Commodities: Grãos despencam em Chicago no último pregão do mês
1 de dezembro de 2021
Investidores identificam riscos ESG em empresas de carnes
1 de dezembro de 2021

9 dicas para gerenciar o estresse por calor em bovinos de corte

É aquela época do ano de novo. Estamos quase no verão e uma de nossas maiores preocupações é controlar o estresse causado pelo calor em confinamentos de gado de corte.

Apesar do calor, os pecuaristas têm tarefas necessárias que devem ser realizadas em seus currais. É importante incorporar o gerenciamento do estresse térmico na produção de gado para evitar problemas para o gado ou, em casos extremos, a morte.

O que é estresse por calor no gado? A definição simples é que o gado está absorvendo e produzindo mais calor do ambiente e da fermentação do que consegue eliminar de seu corpo por meio do suor, do fluxo de ar e da respiração. O gado pode suar, mas não da mesma forma que os humanos. A respiração é uma das principais maneiras de reduzir o excesso de calor em temperaturas mais altas. Eles também dependem das condições ambientais para ajudar a controlar o calor.

Qualquer índice de temperatura e umidade acima de 27ºC é problemático para o gado e pode causar estresse por calor. As temperaturas noturnas de 22ºC ou mais também contribuem para o estresse térmico em bovinos de corte, já que não há interrupção das temperaturas intensas para que esfriem à noite. Os sinais de estresse por calor incluem diminuição do consumo de ração, inquietação, baba e respiração aumentada. Se o gado estiver respirando com a boca aberta, é provável que estejam sofrendo de estresse por calor e você deve agir imediatamente.

O estresse por calor em bovinos de corte pode ocorrer mesmo quando não temos as ondas de calor extremas. Alta umidade e elevadas temperaturas durante a noite, falta de fluxo de ar e até mesmo muita luz solar direta sem sombra ou cobertura de nuvens são todas as causas potenciais. Outros fatores que podem aumentar os impactos negativos do estresse calórico são a saúde geral e o estágio da vida. Mesmo a genética, como uma pele clara ou escura, ou um temperamento calmo ou agitado, podem desempenhar um papel importante. O gado que sofreu anteriormente de estresse por calor também está em maior risco.

Com todo esse conhecimento e com as altas temperaturas que acontecem no verão no Brasil, como podemos mitigar e reduzir o estresse térmico no gado de corte? Aqui estão algumas maneiras de mitigar o risco de estresse por calor e garantir que seu gado permaneça seguro ao processá-lo nos meses quentes de verão.

1) Monitore seu gado

Em primeiro lugar, monitore seu gado diariamente antes, durante e depois de altas temperaturas em busca de sinais de estresse por calor. Remova o gado que está lutando e coloque-o em uma área separada onde eles possam se refrescar com mais eficácia e você possa ficar de olho neles para garantir que se recuperem adequadamente.

2) Planeje com antecedência

As melhores estratégias para controlar o estresse térmico em bovinos de corte são implementadas bem antes de altas temperaturas. Prepare com antecedência locais onde o gado possa se refrescar de maneira eficaz.

3) Forneça bastante sombra

Os currais para gado de corte nem sempre têm acesso à sombra, e o calor radiante do solo agrava os efeitos do estresse térmico, mesmo em currais com piso de terra. Adicione sombra às áreas do curral sempre que possível, ou crie uma área sombreada para gado de maior risco: gado mais velho, gado jovem, qualquer com pele escura e aqueles que já tiveram pneumonia ou estresse por calor. Monitore esse gado mais de perto, pois eles podem ser os únicos que você moverá para um curral separado.

4) Reduza a ingestão de proteínas

A pesquisa mostrou que uma menor ingestão de proteína ou energia diminuirá o estresse térmico em bovinos de corte. Consulte seu veterinário e considere reduzir as quantidades de proteínas em 5% a 7%.

5) Aumente a ingestão de água

Isso pode ser feito aumentando o número de tanques de estoque e garantindo que a água esteja limpa e fria. Sempre que possível, adicione novos tanques de estoque antes que a onda de calor comece, pois todos nós sabemos que o gado precisa de tempo para se ajustar às novas coisas.

6) Mude os horários de alimentação

A digestão dos alimentos aumenta a temperatura corporal central do gado. Podemos diminuir o estresse calórico alimentando o gado quando ele esfria, de forma que a fermentação ocorra durante a noite.

7) Mantenha o fluxo de ar em movimento

Remova quaisquer quebra-ventos que foram configurados para o inverno para ajudar a reduzir o estresse causado pelo calor. Além disso, analise todas os currais antes de temperaturas extremas para determinar qual tem o melhor fluxo de ar e tente usar esses currais exclusivamente durante altas temperaturas. A redução da densidade do rebanho nos currais também pode ajudar a melhorar o fluxo de ar, portanto, considere trabalhar em lotes menores e tenha cuidado para não sobrecarregar os currais.

8) Minimize insetos e moscas

O gado estressado pela picada de insetos se aglomera, aumentando o calor e reduzindo o fluxo de ar entre os animais. Tente remover todas as áreas de reprodução de moscas de seus currais de gado de corte e utilize métodos de controle de moscas para mantê-los no mínimo.

9) Maneje com cuidado

Se possível, trabalhe o gado logo de manhã, antes das horas mais quentes do dia. Evite trabalhar o gado à noite, pois eles ainda estarão se recuperando das altas temperaturas do dia. Em temperaturas mais altas, o gado deve ser mantido no curral por no máximo 30 minutos para minimizar os níveis de estresse. Como sempre, use técnicas de manejo de gado de baixo estresse e equipamento adequado para manter outros estressores ao mínimo.

Gerenciar o estresse por calor em currais de gado de corte é crucial para o sucesso de sua operação. Devemos também nos lembrar de cuidar de nós mesmos e de outros manejadores; gerenciar o estresse térmico humano permite que os trabalhadores cuidem melhor do gado. O estresse térmico em bovinos de corte é um desafio constante nos meses de verão, mas podemos mitigar com planejamento e tendo as estratégias corretas em vigor.

Fonte: Progressive Cattle, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *