Índice de preços de alimentos da FAO atinge pico desde maio de 2014
7 de maio de 2021
Sua Chance de Mudar o Jogo da Fazenda é segunda-feira, 10 MAIO
7 de maio de 2021

Abrafrigo: Exportações de carne bovina cresceram 12% em abril

A redução nas compras chinesas de carne bovina entre março e abril não impediu que as exportações brasileiras do
produto in natura e processado tivessem um bom desempenho no mês passado. Em relação a abril de 2020, volume e receita
cresceram 12% e 23%, respectivamente, segundo dados divulgados nesta sexta-feira pela Associação Brasileira de Frigoríficos
(Abrafrigo), compilados a partir das informações da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Economia

Os embarques ao exterior, que haviam sido de 135,8 mil toneladas em abril de 2020, somaram 152,6 mil toneladas no mês
passado; a China reduziu suas compras em 9,5 mil toneladas. As exportações geraram receita total de US$ 706,7 milhões.

No ano, o volume de exportações acumula crescimento de 3%, chegando a 563,6 mil toneladas. A receita com os embarques
aumentou 5%, para US$ 2,52 bilhões, em relação aos quatro primeiros meses de 2020, quando a movimentação foi de 549,7
mil toneladas e o faturamento, de US$ 2,39 bilhões.

Segundo a Abrafrigo, 66 países aumentaram o volume das importações e 75 diminuíram. A China é o maior comprador da carne bovina brasileira, respondendo por 58,7% das exportações destinada à Ásia e Hong Kong. Em 2021, O Brasil já embarcou 331 mil toneladas aos chineses, negócios que chegaram a US$ 1,5 bilhão. No primeiro quadrimestre de 2020, as vendas somaram 295 mil toneladas, com receita de US$ 1,346 bilhão. 

Em abril, o Chile foi o segundo maior comprador da carne brasileira, com 25,7 mil toneladas. Os Estados Unidos ficaram em terceiro, com 23 mil toneladas. Filipinas (20,3 mil toneladas), Emirados Árabes Unidos (15 mil toneladas), Egito (14,8 mil toneladas), Arábia Saudita (12,5 mil toneladas), Israel (11,3 mil toneladas) completam a lista dos principais clientes dos frigoríficos nacionais. 

Fonte: Valor Econômico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *