Investidor mira prevenção em frigoríficos
20 de maio de 2022
Oferta de boi cresce e favorece frigoríficos
20 de maio de 2022

Ações das companhias de carne bovina acumulam baixa no ano

A acomodação dos preços do boi gordo em patamares inferiores aos atuais no Brasil é um dos fatores esperados pelos grandes frigoríficos para uma melhora consistente dos resultados de suas operações no país – que, vale salientar, já apresentaram reação no primeiro trimestre deste ano. 

A manutenção do ritmo forte das exportações brasileiras de carne bovina e uma retomada do consumo doméstico da proteína, com o estímulo do Auxílio Brasil, do saque do FGTS e da antecipação do 13º salário de aposentados, completam o tripé que poderá tornar as margens mais confortáveis.

E, embora JBS, Marfrig e Minerva tenham grande parte de seus negócios ancorada em outros países, essa combinação poderá dar fôlego extra às ações, que neste mês de maio estão em queda, mesma direção do Ibovespa. 

Segundo cálculos do Valor Data, os papéis da JBS, maior empresa de proteínas e alimentos em geral do mundo, acumulam baixa de 6,05% em maio (até ontem), enquanto o Ibovespa caiu 0,81%. 

No Brasil, a alta da taxa básica de juros Selic age na contramão dos estímulos e pode segurar a retomada esperada, ao passo que nos EUA, onde a JBS obtém a maior parte de suas vendas, os juros também estão em alta e a oferta de boi já começa a ficar menos folgada, o que tende a espremer um pouco mais as margens. 

Os mesmos problemas são enfrentados pela Marfrig – inclusive nos EUA, onde a empresa controla a National Beef. Suas ações já recuaram 20,91% em maio, também sob influência dos resultados negativos da BRF de janeiro a março – a Marfrig tem participação de mais de 32,27% na empresa. 

Diferentemente das companhias que trabalham com carne bovina, a BRF, cujo foco está em aves, suínos e processados, continua muito pressionada pelo aumento dos custos de produção, uma vez que a alta dos preços dos grãos (soja e milho) não dá trégua. Nesse cenário, recentemente, as ações da companhia caíram a patamares históricos na bolsa. 

A Minerva recuou 5,18% em maio na B3 até agora. A empresa é a maior exportadora de carne bovina da América do Sul e tem na demanda internacional firme, principalmente da China, um de seus suportes mais sólidos.

Desde o início do ano, as ações da JBS já recuaram 6,34%, e o valor de mercado da gigante diminuiu para R$ 77,6 bilhões; no caso da Marfrig, os papéis registraram queda de 30,83% desde janeiro, e seu valor de mercado fechou ontem a R$ 10,3 bilhões; na Minerva, em contrapartida, a valorização das ações no período chegou a 20,53%, e o valor de mercado caiu para R$ 7,6 bilhões. 

Do início de 2022 até ontem, o Ibovespa caiu, mas apenas 0,55%. 

Fonte: Valor Econômico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.