A carne é um alimento saudável, diz especialista

“O modo como você fica mais magro é ingerindo menos carboidratos”, explicou Gary Taubes, autor de três livros sobre nutrição que apontam para carboidratos e seu efeito no hormônio insulina como a raiz da luta dos americanos contra o aumento da obesidade.

Taubes estava falando com uma sala cheia de profissionais do setor de carne na 98ª conferência anual do Canadian Meat Council.

Taubes é um premiado jornalista investigativo em ciências que se formou em física aplicada em Harvard, mestrado em engenharia na Universidade de Stanford e mestrado em jornalismo na Universidade de Columbia. Ele extraiu seus comentários de seus livros “Why We Get Fat,” “The Case Against Sugar” e “Good Calories, Bad Calories.”

Observando que a obesidade nos Estados Unidos cresceu 700% desde os anos 60, apesar dos esforços grandes e pequenos para deter a tendência, Taubes comentou: “Se você não está conseguindo reverter (tal tendência), é possível que haja algo errado com o pressupostos originais ”.

A suposição original, que remonta ao século XIX, é que o ganho de peso é simplesmente uma função de ingerir mais calorias na forma de alimento do que as gastas com a atividade. Taubes explicou a suposição como uma questão de fato, mas não uma questão de causalidade.

Isto é, como uma analogia, o aquecimento global é o resultado de mais energia entrando na atmosfera do que é tirada dela, mas isso não explica por que há mais entradas do que saídas.

Em muitas pessoas, o tecido adiposo opera com seu próprio metabolismo, que rouba energia de outros tecidos, como o músculo, para ser armazenado como ácidos graxos.

Ele citou vários estudos que mostraram que ratos e camundongos que eram obesos morreriam de fome com mais tecido adiposo em seus corpos do que os ratos magros, mesmo que os camundongos magros pudessem comer tudo o que quisessem. A diferença é o nível de insulina no corpo, ele disse.

“Se você tende a engordar, é porque você está comendo (macarrão, arroz, batatas) e seu corpo não pode tolerar isso”, disse Taubes. “Você pode comer o quanto quiser de carne, frango, peixe” e outras categorias de alimentos, como vegetais e frutas. Dietas de baixo carboidrato são designadas a reduzir os níveis de insulina no corpo.

“Os ratos não engordaram por comer demais. Eles engordaram sempre que comeram. É um distúrbio hormonal e o que regula isso? Insulina.”

Em contraste com a sabedoria convencional – e o conselho de muitos médicos e nutricionistas – Taubes disse que a pesquisa indica que comer mais gordura, incluindo carne bem marmorizada, hambúrgueres mais gordurosos e similares, melhora muitos indicadores de saúde em humanos, do peso a pressão sanguínea até o nível de açúcar no sangue.

Fonte: MeatingPlace.com, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 1 de junho de 2018

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Rafael Tardáguila: Oferta de carne deve se adequar à menor demanda

A demanda por carne bovina cairá devido à recessão global, mas a oferta está se… Read More

29 de maio de 2020

Covid-19 infectou mais de 3 mil funcionários de frigoríficos nos EUA, diz sindicato

Mais de 3 mil funcionários de frigoríficos dos Estados Unidos testaram positivo para Covid-19 e… Read More

29 de maio de 2020

Carne bovina: mercado interno continua incerto e exportações seguem firmes

Com a baixa de oferta de animais, algumas indústrias estão oferecendo mais pela arroba do… Read More

29 de maio de 2020

Produção de carne bovina deve cair, diz Rabobank

O mais novo relatório do Rabobank indicou que a produção de carne bovina brasileira deve… Read More

29 de maio de 2020

Boi gordo: China pede renegociação à exportadoras de carne

A retração da procura pelas principais proteínas animais no mercado atacadista de São Paulo foi… Read More

29 de maio de 2020

JBS vai pedir aval do governo de SC para sacrificar 650 mil frangos

A JBS vai protocolar na Secretaria de Agricultura e no órgão ambiental de Santa Catarina… Read More

29 de maio de 2020