Com tendência mundial, empresa de MS lança selo “carne a pasto”
15 de junho de 2021
Grupo usa chip que mimetiza o endométrio bovino para estudar fatores que podem comprometer a gestação
16 de junho de 2021

5 dicas para maximizar o ROI das vacinações de bezerros

Vacina é uma palavra da moda nas manchetes de notícias de hoje, enquanto o mundo aguarda o desenvolvimento de uma vacina humana que deverá reduzir a disseminação de COVID-19. Mas para os produtores de gado, a discussão sobre vacinas e construção da imunidade do rebanho não é novidade, uma vez que as vacinas são ferramentas de manejo sanitário comumente usadas entre os rebanhos.

“Seja falando sobre pessoas ou gado, o objetivo de uma vacina é fornecer proteção aos indivíduos e à grande população, rebanho ou comunidade da qual esses indivíduos fazem parte”, explica Marissa Munson, DVM, veterinária de serviço técnico para o gado dos EUA Unidade de Negócios da Huvepharma. “Como resultado, as vacinas podem prevenir surtos, diminuir o número de vacas que adoecem e minimizar perdas de desempenho e intervenções de tratamento dispendiosas.

Dito isso, para que as vacinas façam sua mágica completamente, vários fatores e aplicações de manejo devem ser considerados. As vacinas são uma parte importante de um programa preventivo de saúde do rebanho, mas não têm o objetivo de ser uma solução mágica para compensar o manejo inadequado. Quando você investe em uma vacina – e no tempo para administrá-la – você deseja otimizar seu retorno no animal e retorno para o produtor.

Assim, para produtores que planejam protocolos de vacinação para seu gado, seguem 5 dicas para aumentar o retorno sobre o investimento (ROI):

1) Avalie as necessidades de vacinas

Quer você tenha vacinado o gado por anos ou esteja considerando adicionar um protocolo de vacinação ao seu rebanho, reserve um tempo para avaliar suas práticas de vacinação. Considere que tipo de doenças você deseja controlar. Que tipo de animal você irá vacinar (bezerros desmamados, novilhas ou vacas maduras) e quais são os diferentes riscos de doenças a que eles estarão expostos.

Incluir o seu veterinário neste processo de avaliação e desenvolvimento do programa de vacinas é fundamental para compreender melhor os riscos do seu rebanho e quais vacinas são mais adequadas às suas necessidades. Como recomendação geral, procure uma vacina que cubra os principais vírus respiratórios e reprodutivos, como IBR (Rinotraqueíte Bovina Infecciosa) e BVD (Diarreia Viral Bovina), por exemplo, e trabalhe com seu veterinário para determinar outras doenças que afetam sua região geográfica e tipo de operação. Cada operação terá diferentes necessidades de vacina dependendo dos objetivos do rebanho.

2) Minimize o estresse antes, durante e após a vacinação – especialmente para bezerros

Idealmente, você deseja vacinar o gado em momentos de menor estresse para produzir uma resposta imunológica mais eficaz. Para bezerros jovens, isso significa dar vacinas iniciais 2 a 3 semanas antes do desmame e seguir com um reforço algumas semanas após o desmame. Ela explica que o objetivo de um programa de vacina eficaz para bezerros é construir imunidade antes do desmame para minimizar o risco de os bezerros adoecerem durante esse período estressante.

3) Garanta o manuseio e armazenamento adequados da vacina

O armazenamento de vacinas é fundamental, pois são sensíveis à temperatura e à luz. O manuseio e a administração também podem afetar a eficácia da vacina, portanto, prestar atenção a isso é essencial. As vacinas devem ser mantidas resfriadas e, via de regra, recomenda-se retirar da geladeira apenas a quantidade de vacina que será usada em algumas horas e mantê-la em um refrigerador. Isso é especialmente importante para vacinas vivas modificadas (MLV), que são frágeis.

Além disso, atente-se à importância das preparações de antemão, incluindo a revisão do uso do rótulo e as datas de validade das vacinas, rotulando seringas para uso de determinado produto e usando agulhas limpas para que produtos diferentes não se misturem. As sobras de frascos abertos devem ser descartadas ao final do dia, principalmente quando a tampa foi perfurada com múltiplos orifícios de agulha, havendo risco de contaminação. Seguir essas etapas pode ajudar a minimizar caroços pós-vacinação e inchaços que podem ocorrer no local da injeção.

4) Não negligencie a nutrição e a hidratação

Se os bezerros são saudáveis antes da vacinação, eles geralmente lidam com o processo de vacinação sem obstáculos extras. Igualmente importante é a nutrição balanceada e o acesso a água limpa e fresca.

Sabemos que a nutrição pode impactar a resposta à vacina. Portanto, fazer bezerros se alimentarem e se hidratarem antes e depois da administração da vacina é a chave para enfrentar os desafios pós-vacinação que os bezerros podem enfrentar.

5) Comunique os esforços de vacinação

A vacinação e o investimento na saúde do rebanho podem ser uma vantagem para todos, desde o produtor de bezerros até o frigorífico. Sabemos que bezerros vacinados são animais mais saudáveis e têm melhor desempenho. Assim, é muito importante comunicar as etapas que foram tomadas para melhorar a saúde e reduzir o risco em bezerros que se deslocam pela cadeia de comercialização para capturar o valor agregado.

Fonte: Baseado no artigo 5 tips for maximizing ROI from calf vaccinations, da Huvepharma, publicado na BEEF Magazine, traduzido e adaptado pela Equipe BeefPoint.

Os comentários estão encerrados.