EUA exigem transparência de mercado

Uma coalizão de 17 organizações estaduais de pecuaristas dos EUA está convocando líderes do Congresso… Read More

27 de outubro de 2020

JBS vai inaugurar confinamento para 12 mil bois em Mato Grosso

A JBS vai inaugurar um novo confinamento em Confresa (MT). A unidade de engorda intensiva… Read More

27 de outubro de 2020

Rio Grande do Sul realiza o embarque de 13 mil terneiros vivos

O Rio Grande do Sul promoveu o embarque de 13 mil terneiros vivos com destino… Read More

27 de outubro de 2020

Levar internet ao campo é uma forma de dar acesso à educação e à saúde no interior do Brasil

Nas pequenas e médias propriedades rurais onde a internet ainda não chega, o potencial de… Read More

27 de outubro de 2020